Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

07
Out14

Top Ten Tuesday #35 | Livros difíceis de ler

 
Há livros que por algum motivo se tornam de difícil leitura para nós. Essa dificuldade pode advir da nossa relação com a história ou com as personagens, com o tema que é abordado... Há uma imensidão aspectos que transformam uma leitura agradável num momento de ansiedade e desespero. Hoje terei de eleger os 10 livros achei mais difícil ler. Fico à espera das vossas opiniões desse lado. O tema era da semana passada, mas como não gostei do tema desta preferir adopta
 
Mulher em Branco de Rodrigo Guedes de Carvalho
 
Mulher em Branco
 
O meu problema com este autor é mesmo o seu tipo de escrita. Não consigo identificar-me com a forma como ele decide contar as suas histórias o que, para mim, torna a leitura muito difícil.
 
Mil noites de paixão de Madeleine Hunter
 
Mil Noites de Paixão
 
A forma confusa como a história deste livro foi escrita tornou a minha leitura bastante difícil.
 
Messias de Boris Starling
 
 
Eu adorei este livro. Até agora é dos melhores policiais que já li e por ser tão bom a leitura foi complicada. Dei por mim a parar em algumas cenas porque a descrição me estava a causar náuseas.

Ana Karenina de Leão Tolstoi 
 
 
 
É um clássico difícil de ler. A sua dimensão assusta logo, mas no interior a narrativa, por vezes, arrasta-se e torna a leitura muito custosa.
 
Almas cinzentas de Philippe Claudel
Almas Cinzentas
 
Apesar do o livro ser pequeno, a minha leitura foi bastante demorada. A minha relação com a história e as personagens não foi das melhores.
 
A rapariga que inventou um sonho de Haruki Murakami
A Rapariga que Inventou um Sonho
 
Ainda hoje nem sei como tive coragem para chegar ao fim deste livro. A escrita do autor tornou a minha leitura muito penosa.
 
O perfume de Patrick Süskind
O Perfume - História de um Assassino
 
Não gostei nada do livro. Não me senti envolvida pela história, nem a achei cativante. 
 
Revolutionary Road de Richard Yates
Revolutionary Road
 
Foi uma leitura muito difícil e aborrecida. Não me senti atraída pelo conteúdo do livro.
 
Fazes-me falta de Inês Pedrosa
 
Apesar da leitura ser aborrecida, consegui levá-lo até ao fim. 
 
O último livro de Zoran Živković

O último livro
 
Este livro tem uma história tão pouco desenvolvida que fez com que eu perdesse o interesse pela leitura do livro. Esta perda de interesse fez com que a leitura se arrastasse. 
 
 
05
Out14

Setembro | Lugares (Des) Encantados

Setembro

Setembro é um mês de recomeços e embora os meus recomeços não tenham sido muitos, o facto de ser um mês mais activo noutros campos interferiu com o número de livros lidos.

Nem sempre um livro com noivas é um leitura agradável. Esta noiva sem preconceitos (Noiva despida, Nikki Gemmell) não me ofereceu bons momentos de leitura. Envolta numa nuvem de más leituras parto em busca de um livro que me motive para a leitura, um livro em o amor está debaixo de olho de alguém (Sob o olhar do amor, Janine Boissard). Esperançosa de que o meu coração literário aquecesse, apanhei foi um grande balde de água fria e o meu coração gelou perante um leitura pouco acolhedora. Isto mais parecia um Inverno literário, até que a Lívia apareceu (Noivas de Guerra, Anthony Capella), trazendo-me os sabores intenso de Itália acompanhados por uma romance leve e com um toque de humor protagonizado pelo inexperiente James. Mas nem tudo é cor-de-rosa nos romances, há, me muitos casos, que o orgulho e o preconceito levam a melhor e conseguem separar os casais que se focam a olhar para as suas diferenças em vez de se concentrarem naquilo que podem construir juntos (Orgulho e Preconceito, Jane Austen). Foi difícil para a Elizabeth e para Mr. Darcy deixarem o orgulho de lado e os preconceitos que os limitavam, mas lá no fim, o universo alinhou-se para oferecer um final feliz. Embalada pelas palavras de amor destes romances, chego até um que faz com o nosso pensamento seja desconstruído. Elliot fez escolhas na vida, escolhas que condicionaram o seu amor com Ilena (Estarás aí?, Guillaume Musso). Em sucessivas viagens no tempo, Elliot alterou o rumo do jogo da vida, até que um amigo consegui acertar no caminho certo. Embalada pelas viagens no tempo chego ao sepulcro decrépito em 1987 e ao sepulcro em ruínas de 2007 (Sepulcro, Kate Mosse). É ele que, juntamente com um baralho especial de tarot me conta duas histórias que se cruzam na linha do passado e do presente. 

