Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Palavras Memoráveis

28.02.13
O que seria que tornava o amor humano muito mais desejável para mim do que o amor da minha própria espécie? Devia-se a ele ser o único e caprichoso? As Almas ofereciam amor e consideração a todos. Teria eu necessidade de um desafio mais estimulante? Este amor era complicado - podia ser dado de forma espontânea, tal como acontecia com Jamie, ou ser conquistado com o tempo e a persistência, tal como acontecia com Ian, ou ainda ser completamente inatingível e doloroso tal como acontecia com Jared.
Ou seria apenas melhor, fosse qual fosse a razão? Uma vez que estes Humanos tinham uma capacidade de odiar tão intensa, será que na outra extremidade do espectro estava um amor mais sentido, persistente e apaixonado?
Não sabia porque o desejava tão intensamente. Tudo o que sabia era que, agora que o sentia, ele merecia cada grama de risco e de aflição que me custara. Era melhor do que tinha imaginado.
Era tudo.
Retirado de Nómada  de Stephenie Meyer

Vida

27.02.13

Quero acreditar nisto! Que a vida é um enorme conjunto de metamorfoses. E no final, despertamos sempre para uma nova etapa que nos encha o espírito! 

Por detrás da tela | As palavras

26.02.13
Ficha Técnica
Dirigido por: Brien Klugman, Lee Sternthal
Actores: Bradley Cooper, Zoe Saldana, Olivia Wilde
Género: Drama/Romance
Ano: 2012
Classificação: 5/5 Estrelas

Opinião
Se me pedissem que descrevesse este filme numa palavra escolheria FANTÁSTICO. Sinceramente, não percebi porque não recebeu, pelo menos, uma nomeação para os Oscars. 

Este filme conta-nos a história de um homem que tinha um sonho: ser escritor. Durante algum tempo dedicou-se apenas a escrever e a enviar os seus livros a editoras, mas nunca obteve uma resposta positiva. Como precisa de ganhar dinheiro, arranjou trabalho numa editora.

Uma peripécia do destino leva-o a encontrar um manuscrito com uma história escrita por alguém que não estava identificado. A curiosidade vence-lhe e ele lê o livro de uma vez só e a aquelas palavras incendeiam-lhe o espírito não lhe dando descanso. As coisas desenvolvem-se e ele acaba por ver publicado um livro que não foi escrito por ele, mas que alcança um sucesso que nunca antes ele tinha experimentado.

Acho que este filme conduz aos espectadores bons momentos de reflexão. Até onde iríamos pelos nossos sonhos? Como é que lidamos com as nossas escolhas? Qual a melhor opção a tomar perante duas alternativas? Será que compensa realizarmos algum sonho quando podemos perder outras coisas na nossa vida? Estas foram algumas das questões que me fui colocando ao longo do visionamento do filme.

De facto, todos nós fazemos escolhas na vida. E, como o filme alerta muito bem, não é muito difícil escolhermos alguma coisa o pior é lidarmos com essa escolha e com as consequências que ela acarreta para a nossa vida.

O fim do filme pode parecer um pouco confuso. Não estava à espera daquele final, confesso que fui apanhada de surpresa! Mas é neste final que se encontra a verdadeira essência do filme. É neste final que sentimos o poder das consequências das nossas escolhas e das nossas prioridades na vida. É difícil perder algo do qual gostamos muito em detrimento de outra coisa que apesar de ser importante talvez não nos preencha da mesma forma.

É um filme que recomendo. À primeira vista, o trailer pode não captar muito a vossa atenção, mas acreditem que vale a pena todo o tempo que dispensarem a ver. 

Deixem-se invadir pelas imagens!  


Palavras Memoráveis

21.02.13
- Não queremos empatar-te - argumentou Júlia. - Seguramente que vieste com alguém. 
- Vim sozinho, se é isso que queres saber. Encontrei-me com a Stella há um bocado, mas depois o séquito dela tornou-se demasiado grande. A Stella é como um cometa que vai atraindo detritos espaciais à medida que passa.

(...)

- E tu não quiseste fazer parte da cauda desse cometa da Stella?
- Fui subitamente atraído por outro corpo celeste - respondeu ele, olhando-a nos olhos.
Retirado de O Feitiço da lua de Sarah Addison Allen

Escândalos Privados - Opinião

20.02.13

Escândalos Privados

Autor: Nora Roberts
Ano: 2008
Editora: Edições Chá das Cinco
Número de páginas: 416
Classificação: 5 Estrelas
Desafio: Reading Romances

Sinopse
No mundo glamoroso dos talk-shows, as estrelas mais brilhantes escondem os segredos mais negros.

