Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Fevereiro, Março, Abril e Maio | Quem chegou?

27.06.22

As saudades que eu já tinha de abrir uma página no blog e escrever. A vida tem acontecido, as exigências do trabalho têm-me consumido as energias e a vontade para vir aqui tem sido bastante reduzida.

Quero voltar porque sinto imensa falta deste espaço e da minha liberdade criativa. Porém, vou tentar fazê-lo aos poucos e sem grande pressão pessoal.

Tenho lido pouco, mas o fluxo de livros a entrar e a sair tem sido expressivo. Hoje apresento as movimentações dos últimos quatro meses. 

Partilha comigo se já leste algum destes livros ou se tens curiosidade em relação a algum deles.

Compras
Este ano estou menos contida no que toca a compras. Nestes meses comprei sete livros! Em fevereiro comprei "O egomaníaco" de Vi Keeland e o livro "Mulherzinhas" da coleção Romances Eternos. Ainda desta coleção comprei "A idade da inocência" de Edith Wharton, "Ema" de Jane Austen e "Madame Bovary" de Gustav Flaubert. Em abril comprei um livro técnico "Intervenção psicológica com ludoterapia" de Raíssa Santos e em maio comprei, em segunda mão "A hipótese do amor" de Ali Hazelwood.

Sem título.jpg

Trocas
Também tenho trocado alguns livros, o que é sempre uma boa forma de permitirmos que as pessoas peguem em livros que já não nos interessem e nós termos oportunidade para ler outros do nosso interesse. Assim, através de troca chegaram cá a casa "Os outros" de C. J. Tudor; "Segredos do teu olhar" de Patrícia Scalan; e, "Consentimento" de Vanessa Springora. 

Sem título.jpg

Biblioteca
Ainda tive tempo para passar na biblioteca e trazer os livros "Aquorea" de M. G. Ferrey; "Boneca de trapos" de Daniel Cole; e, "A máquina de fazer espanhóis" de Valter Hugo Mãe. 

Sem título.jpg

 

Oferta
Agradeço à Porto Editora a oferta do livro "Eu sei o que vocês fizeram" de Dorothy Koomson. 

Sem título.jpg

Agora, preciso de coragem para vir partilhar contigo as dez opiniões que tenho em atraso.

 

Opinião | "O homem das castanhas" de Søren Sveistrup

18.04.22

Untitled design (10).jpg

"O homem das castanhas" andava na minha lista de interesses há muito tempo, muito por causa das boas impressões que iam sendo partilhadas.

O momento que marca o início desta história é bastante intrigante. Uma mulher foi brutalmente assassinada e uma das mãos foi decepada e levada pelo assassino. Junto ao corpo, foi deixado um boneco feito de castanhas e paus. Esta pista acrescenta um lado ainda mais misterioso ao cenário do crime. Sem qualquer explicação são encontradas impressões digitais de uma pré-adolescente que desapareceu há um ano e que foi dada como morta. Esta jovem era filha de uma importante figura política do panorama político do país.

Esta ligação agita outros aspetos da narrativa, nomeadamente, a posição política da ministra e os dramas familiares que se tecem em torno destas pessoas. 
As ligações entre dramas familiares, crimes e personagens que vão aparecendo na narrativa são cativantes e instigam a curiosidade. Contudo, o meu ritmo inconsistente de leitura dificultou-me a construção mental da história e do papel de cada personagem nos acontecimentos que se iam sucedendo. Esta leitura beneficia de um ritmo de leitura constante e consistente ao longo dos dias, por isso as paragens e a leitura de poucas páginas por dia dificultam a  minha imersão na narrativa. No fundo, são muitas personagens e muitos acontecimentos que têm pontos de contacto entre si e que precisam de uma leitura consistente para não perdermos os pontos de interação que nos levam a uma explicação global. O tamanho reduzido da letra da letra também dificultou o meu processo de leitura. Achei-a demasiado pequena! 

