Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

30
Jun16

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


Chegou a minha vez de enviar mais um livro à Denise. Desta vez sinto que fiz uma escolha arriscada, mas ao mesmo tempo cheia de boas expetativas em relação à forma como a Denise irá encarar este livro e a forma como ela irá sentir a leitura. 

Então, o livro escolhido foi:
Orgulho e Preconceito
Jane Austen


Motivos:
  • A Denise lê poucos clássicos, por isso vi aqui a oportunidade de lhe possibilitar uma leitura de um género pouco lido;
  • É um clássico fantástico, adorei a leitura e tenho altas expectativas para que a Denise goste dele também;
  • Como há adaptação cinematográfica, este é uma boa oportunidade para ler um livro e, de seguida, ver a sua adaptação.
Não se esqueçam de ir espreitar a reação da Denise.
30
Jun16

Divulgação | "As raparigas esquecidas" de Sara Blaedel

As Raparigas Esquecidas (Louise Rick, #1)

Título: As raparigas esquecidas
Edição: Junho de 2016
Autora: Sara Blaedel
Editora: TopSeller
Páginas: 304
Preço: 17,69€

Sobre o livro

Através de uma narrativa envolvente, vertiginosa e de forte impacto emocional, Sara Blædel não deixa o leitor descansar enquanto não chegar ao fim do livro.

Numa floresta da Dinamarca, um guarda-florestal encontra o corpo de uma mulher. Marcada por uma cicatriz no rosto, a sua identificação deveria ser fácil, mas ninguém comunicou o seu desaparecimento e não existem registos acerca desta mulher.

Passaram-se quatro dias e a agente da polícia Louise Rick, chefe do Departamento de Pessoas Desaparecidas, continua sem qualquer pista. É então que decide publicar uma fotografia da misteriosa mulher. Os resultados não tardam. Agnete Eskildsen telefona para Louise afirmando reconhecer a mulher da fotografia, identificando-a como sendo Lisemette, uma das «raparigas esquecidas» de Eliselund, antiga instituição estatal para doentes mentais onde trabalhara anos antes.

Mas, quando Louise consulta os arquivos de Eliselund, descobre segredos terríveis, e a investigação ganha contornos perturbadores à medida que novos crimes são cometidos na mesma floresta.

As Raparigas Esquecidas foi diretamente traduzido do dinamarquês.


Sobre a autora

A mostrar image.png





Sara Blædel iniciou a sua carreira literária como fundadora de uma editora especializada em policiais e thrillers. Este trabalho aproximou-a do jornalismo, onde acabou por cobrir uma vasta gama de histórias policiais e julgamentos. Foi nessa altura – e enquanto esquiava na Noruega – que começou a imaginar a trama do seu primeiro romance, Green Dust, com o qual venceu o primeiro de inúmeros prémios, The Danish Crime Academy’s Debutant Award. 

As Raparigas Esquecidas é o seu livro mais aclamado, o qual foi contemplado em 2015 com o Gyldne Laurbaer, o mais importante prémio literário da Dinamarca. Os seus livros são bestsellers internacionais e já foram publicados em 33 países. Saiba mais sobre a autora em sarablaedel.com
A mostrar image.png
29
Jun16

Opinião | "Regressar" de Catherine McKenzie

Regressar
Classificação: 3 Estrelas

Regressar de Catherine McKenzie foi mais um livro lido para o projeto Empréstimo Surpresa que mantenho com a Denise do blog Quando se abre um livro.

Este livro dá-nos a conhecer a Emma e o seu recomeço de vida. Depois da morte da mãe, Emma vai para África com a intenção de passar lá um mês. Porém, o destino troca-lhe as voltas e acaba por lá ficar mais tempo. Quando regressa, verifica que todos pensavam que ela estava morta. É aqui que toda a vida de Emma retrocede, e ela vê-se obrigada a reconstruir tudo aquilo que já tinha na sua vida.

