Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

31
Ago14

[Opinião] Vidas Trocadas


Vidas Trocadas

Autor: Sandra Brown
Ano: 2011
Editora: Quinta Essência
Número de páginas: 456 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
As gémeas Melina e Gillian Lloyd são praticamente iguais, ambas empresárias de sucesso e solteiras. Mas numa coisa são diferentes: Melina é impulsiva, enquanto Gillian gosta de ponderar bem as suas decisões. Além disso, Gillian quer um filho. Sentindo o relógio biológico a avançar inexoravelmente, opta por se submeter a uma inseminação artificial, utilizando esperma de um dador anónimo. A história começa no dia em que ela faz a inseminação.
Nesse dia, Melina acompanha, na sua qualidade de relações públicas, o coronel da NASA Christopher «Chefe» Hart à cerimónia de entrega de um prémio. Mas terá sido mesmo Melina?
A vida do coronel choca, depois interliga-se, com a das gémeas. Uma partida aparentemente inofensiva acaba em catástrofe. Na manhã seguinte a terem trocado de identidades, Melina recebe uma notícia terrível: a irmã fora brutalmente assassinada — e o coronel, apesar de inocente, é o principal suspeito. O que parece de início ser um homicídio de fácil resolução acaba por conduzi-los às montanhas do Novo México onde um louco, cujos planos diabólicos requerem a substituição de Gillian por Melina, está a criar uma «nova ordem mundial». Mesmo que seja apenas parcialmente bem-sucedido, as consequências serão catastróficas e afectarão o mundo inteiro.

Opinião
Vidas trocadas é o segundo livro que leio de Sandra Brown e do qual gostei bastante, mas não conseguiu ser tão bom como os livros anteriores que li.

Acho que um grande ponto positivo de Sandra Brown, tanto neste livro como nos anteriores, é a forma como ela desenvolve a parte criminal. E, acima de tudo, o pormenores significativos que exigem a atenção do leitor, porque são esses pormenores que nos permitem decifrar alguns dos mistérios. Porém, a mestria da autora a introduzi-los ao longo da narrativa fazem com eles façam fervilhar o nosso pensamento.

Os temas que este livro aborda são bastante interessantes, A inseminação artificial, as ideias extremistas com base em crenças religiosas e a manipulação genética estão na base de todo o desenvolvimento da narrativa. O que mais me fascinou foi tudo aquilo que envolvia as ideias extremistas e doentias do Irmão Gabriel. Foi algo bem construídos pela autora, A influência do Irmão Gabriel nas pessoas, a forma como ele usa a fé para manipular e controlar as pessoas e a criação de seres superiores capazes de controlar tudo oferecem ao livro um tom intenso e fascinante.

A parte mais estranha e pouco desenvolvida é o romance. O Chefe Hart tem uma paixão instantânea pela Gillian e a morte dela abalou-o significativamente. Apesar de ele ter sido eliminado da categoria de possível suspeito não foi capaz de abandonar Dallas. Tal facto deve-se ao bom carácter deste senhor.  
Gillian tem uma irmão gémea, Melina, com quem partilha tudo, desde a sua aparência física até aos aspectos mais pessoais das suas vidas. Só as personalidades é que apresentam diferenças significativas.
A forma como Hart se liga a Melina, logo depois de se ter envolvido com Gillian, é um pouco estranha. Primeiro, ele apaixona-se à primeira vista por Gillian, mas basta-lhe olhar para Melina e começa a ficar ligeiramente confuso. Penso que mesmo elas sendo fisicamente iguais há aspectos que as diferenciam. Eu sei que as outras personagens não têm termo de comparação, porque uma delas morre antes de eles terem oportunidade de as conhecerem, excepto Jem. Mas Jem parece tão limitado que é fácil enganá-lo.

Há outro aspecto que também acho por possível. Como é que os polícias não olharam atentamente para um relatório de uma autópsia? O pormenor que este relatório oferece ao caso é demasiado fundamental para ter sido dado como ignorado quase até ao final da narrativa. Eu sei, que se ele fosse revelado mais cedo, a história ficaria sem muito do suspense e conteúdo, mas não faz sentido, num caso de homicídio ter uma posição tão leviana perante um relatório da autópsia.

Há ainda um romance que merecia mais destaque. Tobias e Lucy mereciam um final mais conclusivo para além de Tobias querer saber quais as flores preferidas de Lucy.

Apesar destes pequenos aspectos menos interessantes, este livro vem reforçar o meu gosto pela escrita de Sandra Brown e a vontade de continuar a acompanhar as suas obras. 
30
Ago14

TAG | De A a Z


Esta TAG foi traduzida e adaptada do inglês pela Catarina do blog Sonhar de Olhos Abertos.
Depois de ter visto a Catarina e a Carolina (do blog Singularidades de uma rapariga loira) a responderem a esta Tag, decidi passá-la à frente da enorme lista que tenho para responder porque a acho simples e de rápida resposta. Espero que gostem e que respondam nos vossos cantinhos. Caso respondam não se esqueçam de deixar o link nos comentários. Gosto sempre de ver as vossas respostas.