Lugar Encantado

Estarás aí?

Lugar Desencantado

A Noiva Despida
04
Out14

TAG | Dias da Semana



Domingo: Um livro que não queres que termine ou não quiseste que terminasse

Este é dos meus livros preferidos de Sveva Casati Modignani. Estava a gostar tanto que não queria mesmo que terminasse. 

Segunda-feira: Um livro que tens preguiça de começar.

Este livro está ali na estante à espera para ser lido, mas quando olho para o tamanho do livro e o receio que tenho de não gostar do tipo de escrita, faz com que a preguiça ganhe.

Terça-feira: Um livro que te custou a ler ou leste por obrigação. 


Foi uma leitura demorada e por vezes aborrecida. É um livro muito denso e fez com que me custasse a ler.

Quarta-feira: Um livro que deixaste pela metade ou estás a ler no momento.


Posso contar pelos dedos de uma mão os livro que não terminei. Eu sou muito teimosa e, por isso levo as leituras até ao fim. Posso demorar mais tempo, mas não gosto de desistir de um livro. Este foi um dos raros casos que deixei a meio. Não consegui entrar na história, nem me entendi com as personagens, por isso acabei por desistir (talvez volte a insistir na leitura).

Quinta-feira: Um livro que não recomendas.


Dos piores livros que li na vida. Odeie e por isso não o recomendo a ninguém.

Sexta-feira: Um livro que queres que chegue já à tua estante (lançamento ou compra)



Sábado: Um livro que quiseste começar novamente assim que terminou.

Definitivamente, eu adoro esta autora. 
04
Out14

Maratonas Viagens (In)Esperadas | Um até já



Caros Maratonistas,

Hoje foi o dia escolhido para vos comunicar que vamos encerrar este grupo de maratonas.
Tanto eu como a Catarina vamos abraçar novos projectos pessoais e profissionais o que nos vai limitar o tempo disponível para dedicar às maratonas. 
Ao longo destes meses, foi um prazer imenso trabalhar para vocês. Por isso deixamos aqui um agradecimento especial a todos(as) aqueles(as) que nos acompanharam desde o primeiro momento e deixamos um agradecimento às pessoas que se foram juntando a um grupo que procurou inovar o conceito de maratonas literárias. 
Queremos agradecer também a todas as meninas que contribuíram com um presente para ser sorteado entre as pessoas que participaram nos desafios.
A todos o nosso mais sincero agradecimento pelo respeito e pelo carinho que demonstraram.
Não queremos dizer adeus, mas apenas um até já.


Beijinhos e abraços e até qualquer dia.

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis. (Fernando Pessoa)





02
Out14

[Opinião] Estarás aí?


Estarás aí?

Autor: Guillaume Musso
Ano: 2010
Editora: 11 X 17
Número de páginas: 332 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
São Francisco. Elliott, médico apaixonado, nunca se recompôs do desaparecimento de Ilena, a mulher que ele amava, morta há 30 anos. Um dia, uma situação extraordinária permite-lhe recuar no tempo e encontrar o jovem que ele era, há 30 anos atrás. Elliott regressa ao instante decisivo em que um gesto seu pode salvar Ilena e modificar o destino implacável que determinara a sua vida desde então.

Opinião
Estarás aí? é o primeiro livro que leio de Guillaume Musso, autor que eu desconhecia e do qual nunca tinha tido nenhuma informação. Como primeira experiência posso dizer que foi muito boa. Gostei da escrita, da imensa sensibilidade que o autor usa na abordagem dos diferentes acontecimentos e adorei o tom emocional que ele conseguiu oferecer às suas personagens e às suas vivências.