Num tom divertido, descontraído e ligeiro,  autora vai-nos apresentando os novos desafios que se interpõem no seu caminho. É aqui que surgem os momentos mais engraçados e que facilmente nos fazem rir e oferecem-nos verdadeiros momentos de descontração. 
É certo que a nova realidade da Emma é bastante dolorosa. Ela acaba por perder tudo, e vale-se da sua determinação, inteligência e força de vontade para conseguir alcançar o equilíbrio entretanto perdido.

A narrativa desenvolve-se de forma muito rápida, não deixando espaço para momentos mortos ou aborrecidos. Assim, temos uma história de fácil compreensão e assimilação, tornando o livro um bom companheiro para as tardes de verão. 

Apesar de ter gostado da história, há alguns aspetos que fazem com que não lhe atribua uma pontuação mais elevada. Do meu ponto de vista, os diálogos são rápidos e pouco desenvolvidos e há alguns acontecimentos que mereciam um maior destaque e de serem mais esmiuçados. No fundo, a autora não esgota as potencialidades de algumas situações de conflito, nomeadamente nas interação entre Emma e Dominic e entre Emma e Sophie, deixando que as coisas sejam muito superficiais para o leitor.

Também acho que, para percebermos o impacto da viagem a África em Emma, precisávamos de mais descrições daquilo por que Emma passou por lá. Temos acesso a pequenas partes de algo que teve um grande impacto na personagem principal, por isso era importante ver até onde foi esse impacto e conhecermos melhor as mudanças interiores de alguém que achava que tudo ia bem na sua vida.

Tendo em conta a leveza da narrativa é um livro que recomendo a quem goste de livros mais descontraídos para ler na praia ou ao ar livre.
26
Jun16

Divulgação | Maratona Cineverão


Este ano, a Catarina do blog Sede de Infinito  decidiu fazer algo diferente. Inspirada nas maratonas literárias, criou uma maratona cinematográfica.

A minha cultura cinematográfica é bastante deficitária. Sei que vejo poucos filmes e é algo que quero mudar. E esta maratona é já um bom começo.

Não sei se vou conseguir completar todas as categorias, mas vou fazer um esforço por tentar completar o cartão.

Tendo em conta as categorias, já tenho alguns filmes em mente.
Aqui ficam eles:

Animação

Décadas de 30 a 50

Drama pessoal

Adaptado de um livro

Atriz preferida 

Fantasia ou Sci-Fi

Até ao momento, foram estes os que consegui identificar para algumas categorias. Vou estar atenta às sugestões da Catarina e de outras pessoas que irão fazer parte deste projeto.
Se tiverem sugestões para mim, podem deixar nos comentários. Tentarei tê-las em atenção.
Se alguém estiver interessado poderá inscrever-se no blog Sede de infinito.
25
Jun16

TAG | 50 %

Estamos a meio do ano e esta Tag é fantástica para analisar os livros que foram lidos até agora. 
Não sei quem criou a tag, por isso as minhas desculpas por não mencionar o seu criador. 

Aqui ficam as categorias:

1. Melhor livro
E Tudo o Vento Levou, Vol. 1

Este ano já li bastantes livros de boa qualidade, mas este é aquele que se destaca.

2. Melhor continuação que li até agora
Só dei continuidade a uma única série. Estou completamente rendida a sério. Mesmo sendo só uma, este ano já li dois livros da série. Para esta categoria, escolho o terceiro volume.
A Pecadora (Rizzoli & Isles #3)

São livros muito bem escritos no que respeita aos pormenores técnicos das investigações criminais. 

3. Algum lançamento do primeiro semestre que ainda não li, mas quero muito ler

Eu sou um bocado desligada em relação a lançamentos, novidades... Vivo muito dos livros da biblioteca. Só recentemente comecei a receber alguns das editoras.

Mesmo assim, tenho visto opiniões muito positivas ao livro A livraria dos finais felizes, que foi lançado em Abril. Essas opiniões deixaram-me muito curiosa e é um livro que tenho curiosidade em ler.