Gostei muito da escrita gráfica e pormenorizada das cenas de crime e relacionadas com o desenvolvimento do enredo que culminaria com a explicação de todas as pontas soltas que foram sendo semeadas ao longo do livro. Foi muito inteligente a forma como o escritor foi conduzindo o leitor por diferentes teorias e raciocínios, mas todos eles interessantes e bem construídos.

A dupla detetives, Naia Thulin e Mark Hess também protagonizam momentos interessantes e intrigantes. Mark tem o seu lado mais misterioso que acaba por oferecer outro ponto de interesse à história. Gostei da dinâmica entre os dois e da forma como constroem a sua relação profissional e pessoal.

Este livro reforça o prestigio que os(as) escritores nórdicos estão ganhar relativamente à escrita de thrillers e policiais. Fiquei com vontade de conhecer mais obras deste autor.

Classificação

Foi bom mas acabou... | Escritores que perderam o encanto!

14.04.22

Crescer enquanto leitora, significa perder o encanto com aqueles(as) escritores(as) que noutra época fizeram vibrar o nosso intelecto.

📌Hoje apresento-te um escritor e duas escritoras que perderam um lugar especial nos meus interesses de leitura.

Danielle Steel

images.jfif

Esta escritora fez parte da minha transição para leituras para adultos.

Há dois livros que guardo com muito carinho: "Mensagem do Vietname" e "A mansão Thurstone".

Os livros mais recentes que li da escritora não conseguiram oferecer-me mais do que leituras medianas. São livros com histórias bonitas, que entretêm, mas que não me conseguem entusiasmar.

Acho que a continuo a ler por uma questão de boas recordações. Por ser uma escritora que marcou uma fase do meu percurso enquanto leitora.

Nicholas Sparks

nicholas_sparks_foto_brad_styron_photography141117

"Corações em silêncio" foi o primeiro livro para adultos que li. Fiquei viciada nos livros deste escritor e fui lendo tudo o que havia na biblioteca.

É um escritor que recorre a muitos clichés. Porém, sabe usá-los nas suas histórias.

Os meus livros preferidos do escritor são "Uma escolha por amor" e "O diário da nossa paixão".

Ainda é um autor que leio de vez em quando. Perdeu o encanto do passado, mas consegue oferecer-me uma leitura emocionalmente bem construída.

Jude Deveraux

images (1).jfif

O primeiro livro que trouxe da biblioteca desta escritora proporcionou-me uma leitura pouco memorável.

Como não desisto à primeira, trouxe "Jardim de alfazema" e gostei muito.

Acabei por ganhar os cinco primeiros volumes da série Edilean. Prefiro os livros de época. As narrativas foram mais interessantes e cativantes.

Contudo, tenho de destacar que os dois últimos livros que li "Desejos do coração" e "Perfume de jasmim" não me entusiasmaram tanto. Fiquei mesmo sem vontade de continuar a ler os livros da série.

👉 E tu, já perdeste o interesse por algum escritor ou alguma escritora? Quais os motivos para a perda desse interesse?

Foi bom mas acabou... | Escritores que perderam o encanto!

14.04.22

Crescer enquanto leitora, significa perder o encanto com aqueles(as) escritores(as) que noutra época fizeram vibrar o nosso intelecto.

📌Hoje apresento-te um escritor e duas escritoras que perderam um lugar especial nos meus interesses de leitura.

Danielle Steel

images.jfif

Esta escritora fez parte da minha transição para leituras para adultos.

Há dois livros que guardo com muito carinho: "Mensagem do Vietname" e "A mansão Thurstone".

Os livros mais recentes que li da escritora não conseguiram oferecer-me mais do que leituras medianas. São livros com histórias bonitas, que entretêm, mas que não me conseguem entusiasmar.

Acho que a continuo a ler por uma questão de boas recordações. Por ser uma escritora que marcou uma fase do meu percurso enquanto leitora.