Elliot, Ilena, Matt e Angie são as personagem que dominam a narrativa. Cada uma delas tinha uma dimensão psicológica muito característica eu adorei-as pelas suas diferenças.
Elliot é cirurgião e carrega marcas de um passado familiar que torna o seu olhar diferente. Inesperadamente, cruza-se com Ilena e Matt. Ilena torna-se o grande amor da vida dele e Matt o seu melhor amigo. Havia imensas formas de o autor nos contar esta história e de nos apresentar os diferentes factos, mas ele escolhe uma via original: comprimidos que contemplam viagens no tempo e que permitem mudanças no decurso da vida de todos eles.
Há situações, principalmente no início, que parecem um pouco confusas, mas à medida que nos vamos envolvendo com a história as coisas ficam mais claras e facilmente entramos na dinâmica dos acontecimentos.

Confesso que tive de abandonar um pouco o meu lado racional para conseguir absorver o melhor que a história tem. É claro que as viagens no tempo e as mudanças na escolha do destino são aspectos impossíveis, daí também me sentir confusa no início. Ao mesmo tempo que o livro me criava uma certa confusão, também me deixava curiosa e fascinada. Eu sei que estou a ser contraditória, mas foi exactamente isto que senti. De entre todas as coisas que estão presentes, o que mais me deixou a pensar foi o facto de como pequenas escolha e pequenos acontecimentos podem transformar toda a trajectória de uma ou mais vidas. E aqui sim, é possível acontecer. O que o livro mostra é mesmo as diferentes alternativas que a vida das personagens podem tomar mudando um único aspecto do passado, que neste caso é a morte de Ilena.

De entre muitas coisas que gostei no livro, o romance entre Ilena e Elliot tem um papel de destaque. É um romance que parece tão real devido à sua boa construção. O autor consegue mostrar-nos duas pessoas com duas personalidades tão distintas mas que se conseguem encaixar de uma maneira que é difícil expressar por palavras. A diversidade de sentimentos que estes dois me ofereceram foi uma verdadeira montanha russa de emoções. E as páginas finais quase me levaram às lágrimas.

Há só um aspecto que ficou confuso para mim, No início, o Elliot está em missão e recebe os tais comprimidos que lhe permitem ir ao passado. Depois das viagens ao passado e das mudanças no destino no novo presente de Elliot nunca aparece um velho cambojiano, nem falam de missões nessa zona. Acho que o autor devia ter explicado este facto, introduzindo uma pequena explicação como por exemplo, o facto de ele não ter feito esta missão em particular por uma motivo especial.

Foi uma leitura muito boa e que me deixou com muita vontade de conhecer outras obras do escritor.
Esta leitura só foi possível devido à Denise do blog Quando se abre um livro que muito simpaticamente e generosamente me emprestou o livro. Muito Obrigada!!
01
Out14

Maratonas Viagens (In)Esperadas (9) | Balanço Final


Ainda me falta responder a alguns desafios, mas sinto-me desmotivada para o fazer. Alguns estão já respondidos no grupo do facebook. Mesmo assim, vai um pedido de desculpas para todos aqueles que gostam de vir aqui ao blog ver as respostas aos desafios.

Andei a maratona toda com um único livro, Sepulcro de Kate Mosse. Era a minha segunda tentativa na leitura e desta vez consegui levá-la até ao fim.

No total li 603 páginas. Não foi um mau resultado, mas para uma maratona semanal poderia ter sido melhor.

************

Resultados Anteriores
Maratona 1 | Janeiro - 534 páginas lidas
Maratona 2 | Fevereiro - 695 páginas lidas.
Maratona 3 | Março - 668 páginas
Maratona 4 | Abril - 88 páginas
Maratona 5 | Maio - 125 páginas
Maratona 6 | Junho - 1177 páginas
Maratona 7 | Julho - 1708 páginas
Maratona 8 | Agosto - 90 páginas


Pág. 2/2