Desenrolando-se no glamoroso mundo da televisão, Escândalos Privados conta-nos a história de Deanna Reynolds, a apresentadora de um pequeno talk-show em ascensão. Bonita, sincera e muito profissional, Deanna decide então partir para Nova Iorque, determinada em tornar-se a melhor dentro do género. Mas isto fá-lo atravessar no caminho da sua antiga mentora, Angela Perkins, a actual rainha da televisão e uma mulher perigosa de desafiar. Angela não hesita em roubar convidados, fazer chantagem e até atravessar os limites do bom jornalismo para combater a crescente popularidade de Deanna. E o romance desta com o famoso e encantador repórter Finn Riley, por quem Angela sempre teve uma paixão, só aumenta a tensão. Mas a prova de que as coisas podem sempre piorar é o aparecimento de um fã obcecado, que deseja Deanna só para si, e que começa por matar todos aqueles que se aproximam dela. 

Opinião
À medida que vou lendo mais livros de Nora Roberts, mas simpatia ganho por esta escrito. De facto, começo a tornar-me fã assumida. Até ao momento tinha lido muito poucos livros dela e tinha uma maior simpatia pelo seu pseudónimo na Série Morta (que adoro).

Começando pelas personagens, considero-as credíveis e bem elaboradas. Deanna, uma jornalista inteligente, simpática mas com uma personalidade insegura. Gostei muito de Deanna e identifiquei-me muito com ela principalmente no que se refere à dedicação ao trabalho, a forma metódica como trabalha, a insegurança... É uma personagem muito simpática que vai sofrendo com alguns acontecimentos do livro. Finn, o jornalista que rouba o coração de Deanna, é um homem inteligente, observador, perspicaz, cuidador e muito protector. Finn é o verdadeiro homem modelo, que arrebata os corações das leitoras. Achei os diálogos e as discussões entre estas duas personagens muito bem elaborados e em que deixavam transparecer a inteligência e a forte personalidade de ambos.  Adorei estes dois!

Angela, uma das personagens más, é uma má que gosta de esmiuçar as partes obscuras das pessoas! É uma mulher ambiciosa que não tem em conta os meios necessários para atingir aquilo que pretende. Gostei dela e   do declínio profissional e emocional que ela vai sofrendo ao longo do livro. Considero o declínio emocional muito bem estruturado e encaixado com o perfil de Angela. 

Para fomentar mais a mente curiosa dos leitores aparece um fã obcecado por Deanna. Este aspecto, a certo momento do livro, deixou-me com os nervos aos pulos. Quando cheguei a um certo momento da narrativa, comecei a desconfiar de uma personagem em particular, mas a fantástica Nora conseguia semear pequenos momentos que me levavam a desconfiar de outros. Criava a dúvida! Eu não resisto a livros que me obriguem a pensar e andar às voltas para resolver determinado mistério, o que me levou a uma leitura compulsiva das páginas finais. A partir do momento em que este(a) fã obcecado é descoberto, as coisas desenrolam-se de uma forma uma pouco previsível e, na minha opinião um pouco apressadas. Acho que a última parte deveria ter sido mais desenvolvida. Por acaso gostaria que o final do livro fosse mais além.

Há uma pequena imprecisão na sinopse. Normalmente copio as sinopses das contra-capas do livro e enquanto passava apercebi-me de uma pequena lacuna. Deanna não se mudou para Nova Iorque. Ela permaneceu em Chicago, quem se mudou foi Angela.
Há certas partes da narrativa que também não estão claras. Por exemplo, numa parte em que descreve a partida de Finn para o Haiti leva o leitor a pensar ele irá lá passar algum tempo, mas no capítulo seguinte ela já estava em Chicago. Falta aqui uma transição, bastava uma frase a indicar que ele já tinha voltado uns dias antes.

É um livro com uma narrativa que de desenvolve rapidamente, capaz de prender o leitor desde as primeiras páginas. Cativa-nos e faz-nos envolver na história e nas personagens. Tal como no livro Jogo de Mãos, a última parte é um pouco apressava merecendo um maior desenvolvimento.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras!
Silvana

[Divulgação] Soberba Escuridão e Soberba Tentação de Andreia Ferreira

20.02.13
De forma a participar num passatempo só para bloggers que está a decorreu no D311nh4 venho aqui divulga a informação relativa a dois livros de Andreia Ferreira.