A Livraria dos Finais Felizes

4. O livro mais aguardado do segundo semestre
Não me estou a lembrar de nenhum para esta categoria... Não sei o que é que as editoras andam a preparar para nós. 

5. O livro que mais te dececionou este ano
O Espião Português

Esperava bem mais deste livro, quer em termos de história, quer de escrita. 
Li opiniões muito positivas acerca do livro, por isso esperava algo mais cativante e interessante.

6. O livro que mais te surpreendeu este ano
O Funeral da Nossa Mãe

Eu sabia que a Célia escrevia bem - já tinha lido um conto e feito beta-reading de um livro -, mas não esperava uma narrativa tão envolvente e cativante. Foi muito bom ler este livro.

7. Novo autor favorito (que lançou o livro durante este semestre, ou que conheci recentemente)
Não tenho nenhum autor para indicar nesta categoria. Dos novos autores que li, só tenho experiência com um único livro, por isso acho que não tenho "material" suficiente para identificar como novo autor preferido.

8. A minha "quedinha" por uma personagem mais recente
O inspetor Gabriel Dean da série Rizzoli & Isles. 

9. A minha personagem favorita mais recente
O Rhett Buttler do livro E tudo o vento levou. É uma homem muito interessante e inteligente. Sabe usar as suas qualidades e conhece Scarlett como ninguém. Estou muito curiosa para ver o que lhe vai acontecer no segundo volume.

10. Um livro que me fez chorar
Este ano, ainda não houve um único livro que me levasse às lágrimas.

11. Um livro que me deixou feliz
Ando com um terrível estado emotivo. As minha emoções andam muito, muito negras. Todos os livros me deixaram um bocadinho feliz, mas não consigo destacar nenhum que me tenha deixado extraordinariamente feliz e capaz de me arrancar do posso negro das emoções.

12. Melhor adaptação cinematográfica de um livro que eu vi até agora
Ainda não vi nenhuma adaptação que resultasse de um livro que eu já tenha lido. Já vi filmes baseados em livros, mas dos quais eu não conheço o livro. Por isso, não posso fazer comparações.

13. A minha opinião favorita deste semestre.
Adorei escrever a opinião do livro O funeral da nossa mãe de Célia Loureiro. Fica aqui o link: http://por-detras-das-palavras.blogspot.pt/2016/04/opiniao-o-funeral-da-nossa-mae-de-celia.html

14. O livro mais bonito que eu comprei ou ganhei
Tinha dois livros que poderia incluir nesta categoria, mas vou escolher o livro Quando ruiu a ponte sobre o Tamisa de Ana Gil Campos.
Quando Ruiu a Ponte sobre o Tamisa

Para além de gostar muito da capa, a edição interior está bastante bonita e apelativa.

15. Que livros você precisa ou quer muito ler até ao final do ano?
São tantos os que eu preciso e gostava de ler... 
Apesar disso, vou eleger um que quero muito ler pelo desafio que ele acarreta para mim.
Ensaio Sobre a Cegueira
É um desafio porque:
  • Nunca li nada do autor.
  • Tenho receio de não me sentir confortável com escrita do autor.
21
Jun16

Top Ten Tuesday | Lista de livros para ler no Verão de 2016

E foi ontem que o Verão chegou por estas bandas... Não é a minha estação do ano preferida (longe disso), mas para muita gente significa mais descontração e mais tempo para leituras. 

No meu caso, o tempo para leituras será mais ou menos o mesmo que tem sido até ao momento, mas quero fazer uma lista (não tivesse eu ficado viciada nelas)...