Autor preferido
Esta é sempre uma pergunta difícil de responder, porque geralmente quem gosta imenso de ler e tal como eu lê de tudo um pouco, ao longo da nossa vida enquanto leitores vamos coleccionando diferentes autores preferidos. Mas como tenho de indicar um, vou escolher Lesley Pearse até ao momento, foi uma autora que nunca me desiludiu nos seus livros. Tenho gostado imenso de todos e fico sempre com vontade de ler mais obras dela. 

Bebida preferida durante a leitura
Tal como a Carolina, não sou muito de beber (nem de comer) enquanto estou a ler. Se for no Verão e precisar de beber recorro quase sempre a água, uma vez ou outra ainda posso recorrer a sumos de frutas ou chá gelado, mas maioritariamente a água é a minha grande companheira. No Inverno não dispenso o meu fabuloso chá. 


(imagem retirada daqui)
Citação literária preferida
Eu sou uma coleccionadora de citações, sou tão coleccionadora que a escolha se torna muito difícil. Para não repetir a citação que costumo usar sempre que me pedem que indique a minha preferida, vou deixar-vos outra de uma leitura mais recente e que eu também gosto muito.

Algumas das maiores histórias de amor não tinham um final feliz simplesmente porque não tinham fim. Continuavam para sempre, até à eternidade.

Catherine Anderson, Amor à primeira vista

Detestaste ler
O livro mais recente que li e que detestei foi O último livro de Zoran Živković. Foi uma tortura ler este livro.
Estás a ler
Neste momento estou a ler Onde caem os anjos de Nora Roberts e estou a gostar bastante.
Feliz por teres dado uma oportunidade
Só eu sei quantas vezes estive para deixar este livro nas páginas inicias, mas felizmente fui teimosa e curiosa o suficiente para continuar com a leitura e ainda bem que o fiz. No final, fiquei muito feliz por não ter desistido e lhe ter dado uma oportunidade. A filha da floresta de Juliet Marillier tornou-se um dos meus livros preferidos.
Género literário que não lês
Eu sou muito curiosa e gosto de ir "passeando" pelos diferentes géneros. Até agora ainda não houve um único género que eu me tenha recusado a ler. Falando em termos de gostos, os géneros que menos gosto são: Fantasia e Erótico.

Hardcover ou paperback?
Não sou uma pessoa esquisita e gosto das duas opções. Porém tenho um gosto especial por hardcovers, porque dão um colorido especial às estantes.

Internet ou livrarias físicas?
Livrarias físicas. Só faço comprar pela internet quando me deparo com boas promoções, tenho um fascínio por entrar nas livrarias e poder ver os livros na minha mão e tomar uma decisão.

Julgas um livro pela capa?
Não julgo!! É claro que gosto de capas bonitas, mas a presença ou ausência da sua beleza não condiciona a minha decisão de ler ou não. 

Kobo ou kindle?
Não me vou pronunciar porque não tenho experiência com nenhum dos dois. Leio os ebooks num tablet.

Livro mais longo que já leste
Nómada de Stephenie Meyer. O livro tem 836 páginas, mas a letra tem um tamanho grande, por isso acho que já li livros com menos páginas que se tornariam maiores do que este, uma vez que a letra é bem mais pequena. Mas, como o que conta são os números esta categoria é preenchida por este livro.
Nómada

Momento importante na tua vida literária
Acho que teria lógica indicar o momento em que comecei a ler, pois se não fosse essa aprendizagem hoje não estaria ligada a este mundo. Mais recentemente posso indicar como um momento importante a criação do blog. No fundo, ele foi uma ponte que me permitiu contactar com pessoas que partilham o mesmo gosto que eu.

Número de estantes que possuis
Eu possuo uma única estante e nessa estante só uma prateleira e meia é que está preenchida com literatura. As restantes prateleiras possuem os dossiers da faculdade, os livros técnicos e os meus dicionários.

Obsessão literária
Marcadores!!! Eu faço colecção e sempre que vejo um, não resisto!
Em relação a livros/ séries acho que a minha obsessão vai para o livro O grande amor da minha vida de Paullina Simons.

Personagem que provavelmente terias namorado na escola
Max Vandenburg do livro A rapariga que roubava livros de Markus Zuzak. Ele mostrou gostar de criar histórias, era uma personagem extremamente cativante, por isso acho que nos iríamos dar bem. 

Quantos livros tens por ler?
Neste momento tenho 17 livros por ler, mas estão para chegar alguns esta semana o que vai fazer com que este número aumente para 20.

Ressacas literárias. Quando foi a tua última?
Foi entre Março e Junho. Outros compromissos surgiram e levaram-me a arrastar nas leituras. Em Junho voltei em força e matei a "fome" literária que me estava a consumir.

Saga/série que começaste e precisas de acabar
Sevenwaters de Julliet Marillier. Li os três volumes iniciais, mas como ela foi alargada gostava de ler os restantes para continuar a entrar na fantástica e mágica floresta de Sevenwaters.