                                       
Caso queiram adquirir o fantástico livro Soberba Escuridão, pode fazê-lo através das seguintes formas:

  1. WOOK: http://www.wook.pt/ficha/soberba-escuridao/a/id/10958871?a_aid=4e60dfa339df0
  2. BERTRAND: http://www.bertrand.pt/ficha/soberba-escuridao?id=10958871
  3. Ou directamente com a Alfarroba em: geral@alfarroba.com
Mas se o seu interesse recai sobre o livro Soberba tentação, pode encomendá-lo enviando um e-mail para: d311nh4@gmail.com (o livro custa a simpática quantia de 10 euros - desconto especial - com portes de envio incluídos.

Podem também encontrar a autora no facebook, para isso basta clicarem aqui

27ª Maratona Literária - Balanço

18.02.13
Os objectivos que eu tinha estabelecido para esta maratona não foram atingidos. 
Apesar de não ter pelo menos igualado as 939 páginas da maratona anterior consegui terminar dos livros e iniciar um terceiro perfazendo um total de 613 páginas.

Assim, as minhas leituras foram as seguintes:
Mulher em Branco 295 páginas

Sangue Fresco (Sangue Fresco, #1) 263 páginas

Escândalos Privados 55 páginas

Total: 613 páginas

Por detrás da tela | Guia para um final feliz

17.02.13


Ficha Técnica
De: David O. Russell
Actores: Robert de Niro, Bradley Cooper, Jennifer Lawrence
Género: Drama, Comédia
Ano: 2012 (EUA)
Classificação: 5/5 Estrelas

Opinião
O início deste filme não me cativou muito, mas à medida que ia percebendo melhor os acontecimentos fiquei presa. 
Este filme conta-nos a história de Pat, uma homem diagnosticado com Bipolaridade que quando descobre uma traição da mulher perde o controlo e comete uma terrível asneira. Nestas circunstâncias é "atirado" para uma clínica psiquiátrica para se recuperar. Como em muitos casos, o internamento psiquiátrico e o constante bombardeamento com mediação não resolve os problemas na sua totalidade. Gostei muito da forma como a questão da medicação psiquiátrica foi abordada no filme, principalmente quando Pat se recusa a tomar medicação dizendo que se sente estranho quando a toma, que não se sente ele. Atenção, não quero com isto dizer que sou contra a medicação, a mensagem que eu quero passar é que por vezes os psiquiatras exageram na medicação prescrita e isso não se traduz em ganhos positivos e significados para as pessoas.
Como é um filme e está limitado em termos de tempo, a fase da adaptação de Pat não transparece com grande exactidão as dificuldades que ele sente. Mesmo assim, dá para quem assiste ao filme perceber pois as rotinas dele ficam um pouco alteradas. 
Pat vai-se regendo por um único objectivo conquistar a mulher e a vida que ele tinha anteriormente. Durante a perseguição por este objectivo, Pat faz um enorme processo de auto-descoberta e consegue uma forma mais saudável de olhar para si de outro modo. Grande parte desta mudança deve-se a Tiffany, também ela vista pelos outros como uma louca, uma doente mental.
E é assim que dois loucos, dois anormais aos olhos da sociedade comum, sociedade dita normal, que constroem uma nova vida sobre os "restos" de um vida anterior marcada por acontecimentos infelizes.
Pat queria fazer o seu próprio final feliz, o que ele não sabia e que acabou por descobrir é que a felicidade pode ser feita por outros caminhos.

O tema das doenças mentais não me é diferente e gosto de ver filmes que abordem estas questões. Acho que são bons para quem assiste pensar um pouco nestas questões. Acho que o filme consegue transmitir algumas das dificuldades que pessoas que vivem estes problemas passam. A incompreensão por parte dos outros, ditos normais, dificulta a integração. Pat só se sentiu aceite e integrado, só começou a caminhar em frente quando encontrou alguém que percebia as suas emoções, sentimentos, dificuldades... Logo na minha conversa falam das medicações de cada um e de como elas os deixam pior. Odeio quando rotulam os doentes mentais de anormais, porque são pessoas iguais e diferentes como tantas outras. Porque afinal, o que é ser normal? Acho que se fosse a pedir respostas iriam chegar-me reflexões muito diferentes.

Sei que este filme tem um livro por trás e estou muito curiosa para ler o livro. Pelo que já fui lendo por aqui nos diferentes blogs que acompanho o livro parece-me ser muito melhor. 

Deixem-se invadir pelas imagens! 

Pág. 1/3