Em primeiro lugar, vamos olhar para as listas passadas:
  • Primavera 2014 - Terminada
  • Verão de 2014 - 8/10 livros lidos
  • Outono de 2014 - 7/10 livros lidos
  • Inverno de 2014/15 - 6/10 livros lidos
  • Primavera de 2015 - 4/10 livros lidos
  • Verão de 2015 - 6/10 livros lidos (poderiam ser 7 se não tivesse desistido de um)
  • Outono de 2015 - 6/10 livros lidos
  • Inverno 2015/2016 - 7/10 livros lidos
  • Primavera de 2016 -  3/10 livros lidos
Finalmente, dois anos depois, consegui terminar a minha primeira lista. Em relação às restantes, houve mudanças, uma vez que consegui ler livros de listas anteriores, num total de 7 livros.

E agora, neste Verão, pretendo ler os seguintes livros (vou repetir livros de listas anteriores):
  1. Teia de Mentiras (Heather Gudenkauf)
  2. Quando ruiu a ponte sobre o Tamisa (Ana Gil Campos)
  3. E tudo o vento levou (volume 2) (Margaret Mitchell)
  4. As rosas de Atacama (Luís Sepúlveda)
  5. A livraria (Penelope Fitzgerald)
  6. Morte súbita (J. K. Rowling)
  7. A rapariga no comboio (Paula Hawkins)
  8. A grande revelação (Julia Quinn)
  9. Para Sir Phillip, com amor (Julia Quinn)
  10. Estrada vermelha, estrada de sangue (Moira Young)
Teia de MentirasQuando Ruiu a Ponte sobre o TamisaAs rosas de Atacama12474538Morte SúbitaA Rapariga no ComboioA Grande Revelação (Bridgertons, #4)Para Sir Phillip, Com Amor (Bridgertons, #5)Estrada Vermelha, Estrada de Sangue (Dust Lands, #1)

Nota: Esta não era a temática sugerida pelo site do The broke and the Bookish
20
Jun16

Opinião | "A Rainha do Verão" (Leonor de Aquitânia # 1)

A Rainha do Verão (Leonor de Aquitânia, #1)
Classificação: 5 estrelas

A Rainha de Verão é o segundo livro que leio da autora Elizabeth Chadwick. Antes de mais, quero agradecer à Editora Topseller por me ter proporcionado a oportunidade de ler este livro, oferecendo-me um exemplar. 

Este livro insere-se dentro da categoria dos Romances históricos e conta-nos a saga de Leonor de Aquitânia enquanto Duquesa de Aquitânia e Rainha de França. Como não conheço os factos históricos, não posso afirmar se a autora foi ou não fiel à realidade. Contudo, é perceptível o trabalho de pesquisa, o cuidado em detalhar o mais fielmente possível os acontecimentos, as personagens e as realidades pelas quais elas vão passando.

Com uma narrativa sólida e muito bem construída, somos convidados a entrar num mundo de poder, disputas, guerras, perdas e conquistas. Há muitos sentimentos à mistura e autora consegue deixá-los transparecer muito bem para o leitor. Elizabeth não se resume apenas a contar a história, ela procura sempre mostrar-nos os factos e o mundo interior daqueles que os protagonizam.

Leonor, tal como a escritora referiu na nota final do livro, é uma mulher do seu tempo, mas que com uma visão ampla. O seu sentido prático, a sua inteligência e a sua sensibilidade tornam-na numa personagem carismática, com valor e por quem estamos sempre a torcer para que as coisas lhe corram bem.

Luís VII assume muito novo a regência de França. Com Leonor a seu lado tinha tudo para que corresse pelo melhor. É muito interessante conhecer a relação entre estas duas personagens. Elas acabam por crescer juntas, assim como o amor que não existia no momento de união cresceu com eles. Porém, a forma como se deteriorou é dura, desgastante e demonstra o quão negra é a personalidade de Luís. De um jovem amoroso, inocente e feliz, pouco sobra ao Luís que encontramos nas últimas páginas.  No fim temos um homem que se deixou consumir pelas ideias negras dos outros, pelo fanatismo por um Deus que ele busca incessantemente e que assume o protagonismo do seu amor. No fundo, penso que Luís nunca deixou esse fanatismo. Tornou-se num homem azedo, cheio de ódio e de rancor. Leonor, sendo portadora de uma alma livre, fresca e cheia de cor, não lidou muito bem com este seu "novo" marido.