Três dos teus livros preferidos de sempre
O Grande amor da minha vida de Paulina Simons
Segue o coração - Não olhes para trás de Lesley Pearse
Messias de Boris Starling
O Grande Amor da Minha Vida (O Cavaleiro de Bronze, #1)Segue o Coração - Não Olhes Para TrásMessias

Último livro que leste
O nó do amor de Elizabeth Chadwick. Uma autora nova que descobri e que gostei bastante.
O Nó do Amor
Voltarás a ler
Ana Karenina de Leão Tolstoi. Penso que não o li na altura certa. É um livro que necessita de uma grande disponibilidade mental para conseguir assimilar a densidade que ele contém. 
Ana Karenina
Wishlist literária. Qual o último livro que adicionaste à tua wishlist?
Eu não tenho por hábito elaborar uma wishlist! Acho que só iria aumentar a minha frustração por não conseguir obter todos os livros que desejo.

X marca o lugar. Qual o 24º livro da tua estante?
O Outro amor da vida dele de Dorothy Koomson
O Outro Amor da Vida Dele
Ya ou livros adultos?
Decididamente, livros adultos. Gosto mais das problemáticas e dos enredos deles. Gosto de ler Ya só para descontrair. 

Zzzz...Qual o último livro que te manteve acordada até tarde?
Por acaso não tem acontecido. Mas uma das minhas últimas leituras compulsivas, e que me deixava ansiosa por não ler mais do livro de seguida foi A filha do capitão de José Rodrigues dos Santos. Como foi uma leitura conjunta havia um limite de páginas para ler durante a semana e eu no serão quase que devorava uma parte e depois ficava em pulgas para saber o que se iria seguir.
30
Ago14

Desafio | 30 dias 30 músicas

Tenho dois desafios pendentes desde o ano passado:
Um é dedicado às cartas e outro é dedicado à música. Para o mês de Setembro, e para dar alguma vida aqui ao blog (porque tenho um feeling de que isto depois vai andar bastante parado) e vos dar a conhecer um pouco dos meus gostos musicais. 

Ao longo destes 30 dias vão ver as músicas que eu vou escolher para as diferentes categorias. Se alguém se quiser juntar a mim, basta deixar-me um comentário a este post. Boa música.

 

Desafio 30 dias 30 músicas
Alterei algumas categorias deste desafio que também vi em alguns blogs. 

Dia 01 - A tua canção favorita
Dia 02 - Uma canção que não gostes
Dia 03 - Uma canção que te faz feliz
Dia 04 - Uma canção que te deixa triste
Dia 05 - Uma canção que te lembra alguém
Dia 06 - Uma canção que te lembra algum lugar
Dia 07 - Uma canção que lembra um determinado acontecimento
Dia 08 - Uma canção que sabes a letra
Dia 09 - Uma canção que te fez dançar
Dia 10 - Uma canção que te dá sono
Dia 11 - Uma canção da tua banda favorita
Dia 12 - Uma canção de uma banda que odeias
Dia 13 - Uma canção que define o teu dia de hoje
Dia 14 - Uma canção que ninguém espera que tu adores
Dia 15 - Uma canção que te descreve
Dia 16 - Uma música que gostes mais da cover
Dia 17 - Uma canção que ouves muitas vezes na rádio
Dia 18 - Uma canção que gostarias de ouvir no rádio
Dia 19 - Uma canção do teu álbum favorito
Dia 20 - Uma música que escutas quando está zangado
Dia 21 - Uma canção que ouves quando estás feliz
Dia 22 - Uma canção que ouves quando estás triste
Dia 23 - Uma canção que queres ouvir no teu casamento
Dia 24 - Uma canção que queres ouvir no teu funeral
Dia 25 - Uma canção que te faz rir
Dia 26 - Uma canção que podes tocar num instrumento
Dia 27 - Uma canção que gostavas de conseguir tocar
Dia 28 - Uma canção da tua infância
Dia 29 - Uma canção da tua adolescência
Dia 30 - A tua canção favorita do ano passado
28
Ago14

Novos residentes da estante

Vergonhosamente tenho deixado passar em branco os livros novos que cá vieram parar. Desde final do ano passado que têm chegado alguns. Uns ainda cá estão outros já seguiram viagem através de trocas. Vou tentar mostra-vos todos aqueles que cá chegaram. Aguardo as vossas impressões acerca dos livros aqui presentes que já leram.

Compras
Este ano já comprei alguns livros, acho que mais do que nos anos anteriores. 

Os mais recentes que comprei vieram da promoção da editorial presença.
Os livros que comprei foram:
  • A vida na porta do frigorífico de Alice Kuipers;
  • Antes de nos encontrarmos de Maggie O'Farrell;
  • A felicidade de Kati de Jane Vejjajiva.

A Vida na Porta do FrigoríficoAntes de Nos EncontrarmosA Felicidade de Kati


Ainda este ano a Editorial presença lançou a Grande aventura dos livros grátis, onde apenas pagávamos os portes de envio. Com esta campanha consegui arrecadar três:
  • Mar de papoilas de Amitav Ghosh;
  • Revelação Inesperada de Andrea Kane;
  • Um estranho caso de culpa de Harlan Coben.