Nicholas Sparks

nicholas_sparks_foto_brad_styron_photography141117

"Corações em silêncio" foi o primeiro livro para adultos que li. Fiquei viciada nos livros deste escritor e fui lendo tudo o que havia na biblioteca.

É um escritor que recorre a muitos clichés. Porém, sabe usá-los nas suas histórias.

Os meus livros preferidos do escritor são "Uma escolha por amor" e "O diário da nossa paixão".

Ainda é um autor que leio de vez em quando. Perdeu o encanto do passado, mas consegue oferecer-me uma leitura emocionalmente bem construída.

Jude Deveraux

images (1).jfif

O primeiro livro que trouxe da biblioteca desta escritora proporcionou-me uma leitura pouco memorável.

Como não desisto à primeira, trouxe "Jardim de alfazema" e gostei muito.

Acabei por ganhar os cinco primeiros volumes da série Edilean. Prefiro os livros de época. As narrativas foram mais interessantes e cativantes.

Contudo, tenho de destacar que os dois últimos livros que li "Desejos do coração" e "Perfume de jasmim" não me entusiasmaram tanto. Fiquei mesmo sem vontade de continuar a ler os livros da série.

👉 E tu, já perdeste o interesse por algum escritor ou alguma escritora? Quais os motivos para a perda desse interesse?

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [O desafio]

12.04.22

21843884_S3Ee6.jpeg

Desafio do livro "Rapariga Silenciosa”, de Tess Gerritsen

Eu mereço um grande puxão de orelhas, patrocinada pela Daniela. Ando muito atrasada nos desafios e em tudo no que ao blogue diz respeito. Como sou apologista do "mais vale tarde do que nunca", sinto que venho sempre a tempo de responder ao desafios (mesmo que seja de um livro lido em 2021 e cujo desafio foi enviado dias depois da leitura). 

Um dia diferente

As tuas aventuras na companhia da autora ainda não terminaram.

Já lhe deste a ideia para um novo assassino em série, criaste um título para um dos seus livros e mataste uma das suas personagens.

Agora terás um pouco mais de liberdade.

O que tens de fazer? Escolher uma personagem (do livro que terminaste de ler) e planear um dia na sua companhia. O que vais fazer? Dar-lhe a conhecer a tua cidade? Ir ao cinema? Experimentar um desporto radical?

A decisão é tua!

Preparada para mais um desafio?

Eu pegaria na Regina, a filha da detetive Rizzoli, para proporcionar-lhe um dia diferente. Assim, ela poderia trabalhar de forma mais descontraída ou descansar depois de uma investigação intensa. 

Plano de atividades:

Parte da Manhã
Iria com a Regina a uma quinta pedagógica, na região de Coimbra, para que ela pudesse alimentar os animais e brincar na natureza. Aproveitaríamos o espaço para estender uma manta na relva e almoçar. Para isso, levaria uma cesta com fruta, sandes, legumes e sumos naturais para aproveitarmos uma refeição ligeira num espaço agradável.

Parte da tarde
Passaríamos a tarde no Portugal dos Pequenitos, onde a Regina poderia conhecer muitos dos espaços nacionais e divertir-se a brincar nas casinhas ajustadas ao seu tamanho. No final, rumaríamos ao parque verde, junto ao rio, e comeríamos o resto do nosso lanche. 

Daniela, aprovas este plano de atividades?

Opinião | "Cerimónia mortal" de J. D. Robb (Série Mortal #5)

11.04.22

Untitled design (9).jpg

Desde 2015 que não pegava num livro da Série Mortal escrita por J. D. Robb. Quando descobri esta série, delirei com as histórias. A sua essência futurista, a sua veia policial e uma relação amorosa transcendente foram elementos certeiros e com uma enorme capacidade de captar o meu interesse enquanto leitora. 

Atendendo à minha experiência anterior, parti para a leitura com a expetativa de rever personagens queridas e uma história alucinante. A realidade é que a leitura não foi capaz de responder de forma eficaz às boas expetativas que tinha. É certo, eu cresci enquanto leitora! A minha disponibilidade mental não tem andado nos melhores dias. E, claro, acho que os meus interesses literários já não vão ao encontro dos elementos que caracterizam esta série e estes livros. 