Foi muito interessante olhar para este período histórico, para a mestria da autora em ligar acontecimentos e em tornar as personagens interessantes e vivas aos olhos do leitor. Ao lermos a última página fica o sentimento de querer saber mais sobre Leonor e de como ela vai encarar mais uma etapa da sua vida.

Por fim quero realçar a utilidade das árvores genealógicas no início do livro. Elas são uma ferramenta útil para percebermos as interações entre as personagens que vão aparecendo na narrativa. Notei, também, a presença de algumas gralhas que passaram no processo de revisão do livro, mas que não interferem no prazer e compreensão da leitura.

Fico à espera de um novo livro da autora.

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.
16
Jun16

Palavras Memoráveis

Sucesso, Realização, Alcançar, Realizar, Bem Sucedido

As pessoas são como os bolbos de jacinto. Tudo o que podemos fazer é criar um sítio bom para que as pessoas cresçam, mas cada pessoa é responsável por crescer na altura certa. Se interferirmos, só vamos criar feridas. Por melhores que sejam as nossas intenções. E por vezes o crescimento é uma coisa muito silenciosa, como os bolbos no frigorífico. Por vezes nem nos apercebemos que está a acontecer, mas isso não quer dizer que não esteja.

Torey Hayden, Os filhos de afecto


15
Jun16

Opinião | "E tudo o vento levou" de Margaret Mitchell (Volume 1)

E Tudo o Vento Levou, Vol. 1
Classificação: 5 estrelas

Depois de um mês (menos um dia) a acompanhar os acontecimentos que se desenrolaram nestas páginas, sinto alguma dificuldade em colocar por palavras aquilo que senti com a leitura e palavras que façam justiça à grandeza desta obra. 

Neste livro tudo nos é apresentado ao pormenor. A autora consegue detalhar com grande precisão tudo o que se vivia na época histórica que serve de pano de fundo ao desenrolar da ação narrativa. Em certos momentos, ficava exausta com a leitura e com tantas descrições, mas sei que a autora procurou caracterizar o melhor possível tudo o que rodeava aquelas personagens para que pudéssemos interpretar e compreender o seu comportamento.

Assim, no contexto histórico da Guerra Civil Americana, Margaret Mitchell traz-nos uma narrativa que espelha, sem filtros, os contornos da sociedade Americana, a vida dos escravos, as divergências políticas  ao mesmo tempos que a preenche de personagens cheios de particularidades que as tonam inesqueciveis para os leitores.

Ao ler o livro, senti que autora queria dar-nos a conhecer a realidade nua e crua daqueles tempos. Não se preocupou em construir e embelezar personagens para que elas se mostrem melhores aos olhos dos leitores. No fundo, procurou oferecer-nos personagens reais, com diferentes particularidades e personalidades para que se tornassem vivas para nós.
Não simpatizei nada com a Scarlett (porque tenho muita dificuldade em lidar com pessoas egoístas), mas considero-a como uma das personagens mais bem conseguidas, tal como Rhett Butler.

Scarlett é uma menina/mulher egoísta, senhora do seu nariz e com um amor desmedido por um homem que nada tem que ver com ela. Mas como é orgulhosa, faz trinta por uma linha para ficar mais próxima dele. Acho um bocado doentio este amor. Porém, mais para o fim do livro, penso que estejamos mais na presença de uma mulher ferida e orgulhosa que não aceita uma recusa. Esse orgulho não lhe permite ver e abraçar outras situações.
Nem sempre gostei da forma como ela se relacionava com Melanie. São o oposto uma da outra. Por vezes, gostava de ver mais atitude e assertividade por parte de Melanie, mas a personalidade dela foi construída com base na ingenuidade e bondade o que faz com que ela seja um bocado cega perante as "farpas" egoístas de Scarlett.  
Apesar de tudo, acho que a autora construiu tudo em volta delas de forma a que elas se possam complementar em alguns aspetos. E este cuidado da autora faz com que a forma como elas vão crescendo e evoluindo ao longo da narrativa se torne interessante.