Mar de PapoilasRevelação Inesperada (Pete 'Monty' Montgomery, #2)Um Estranho Caso de Culpa

Entretanto fiz outras compras:

  • Pensa num número de John Verdon
  • O outro amor da vida dele de Dorothy Koomson
  • Tatiana de Paullina Simons
  • Orgulho e Preconceito de Jane Austen
  • A próxima vez de Marc Levy

Pensa num Núm3roO Outro Amor da Vida DeleOrgulho e PreconceitoA próxima vez

No natal, para fazer um passatempo fiz parceria com a Chiado Editora e tive direito a pedir dois livros. As minhas escolhas foram:
  • Corpo sem chão de Aida Borges
  • O Intruso de Carina Rosa
O Intruso

Trocas
Este ano lancei-me no mundo das trocas e confesso que fiquei agradada com este esquema de nos libertar-mos de livros que não gostamos assim tanto. Ao todo já foram 6 as trocas efectuadas o que resultaram nos seguintes livros:
  • O passado que seremos de Inês Botelho
  • Cartas da nossa paixão de Karen Kingsbury
  • Vidas Trocadas de Sandra Brown
  • Conspiração Mortal de J.D. Robb
  • A Troca de David Lodge
  • Espero por ti em Paris de Diana Mendonça e David Marle
O Passado que SeremosCartas da Nossa PaixãoVidas TrocadasConspiração Mortal (Série Mortal, #8)A TrocaEspero por ti em Paris

Ganhos em Passatempos

Este ano não ganhei muitos passatempos. Por este meio, apenas vieram parar à minha estante dois livros, um deles é muito especial porque vem com uma dedicatória que em enche o coração.

  • Investigação Perigosa de Frank Gruber
  • As gotas de um beijo de Carina Rosa

Investigação Perigosa As Gotas de um Beijo

Presentes
Este ano, uma mesma pessoa já me ofereceu dois livros. Já lhe agradeci em privado, mas fica aqui o meu agradecimento público. Muito obrigada, estes livros irão sempre ocupar um lugar especial na minha estante porque foram um presente teu. 
  • Ana Karenina de Leão Tolstoi
  • Um crime no expresso do oriente de Agatha Christie

Ana Karenina
28
Ago14

Maratonas Viagens (In)Esperadas (8) | Plano


A partir das 00:00 do dia 29 de Agosto dá início a mais uma maratona dinamizada por mim e pela Catarina do blog Sonhar de olhos abertos. Será uma maratona de apenas três dias, terminando, por isso, às 23:59 do próximo dia 31 de Agosto e que tem como tema comfy reads, ou seja, devemos optar por leituras que consideramos confortáveis para nós. 

Como já sabem, o grande ponto destas maratonas são os desafios, por isso sexta-feira sairá o primeiro desafio, no sábado e no domingo serão contemplados com dois desafios diários.

Desconfio que irei ter pouco tempo para, por isso vou estabelecer uma meta bem baixa. Assim, durante esta maratona pretendo ler apenas um único livro. 

A noiva despida
Nikki Gemmell
A Noiva Despida

Uma boa maratona a todos os participantes!
27
Ago14

[Opinião] Mil noites de paixão (Medieval Series (Chronological order) #6)


Mil Noites de Paixão

Autor: Madeleine Hunter
Ano: 2012
Editora: ASA
Número de páginas: 334 páginas
Classificação: 2 Estrelas

Sinopse
Eles não têm absolutamente nada em comum.
Lady Reyna é uma mulher virtuosa e erudita, que preferia morrer a quebrar uma promessa ou voto.
Ian de Guilford é um sensual mercenário, um cavaleiro errante cujo temperamento fogoso lhe valeu a alcunha de Senhor das Mil Noites.
Ela não conhecia a sua fama quando, fazendo-se passar por cortesã, transpôs as linhas inimigas com um plano desesperado para salvar o seu povo. Agora está frente a frente com o guerreiro a cujos encantos, diz-se, é impossível resistir, Reyna apercebe-se que subestimou o inimigo. Ele está decidido a tudo para subjugar a sua virtude. A bem do seu povo, ela não pode ceder... e a sua audácia leva-a a fazer algo com que nunca sonhou: pôr em jogo o seu coração.

Opinião
De todos os livros que já li de Madeleine Hunter, este foi o que o menos gostei. Nunca tive uma grande adoração pelos livros desta autora, mas este em particular traduziu-se numa leitura bastante aborrecida. Em geral, acho que os livros de Madeleine Hunter têm histórias pouco interessantes e em alguma situações tornam-se leituras um pouco monótonas. Este livro em particular é muito confuso, uma vez que há certos elementos da história que, na minha opinião, foram mal desenvolvidos.

Reyna é das personagens femininas, de entre todos os livros que já li da autora, que mais gostei. É das mais corajosas, destemidas e capaz de insultar verdadeiramente os homens. Considero que este foi o único ponto positivo do livro.

Toda a parte não romântica do livro é uma verdadeira confusão. A autora deveria ter sido mais precisa e concisa na apresentação das partes em conflito, do porquê deste conflito e definir melhor as relações entre as personagens.

Ian é das personagens que mais confusa me deixou. Fiquei sem perceber muito bem como é que ele ali foi parar e a relação que ele mantinha com os outros dois cavaleiros. O passado dele também merecia maior destaque. Na minha opinião, aqui estaria uma boa história que daria um toque pessoal ao livro caso a autora tivesse pegado nesta parte de uma forma aprofundada.