Nesta leitura, a realidade futurista oprimiu-me. A poluição atmosférica, que aparece muitas vezes retratada nas cenas exteriores, deixou-me nauseada e incomodada. Uma sensação estranha que incomodou a minha leitura. Eve e Roarke não me encantaram da mesma forma que em leituras anteriores. O crime envolto em cultos e crenças não me entusiasmou, nem me espicaçou o interesse. Talvez por ser uma aspeto pelo qual não sinto interesse ou vontade de saber mais. 

Não estou a colocar em causa a qualidade do livro. Não detetei incongruências na narrativa; não houve cenas incompletas ou mal explicadas; no fundo, não encontrei nada que pudesse colocar em causa a qualidade da narrativa e da sua construção.
Foi a minha experiência pessoal com o livro, e a esta minha opinião resulta de uma incompatibilidade com aquilo que o livro me ofereceu.

Agora fica a dúvida se devo ler mais livros da série ou encerrar por aqui a minha experiência com estes livros. É certo que eles marcaram uma fase da minha vida e que me ofereceram boas leituras e bons momentos. Será que os devo deixar nessa fase? Será que voltarei a desiludir-me? Muitas questões para as quais ainda não tenho resposta!

Que livros vos entusiasmaram numa determinada fase da vida e que hoje já não vos oferecem bons momentos de leitura?

Classificação

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]

04.04.22

Já seguiu mais um livro da minha estante diretamente para as mãos da Daniela .

Desta vez, escolhi o livro "Um por um" de Chris Carter.

500x.jfif

Foi uma escolha segura. Quis enviar um livro que proporcionasse uma leitura rápida e intensa de forma a ajudar a Daniela a desligar dos seus trabalhos de revisão.

Passa no blog da Daniela e fica a conhecer a reação dela à receção deste livro. 

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

22.03.22

Não tenho andado com muita disponibilidade mental. Isto deixa-me cognitivamente cansada, o que me deixa com pouca cabeça para leitura. 

Quando a Daniela estava a preparar o envio, perguntou-se se tinha alguma preferência. Pedi-lhe uma leitura mais descontraída, e ela fez a escolha certa. Assim, cá a casa chegou o livro "Palavras amargas" de Vi Keeland e Penelope Ward. 

Untitled design (6).jpg

Passa pelo blog da Daniela para conheceres os motivos que ditaram o envio deste livro. 

Divulgação | Health talks, um espaço para partilhar saúde

22.03.22

Untitled design (1).png

Hoje faço uma pausa excecional nos assuntos que fazem parte deste espaço para divulgar um evento em crescimento. É dinamizado por uma equipa cheia de energia , multidisciplinar e que tem como missão levar saúde à comunidade. 

A cada quarta quarta-feira de cada mês, através da plataforma zoom, é apresentado e discutido um tema relacionado com a promoção da saúde. O objetivo destas sessões é chegar às pessoas da comunidade, oferecendo-lhes momentos para aumentar a sua literacia em saúde. É uma excelente forma de aproximar a academia à comunidade, porque a ciência deve ser de todos e chegar ao conhecimento de todos. 

Na próxima quarta-feira, dia 23 de março, haverá uma convidada que irá apresentar os resultados de um programa de promoção de saúde desenvolvido com estudantes universitários. Caso queiram assistir, poderão inscrever-se até ao final do dia através do seguinte link: https://forms.gle/KnHob7qbwXRHKcsHA

Copy of Quando contares um conto... cuidado com o

Esta será a quinta Health talk. Para já o balanço tem sido bastante positivo. Para quem perdeu as sessões anteriores, poderá ouvi-las através do podcast através do spotify. Parte das sessões são transformadas num podcast para que as pessoas possam ouvir parte das partilhas feitas nessa sessão.

Interessado(a) em participar?