E enquanto a sociedade vive tempos de Guerra e ora pelos seus militares, Rhett é suficientemente inteligente para saber lucrar com esta situação, ao mesmo tempo que o seu olhar sagaz sabe analisar a verdadeira essência desta Guerra. Para além disso é o único que conhece a verdadeira personalidade de Scarlett e vai "brincando" com isso ao longo do livro. Ao contrário de Scarlett, gostei de Rhett. Penso que a inteligência e a sinceridade dele me conquistaram. Ele define-se como um homem egoísta, mas eu não o consegui ver como tal. Na minha opinião, penso que é egoísta no que toca aos negócios, mas trata sempre as pessoas de forma delicada e atenciosa (pode estar a ser falso, mas não me pareceu). Aquilo que me irritou nele, é que ele devia ter sido mais direto com a Scarlett e fazer com que aquela cabeça mudasse um bocadinho. Espero que o segundo volume me traga isso.

É uma obra tão vasta e cheia de contornos, que é muito difícil conseguir colocar em palavras tamanha densidade. Acho que é preciso ler para se compreender a magnificência deste livro. O tamanho assusta, a densidade da história condiciona o ritmo de leitura, porém não deixa de ser um prazer conhecer cada recanto de Tara, cada drama exagerado de Scarlett, cada comentário certeiro de Rhett e chegar a um final que nos surpreende. Sim, a atitude de Melanie e de Scarlett na fase final do livro foi uma surpresa enorme e que me deixou muito curiosa para ler o segundo volume desta saga. 
11
Jun16

A minha experiência com... | Nicholas Sparks

Já há muito tempo que queria iniciar esta rubrica aqui no blog.
Aquilo que pretendo com ela é: escolher um autor, falar dos livros que já li e que me faltam ler e o que eu acho da escrita do autor.

Para iniciar escolhi o autor: Nicholas Sparks

 

Reconheço que foi dos primeiros autores que me fizeram ler compulsivamente na adolescência. Porém, o meu crescimento e a presença de outras leituras retiraram o papel de destaque que este autor tinha na minha vida literária.
Inicialmente, adorava-o. Li os livros dele com uma avidez inexplicável. Ficava derretida com as histórias de amor que preenchiam aquelas páginas... Depois de ler muitas obras seguidas do autor, parei durante muito tempo e só voltei a lê-lo em 2011. 
Eu continua a gostas das obras do autor, porém já não me encantam tanto; às vezes aborrecem-me porque acho que o escritor usa sempre a mesma fórmula e porque comecei a compará-lo com outros romances. 

No total, ao longo da minha vida enquanto leitora, já li 16 livros do autor:
  1. Corações em Silêncio
  2. Uma escolha por amor
  3. A alquimia do amor
  4. À primeira vista
  5. Quem ama acredita
  6. O sorriso das estrelas
  7. Uma vida a teu lado
  8. Laços que perduram
  9. Uma promessa para toda a vida
  10. Dei-te o melhor de mim
  11. Melodia do adeus
  12. Um refúgio para a vida
  13. As palavras que nunca te direi
  14. O diário da nossa paixão
  15. Um momento inesquecível
  16. Juntos ao luar
Não me lembro de todos os enredos e dos pormenores que os caracterizam. Não me lembro de todas as personagens criadas por Nicholas Sparks. Restam as boas memórias do meu livro preferido, O diário da nossa paixão e do livro que até hoje menos gostei Dei-te o melhor de mim.
Um aspeto que tenho bem presente é o facto do autor recorrer a casais em diferentes etapas de desenvolvimento, ou seja, casais jovens e casais mais adultos. Eu prefiro as histórias protagonizadas por casais mais velhos. Sinto-as com outra intensidade e acho-as mais ternurentas. 