Decididamente, a escrita e as histórias de Madeleine Hunter não fazem parte das minhas preferências literárias. São livros que se lêem, uns mais facilmente do que outros, mas não deixam marca, não mexem com as minhas emoções. Não escreverei aqui que nunca mais irei ler um livro de Madeleine Hunter. Se por acaso algum deles se cruzar comigo através de um empréstimo, dar-lhe-ei uma oportunidade. Porém, não conto pegar num livro da autora muito brevemente. Vou deixar dar um tempo para depois voltar a ler algo dela.
26
Ago14

Top Ten Tuesday | 10 livros que quero ler, mas que ainda não tenho




Para hoje, o Top Ten pede-nos para indicar 10 livros que queremos muito ler, mas que por diversos motivos ainda não fazem parte da nossa estante.

1. Perdoa-me de Lesley Pearse
Perdoa-me

2. A promessa de Lesley Pearse
A Promessa

3. Se eu ficar de Gayle Forman
Se Eu Ficar

4. A culpa é das estrelas de John Green
A Culpa é das Estrelas

5. Mariana de Susanna Kearsley
Mariana

6. A praia das pétalas de rosa de Dorothy Koomson
A Praia das Pétalas de Rosa

7. Não abras os olhos de John Verdon
Não Abras Os Olhos (Dave Gurney, #2)

8. Amanhecer ao luar de Jude Deveraux

9. Nas asas da memória de Sarah Sundin
Nas Asas da Memória (Asas de Glória, #2)

10. Ricochete de Sandra Brown
Ricochete
25
Ago14

Monday Madness #3



1. Qual é o teu tipo de tempo preferido?
Sol e frio. Eu dou das poucas pessoas que conheço que tem uma certa aversão ao Verão. Pessoalmente, não suporto o calor e lido bem com o frio. Adoro aqueles dias de Inverno gélidos, mas iluminados por um sol radioso. 
Também gosto dos dias chuvosos se não tiver de sair de casa. Gosto da chuva para ficar no sofá, ou no quarto, a ler e e ouvir a chuva ou senti-la bater na janela... Um cenário perfeito para dedicar à leitura. 

2. O que farias se ficasses fechada no teu shopping favorito uma noite?
Seria pouco improvável porque:
1º Não há shoppings na cidade mais próxima onde habito;
2º Eu não sou muito adepta de passar horas a ver lojas, excepto se forem locais de venda de livro (aí perco a noção das horas).

Mas... Caso acontecesse....
Iria direitinha a uma loja Bertrand ou Fnac, escolheria assim uns livros com poucas páginas, encostava-me num sofá e lia até adormecer. Na manhã seguinte, assim que abrissem o shopping exigiria um pequeno almoço com tudo o que eu desejasse, e exigiria que me deixassem escolher alguns livros para colmatar os graves danos psicológicos que aquela noite provocou.


3. Uma personagem está a morrer, sozinha e longe de casa, de uma maneira que nunca tinha imaginado que iria morrer. Quais são os seus últimos pensamentos? Em quê, ou em quem, está ela a pensar, e do que se arrepende? Escreve uma cena com esta morte na primeira pessoa.
Partindo do pressuposto que é de uma personagem já existente, vou escolher a tão famosa "capuchinho vermelho".
Infelizmente, a Capuchinho Vermelho moderna seguiu as indicações do lobo e perdeu-se. Depois de andar muito, acabou caída num lugar obscuro do bosque. 

Acabou de anoitecer! Agora sei que não deveria ter confiado naquele lobo. Realmente... Tinha uma cara horrível! Como é que eu fui tão estúpida ao ponto de me deixar eludir pelas falsas palavras doces que ele proferia... Que tonta que eu fui. Perdi tempo a apanhar flores e depois fiquei completamente confusa com o caminho que devia sair.
Está tão escuro e não consigo deixar de chorar. Como estará a minha avó? Preocupada, de certeza. Estava à minha espera e à espera deste lanche. Queria tanto sair daqui!!! Mas até o estúpido do telemóvel não funciona porque aqui não tem cobertura de rede. Assim não consigo pedir ajuda, nem a polícia me consegue localizar. 
Ninguém me vai encontrar, e eu vou acabar aqui por morrer de frio, de fome e de sede. Sempre ouvi a minha mãe dizer para ter pensamento positivo. Mas neste momento, o meu pensamento está mais escuro do que o céu que me serve de tecto. 

4. Enquanto criança, eras dada a terrores nocturnos, falar durante o sono e sonambulismo. Agora, em adulta, há muito que perdeste esses hábitos. Isto é, até uma noite. Acordas e encontras-te num lugar desconhecido, ao telefone com um oficial do Pentágono.

Eu não sei mesmo o que são terrores nocturnos. De vez enquanto lá tenho um pesadelo, normalmente quando ando mais ansiosa. Porém de um modo geral durmo como uma pedra, é difícil acordarem-me enquanto estou no mais profundo do meu sono. 

Um barulho ensurdecedor ecoa nos meus ouvidos... Acordo e afinal era apenas o barulho do telefone a tocar. Gotas de suor enfeitam a minha testa e o meu coração bate a um ritmo acelerado... E não sei onde estou!! Instintivamente, atendo o telefone mal ele volta a tocar.
- Operação Texugo! Daqui Bolota Amarela! 
Preciso de me lembrar urgentemente da senha, mas parece que o meu cérebro está bloqueado, sem vida... Começo a ficar assustada! Mas quando menos espero:
- Liiiinha Veeer-de! - a gaguejar, mas desde quando é que eu gaguejo??? - Daaa-qui Floo-rees-ta Nee-gra. 
- É pá, ó Gina, desde quando gaguejas? Ah! E desde quando é que estás de serviço na base da brigada 33? Que eu saiba tu fazes parte da brigada 21!!!
Era o Roberto que estava do outro lado da linha. Reconheci-o logo nos primeiros minutos, mas o meu estado de confusão não me permitia pensar com clareza. Respiro fundo várias vezes, e começo a ouvir:
- Gina, Gina, ainda estás aí? Então, rapariga o que é que se passou?
Depois de estar mais calma, respondi:
- Não sei, Rodrigo! Só sei que não era suposto estar aqui!! 
- Bem, pelo menos deixaste de gaguejar. Até onde eu sei, hoje é o teu dia de folga, devias estar no dormitório!!
Instantaneamente, olho para o meu corpo... O pijama de ursinhos não deixava dúvidas! Eu devia estar mesmo a dormir!!! 
- Ai, Rodrigo! Acho que vim aqui parar por conta do sonambulismo! 
- Ó Gina, desde quando és sonâmbula?
- Desde criança! Mas assim que cheguei à idade adulta e de ter entrado aqui para o exército as coisas pararam... Acho que o stress da missão Texugo me despertou os sentido e a ansiedade!
Uma gargalhada sonora despontou do outro lado do telefone! 
- Desculpa, Gina! Mas esta foi mesmo engraçada. Liguei para ver se a base 33 já estava ocupada pelo Serafim, uma vez que ele disse que entrava mais cedo. 
- Então o melhor é eu regressar o quanto antes ao dormitório. O Serafim é um trole sentimental e vai já mandar bocas!
Rodrigo ria do outro lado da linha. - Vai lá Gina! Por acaso gostava de ver os teus trajes de dormir... Sempre seria uma visão mais interessante do que a farda militar.
- Estúpido machista!!! - Gritei para o telefone e depois desliguei o telefone!!
- Mas que bela visão, Gina!! Mas que pijama tão cutchi-cutchi!! - Serafim apoiava os ombros à entrada da porta. - Vieste aqui para me ver?
Dirigi-lhe um olhar glacial e sai a correr da base! Amanhã, seria o alvo de gozo na ala masculina. Maldito sonambulismo!!!

5. Se pudesses viver noutro país que não o teu, qual seria?
Suécia, Finlândia, Dinamarca... Sou uma apaixonada pelos países nórdicos, por isso é difícil escolher apenas um, principalmente quando não conheço nenhum para decidir em consciência onde gostaria de ficar.
24
Ago14

Por entre mundos diversos (3)







Um olhar pela diferença...

Bem vindo à Holanda (Emily Perl Knisley)




Já há muito tempo que não fazia esta rubrica... Por vezes é difícil arranjar inspiração e vontade para escrever. Como forma de a inaugurar neste novo lugar decidi pegar num tema diferente dos livros. Como escrevi quando apresentei esta nova rubrica, ela seria aberta a todo o tipo de temas, sendo assim hoje quis partilhar com vocês um texto que gostei muito de ler e de me ter cruzado com ele. 

O texto é uma metáfora acerca da paternidade/maternidade experiência por pais e mãe de filhos com deficiência. Esta forma de Emily Perl Knisley tocar num ponto tão sensível está muito bem conseguida. De facto, quando os casais pensam em ter um filho só imaginam a perfeição... Só planeiam a sua maravilhosa viagem à Itália! Mas o destino nem sempre é congruente com aquilo que queremos e leva-nos por caminhos que nunca esperamos e assim se chega à Holanda e aos filhos "especiais". Filhos estes que exigem uma nova adaptação e uma nova forma de olhar para tudo o que é preciso viver. É importante aprender a viver na Holanda para aproveitar tudo aquilo de bom que ela nos tem para oferecer. As crianças "especiais" podem ser uma verdadeira fonte de emoção, basta aprendermos a lidar com elas e a apreciar as pequenas conquistas. 

Penso que este texto poderá ser também uma metáfora da forma como nós encaramos a nossa própria vida... Por vezes ficamos deprimidos e frustrados por não conseguir lidar com o facto de não atingirmos determinado objectivo que nos esquecemos de apreciar aquilo que temos no momento presente... A vida é um lugar constante de aprendizagem, neste sentido em cada situação, cabe-nos a nós aprender a viver qualquer que seja o lugar onde o nosso avião da vida decida aterrar.

Espero que gostem tanto do texto como eu. 

*********************************************************************************

Bem vindo à Holanda (Emily Perl Knisley)

Frequentemente sou solicitada a descrever a experiência de dar à luz uma criança com deficiência - uma tentativa de ajudar pessoas que não têm com quem compartilhar essa experiência única, a entendê-la e imaginar como é vivenciá-la. 