Apesar desta longa lista de livros lidos, ainda me faltam:
  1. Uma viagem espiritual
  2. Um homem com sorte
  3. No teu olhar
  4. Três semanas com o meu irmão
Uma viagem espiritual foi um livro que não quero ler. Não me desperta a atenção.
Em relação aos outros dois, já tentei ler Um homem com sorte mas desisti ao fim de meia dúzia de páginas. Estava a ser uma leitura penosa e pouco interessante e acabei de abandonar o livro. Apesar disso, vi o filme e gostei. Por isso, talvez um dia ainda lhe volte a dar uma oportunidade. No teu olhar é um livro publicado recentemente e que também poderei vir a ler um dia num futuro próximo ou mais longínquo. 

E vocês, gostam dos livros de Nicholas Sparks? Qual é o vosso preferido?



11
Jun16

Divulgação | "Quando ruiu a ponte sobre o Tamisa" de Ana Gil Campos



Quando Ruiu a Ponte sobre o Tamisa

Titulo: Quando ruiu a ponte sobre o Tamisa
Edição: Maio de 2016
Autora: Ana Gil Campos
Editora: Editorial Novembro
Páginas: 360 páginas
Preço: 13,50

Sinopse
Uma misteriosa mulher encontrada inconsciente numa rua de Bombaim. O dia a dia de uma família real indiana. Uma inquietante viagem por Goa. A luxuosa vida de uma princesa indiana em Londres. Um amigo inusitado (e conhecido por todos) com quem a princesa tem as mais íntimas confissões. As certezas de um casamento seguro e tranquilo abaladas por uma paixão inesperada que a princesa não sabe explicar nem controlar. Reencontros, dúvidas, angústias e revelações na vila de Sintra.
Numa escrita marcada pela fantasia, paixão, beleza e exotismo, a autora aborda temas como a globalização, as disparidades entre a pobreza e a riqueza, o nosso papel na sociedade, o amor e a paixão.

Sobre a autora
Ana Gil Campos, autora do romance A segunda pele da acácia mimosa, mereceu os seguintes panegíricos pela crítica: «incrível talento que permitiu a autora entrar no mundo da literatura já com uma obra bastante madura.»; «apenas de vez em quando somos surpreendidos por um autor que revele já muito talento na primeira publicação.»; «adorei a forma maravilhosa de escrever de Ana Gil Campos, tão bela e profunda.»; «uma escritora que promete.»; «um excelente exemplo desta nova geração de escritores portugueses que provam saber escrever com alma.»; «escreve de uma forma absolutamente poética e linda que me encantou.»; «conquistou-me com a sua escrita e será uma autora que vou querer seguir, ficando a aguardar com grande expectativa o seu próximo trabalho.»; «é, sem sombra de dúvida, uma ótima aposta num novo talento da escrita em português.»
Escreveu para o Expresso de 2009 a 2014 e colaborou com a revista Exame de 2011 a 2013. Esporadicamente publica contos na plataforma Capazes desde maio de 2015. Dedica-se com regularidade ao seu blog pessoal (www.anagilcampos.blogspot.com).

08
Jun16

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Dando continuidade ao nosso projeto conjunto, foi a vez da Denise me enviar um livro para uma próxima leitura. 

O livro recebido foi:

Regressar de Catherine Mckenzie

Foi uma surpresa muito agradável e espero gostar desta leitura. Nunca li nada da autora, conhecia o livro porque a Denise já o leu, mas parece-me que se insere dentro do género de livros que gosto.

Adorei a capa, em particular o vestido que a rapariga que tem. Tenho um casamento este ano e, como ando a ver vestidos, a minha atenção ficou logo presa nele. 

Vamos lá espreitar os motivos que estão por detrás do envio deste livro.

Pág. 1/2