Seria como ... 
Ter um bebé é como planear uma fabulosa viagem de férias para a Itália! Compramos uma mão cheia de livros sobre o país e a as cidades que vamos visitar e começamos a traçar os nossos planos: o Coliseu em Roma; a Capela Sistina e Michelangelo; os canais e as gôndolas de Veneza. Você pode aprender algumas frases simples em italiano. É tudo muito excitante. 

Após meses de longa espera, eis finalmente chegado o grande dia!

Você faz as malas e parte de avião. Algumas horas mais tarde o avião faz-se ao aeroporto e aterra. A hospedeira comunica pelo altifalante:

- "Seja bem vindo à HOLANDA!" 

"HOLANDA!?! " diz você - "O que quer dizer com Holanda?? Eu planei uma viagem a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda minha vida eu sonhei em ir a Itália". 

Mas houve uma mudança no plano de vôo. Eles aterraram na Holanda e é lá que você deve ficar. A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível, desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente. 

Logo, você deve sair e comprar novos guias do país e das suas cidades. Deve aprender uma nova língua. 

E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes e que nunca pensaria conhecer. 

É apenas um lugar diferente. É mais pacato que a Itália, menos vistoso que a Itália. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas depois de lá estar por um bocado de tempo e de recuperar a respiração daquela notícia inesperada, olha a sua a volta e... 

Começa a reparar que a Holanda tem imensos e bonitos moinhos de vento...
... que a Holanda tem túlipas.

A Holanda até tem quadros de Rembrandt e Van Gogh!

Mas todos aqueles que você conhece estão atarefadíssimos a ir e vir de Itália...
... e todos comentam o tempo maravilhoso que lá passam.

E por toda a sua vida você dirá : 

"- Sim, era aí que era suposto ter ido. Era isso que eu tinha planeado."

E a dor que isso causa nunca, nunca irá embora... porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.

Porém... se você passar o resto da sua vida remoendo o facto de não ter chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais... sobre a Holanda.
24
Ago14

[ Divulgação] Antologia "Por mundos divergentes"


cover_revealban





POR MUNDOS DIVERGENTES

Data de lançamento | 21 de Setembro



  add-to-goodreads





capa





sinopselogo





Num futuro por vezes próximo, por vezes distante, Portugal sucumbe dos maisvariados estados ditatoriais. Aquele que pensa é um inimigo do Estado. Uminimigo da pátria que tem de ter cuidado... e os que não têm cura, devem sersacrificados pelo bem maior.





Por mundos divergentes conta com cinco contos distópicos escritos por AnaC. Nunes, Nuno Almeida, Pedro G. Martins, Ricardo Dias e SaraFarinha.



capainteira

 http://editorialdivergencia.wordpress.com/
23
Ago14

[Opinião] Milagre de Amor (Fairy Tales #2)


Milagre de Amor

Autor: Eloisa James
Ano: 2012
Editora: Quinta Essência
Número de páginas: 372 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
Miss Linnet Berry Thrynne é Bela … Naturalmente, está noiva de um Monstro. Piers Yelverton, conde de Marchant, vive num castelo no País de Gales, onde, corre o boato, o seu mau humor arrasa todas as pessoas com quem se cruza. E também consta que uma lesão deixou o conde imune aos encantos de qualquer mulher. Só que Linnet não é qualquer mulher. Ela é mais do que simplesmente formosa: o seu espírito e encanto forçaram um príncipe a ajoelhar-se. E calcula que um conde se apaixonará loucamente por ela… em apenas duas semanas. No entanto, Linnet não tem ideia do perigo a que o seu coração é exposto por um homem que poderá nunca devolver-lhe o seu amor. Se ela decidir ser realmente muito perversa … que preço pagará por domar o coração selvagem desse homem?

Opinião
Milagre de Amor marca a minha estreia com Eloisa James, e posso dizer que foi uma boa estreia. Gostei muito do livro, foi uma leitura agradável, com bom ritmo no desenvolvimento da história e em que cada acontecimento ia aguçando a minha curiosidade.

Linnet e Piers são as personagens centrais desta narrativa. A história de amor destes dois personagens é inspirada no conto A Bela e o Monstro e, na minha opinião foi aproximação bem conseguida. A autora aproveitou as ideias centrais do conto e deu-lhe uma abordagem congruente com as situação e com a época em que a narrativa se desenvolveu. 
No início custou-me olhar para Linnet como uma mulher inteligente. Pareceu-me fútil e infantil, mas ao longo do livro este aspecto foi mudou e aos meus olhos conheci uma nova Linnet. Apesar desta mudança positiva, esperava um pouco mais de garra por parte dela.
Piers é um personagem masculino bastante engraçado. Todo ele é uma junção de Monstro e do Dr. House, o que o torna interessante o modo como ele se vai movimentando ao longo da evolução da história e como ele se vai relacionando com as outras personagens.

No livro há uma forte componente relacionada com a medicina, uma vez que Piers é médico. Não sei se tudo o que aparece descrito corresponde à realidade, mas achei que a autora conseguiu ser bastante coerente e minuciosa nas descrições. Eu gostei muito destes aspectos.

A leitura deste livro deixou-me com vontade de conhecer mais obras da Eloisa James. Sou fã dos contos infantis e sei que ela tem outras obras inspiradas noutros contos.


23
Ago14

TAG | Venha o diabo e escolha

(imagem retirada daqui)
Esta TAG foi criada pela Joca do blog Little house of books e já a tinha aqui guardada para responder há imenso tempo. Espero que gostem.

1. Preferias só poderes ler um livro por ano e saberes que ias adorá-lo imenso ou leres vários e não gostares muito deles?
Eu preferia ler vários livros e não gostar muito deles. Qualquer livro que leia, seja bom ou mau, oferece-me sempre alguma coisa. Se só pudesse ler um único livro por ano acabaria por relê-lo o que poderia traduzir-se em aborrecimento e conduzindo à mudança na forma como olho para o livro. 

2. Preferias nunca poderes conhecer o teu autor(a) favorito/a ou nunca mais poderes ler mais livros do/a mesmo/a a partir deste momento?
Preferia nunca o conhecer pessoalmente. Ficar impossibilitada de ler os livros de alguém que escreve de uma forma que me deixa rendida e encantada seria horrível. O que é certo é que cada livro oferece-nos um pedaço do autor, desta forma eu não podia não o conhecer pessoalmente, mas teria sempre um bocadinho do seu mundo.

3. Preferias ser obrigado a ver sempre os filmes antes de leres os livros ou nunca veres os filmes?
Preferia nunca ver os filmes. É certo, para mim, que quase todos os filmes têm qualidade inferior quando comprados com os livros que lhes deram origem. Facilmente eu consigo criar imagens mentais da história, por isso não iria sentir falta dos filmes.

4. Preferias matar uma das tuas personagens favoritas de sempre ou deixar um dos piores vilões escapar impune?
Preferia matar uma das minhas personagens preferidas, traz mais realismo ao livro e à história, ao mesmo tempo que nos surpreende, porque geralmente não estamos à espera que certas personagens morram. Quanto aos vilões, espera-se que eles sejam punidos para que o nosso sentido de justiça não seja abalado.

5. Preferias ser um tributo nos Jogos da Fome ou que a pessoa mais importante para ti no mundo o fosse?
Eu não estou por dentro dos Jogos da Fome (não li os livros nem vi os filmes), mas como pressuponho que não seja nada bom preferia que fosse eu... Nunca faria nada que pudesse prejudicar as pessoas que mais gosto. Sempre que posso levo eu com as consequências.

6. Preferias que a tua série favorita de sempre nunca tivesse existido ou que o/a autor(a) nunca a conseguisse acabar?
Preferia que nunca tivesse existido! Se ela não existisse nunca a teria lido e não estaria à espera de saber como é que ela iria acabar. Caso ela existisse e não fosse acabada seria uma enorme frustração para mim.

7. Preferias nunca ter conhecido esta comunidade literária na internet ou teres de deixar de fazer parte dela para sempre obrigatoriamente?
Preferia nunca a ter conhecido!! Por norma sou uma pessoa saudosista e sentimentalista, por isso se eu fosse obrigada a deixar de fazer parte desta comunidade para sempre, seria algo que me iria deixar triste. Como só temos saudades daquilo que conhecemos e deixamos de ter, se nunca a tivesse conhecido não haveria espaço para sentir saudades, porque não haveria ligações.

8. Preferias que um livro que encomendaste chegasse a tua casa numa edição super feia, mas em óptimas condições ou que chegasse a tua cada na edição que querias, mas toda estragada, sem puderes reclamar?
Preferia uma edição feia, mas em óptimas condições! Um livro estragado e sujo deixa-me um pouco revoltada. Quando trago livros da biblioteca e os vejo em condições miseráveis fico irritada. Acho que é uma falta de respeito estragar algo que nos é tão útil.

9. Preferias que os teus livros, por conta de uma tragédia, ardessem ou se afogassem?
Afogassem! Talvez conseguisse resgatar alguns e com jeitinho colocando-os ao sol talvez ainda secassem e eu conseguisse recuperar alguma coisa. Se ardessem ficariam reduzidos a cinzas e aí seria impossível.

10. Preferias rasgar a capa de um livro ou sujá-la com algo que não saia?
Sujá-la com algo que não saia, sempre poderia fazer uma jacket e esconder a sujidade. 
21
Ago14

Palavras Memoráveis

(imagem retirada daqui)
- Pode falar-nos da sua relação com a Emily?

- Sabe – disse Chris numa voz suave - como é amar tanto alguém que não conseguimos imaginar-nos sem essa pessoa? Ou como é tocar em alguém e sentir que chegámos a casa? – cerrou uma mão num punho e pousou-o na palma da outra mão -  A nossa relação não se centrava no sexo, nem em estar com alguém só para exibir essa pessoa, como no caso dos outros jovens da nossa idade. Nós éramos feitos um para o outro. Alguns passam a vida inteira à procura dessa pessoa – disse ele. – Eu tive a sorte de a ter sempre comigo. 
Jodi Picoult, O Pacto

Pág. 1/3