Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Desafio | Viajar no mundo com os livros

31.03.17

Este foi um desafio que já vi em muitos blogs e, sempre que o via, pensava Tenho de fazer este desafio
Através dos livros conseguimos viajar sem sair do lugar. Os autores conseguem trazer-nos muita coisa sobre as suas culturas. 

Estava a pensar seguir a listagem de países membros da ONU. Ao olhar para a lista, achei que seria complicado preencher todos os países, por isso, vou deixar isto um pouco mais livre e ver quantos países diferentes consigo visitar durante um ano. 
Esta visita é através dos autores, ou seja, pretendo ler livros de autores com diferentes nacionalidades.
Vou começar este desafio a 1 de abril de 2017 e terminar a 1 de abril de 2018. 
Vamos ver qual será o meu balanço daqui a um ano. 

Palavras Memoráveis

30.03.17

Sê forte.
Sê diligente.
Sê conscienciosa. Nunca há nada a ganhar quando se escolhe o caminho mais fácil. (A não ser, é claro, que o caminho inicial seja fácil. Às vezes acontece. Se esse for o caso, não forjes um novo, mais difícil. Só os mártires vão à procura de problemas).

Julia Quinn, Para sir Phillipe com amor

Opinião | "Apenas um desejo" de Barbara O'Connor

30.03.17
Apenas um Desejo
Classificação: 5 estrelas

Apenas um desejo foi dos livros mais ternurentos que já li. É tão fácil sentir carinho pela Charlie, pela Bertha, pelo Gus e por toda a família de Howard. 
Embarcamos nos sonhos da Charlie é um privilégio para o leitor. Charlie é genuína, cheia de garra e com uma perceção sobre si própria que muitos adultos não têm. É uma crianças que apenas precisa de amor, que precisa de sentir que pertence a alguém. É de apertar o coração ler acerca de uma menina que sentia que não pertencia a ninguém. E, pior ainda, é ver que ela sabia que isso não era algo muito comum na vida das crianças. 

Charlie, uma criança feita de sonhos, que acredita nas estrelas cadentes capazes de tornar os desejos em realidade, vê-se obrigada a lidar com algo muito duro na vida de uma criança. Porém, a resiliência dela suplanta qualquer expetativa da parte do leitor. Ela seguiu o seu próprio caminho, deixou-se absorver pela sua genuinidade e pela sensibilidade que ela foi alimentado dentro dela. Toda esta mistura de cores que habitam dentro dela tornam-na especial e muito realista. Eu consegui ver aquela criança, como se ela estivesse ao meu lado. E depois temos a forma como ela lida com o Osso da Sorte e com o Howard. Aí conseguimos ver que ela é cheia de amor para partilhar, só precisa de alguém a quem o oferecer. Como é muito genuína e verdadeira acaba por magoar os outros, porém a compreensão que eles têm para com ela é extremamente importante. 

Bertha e Gus são uma casal excecional. O amor, a partilha, a compreensão, os bons sentimentos habitam dentro deles com uma força desconhecida. Eles exercem uma verdadeira parentalidade positiva com a Charlie. São pais no coração, apesar de a natureza não lhe permitir extrapolar esse amor parental que habita dentro e entre eles. 

Não podia deixar de falar no Howard... Que miúdo consciente e de bem consigo próprio. Identifica os seus defeitos e sabe lidar com eles de uma forma muito natural. Fiquei deliciada com a sua dedicação a Charlie. Gostava que houvessem mais miúdos assim. Fáceis de encontrar e que iluminam qualquer vida. 

Pessoalmente, não consigo dizer o que é mais me tocou o coração. Quando olho para o livro sei que será por muito tempo que vou recordar a natureza esperançosa e corajosa da Charlie, o amor e encanto que Bertha e Gus partilham entre eles e com o mundo que decidem abraçar e a doçura e assertividade de Howard a lidar com o mundo que nem sempre é simpático com ele. 

Do meu ponto de vista é um livro excelente para ser lido em conjunto com crianças. Através dele podemos chegar à reflexão de temas extremamente importantes para o desenvolvimento infantil. Questões como o bullying, a família, a agressividade, a importância de acreditar e mantermos a esperança são temas que habitam estas páginas e que podem ajudar outras crianças. Sem dúvida, um livro merecedor da nossa atenção.

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

Opinião | "A Coroa de Inverno" de Elizabeth Chadwick (Leonor de Aquitânia # 2)

27.03.17
A Coroa do Inverno (Leonor de Aquitânia, #2)
Classificação: 4 Estrelas

A Coroa de Inverno é o segundo volume de um série histórica dedicada a Leonor de Aquitânia. No primeiro volume assistimos ao primeiros passos de Leonor no mundo dos reinados e das políticas que se vão estabelecendo. Agora, neste segundo volume somos convidados a entrar numa nova fase de vida desta rainha e dos novos desafios com que se depara. 

Aquilo que destaco desde logo neste livro é o excelente trabalho da editora com a edição. A capa consegue superar a anterior em beleza. É pessoal o gosto por cores mais frias, o que penso que dá uma tonalidade especial à capa e acabam por ser um pouco uma metáfora daquilo que será a nova vida de Leonor.
Para além da capa, o bom detalhe histórico é perceptível nas descrições bem conseguidas que nos oferecem boas imagens mentais da realidade da época. 

Relativamente às personagens, estas são muito bem apresentadas, permitindo-me construir um conjunto de opiniões e sentimentos muito sólidos em relação às mesmas. Assim, e de um modo mais geral, posso dizer que fiquei extremamente desiludida com Henrique. Não espera que ele se tornasse no homem que vim a conhecer ao longo destas páginas e sofri com Leonor por ter que lidar com um homem que se deixava dominar pela sua sede de poder e pela sua testosterona. 
Isabel e o irmão bastado de Henrique são um casal que gostei de conhecer e comecei a torcer por eles muito antes de o seu enlace se tornar oficial. Também sofri por Isabel nos seus momentos mais negros. 

Em alguns momentos senti falta da Leonor do primeiro volume. Apesar de a sua fibra e tenacidade se manterem intactas, ela, por força das circunstâncias, teve de as adormecer. Viveu momentos muito complicados e isso fez com que ela brilhasse um bocadinho menos. Admiro a sua coragem, principalmente nos momentos finais do livro que me deixaram muito, muito curiosa para saber  que se segue. 

A narrativa, apesar da sua densidade factual, tem uma boa dinâmica. Prendeu-me à leitura e ficava sempre curiosa por ver o que aconteceria de seguida. 
O final é extremamente sugestivo abrindo a porta da curiosidade para os acontecimentos que precedem este volume. 

Opiniões anteriores:

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

Dia Mundial da Poesia

21.03.17
Resultado de imagem para poetry
Hoje é o dia Mundial da Poesia. 
Não sei qual é a vossa relação com este género literário, mas eu gosto bastante de ler poesia. Infelizmente já há muito tempo que não pego num livro deste género, mas é algo que quero mudar ao longo deste ano.

Para assinalar este dia, deixo-vos uma "espécie" de poema que eu escrevi.

Há molduras vazias
Espalhadas pela casa
Que guardam a vã esperança
De serem preenchidas
De momentos... De sonhos realizados

No interior de ti
Essa esperança vai morrendo
O silêncio e o vazio das molduras 
Fazem eco na tua cabeça
E tudo fica escuro dentro de ti

Mas tu queres ocupar essas molduras
Queres, que dentro de ti, 
A luz se acenda e brilhe da forma mais intensa
Queres que o silêncio
Seja, apenas, o doce murmúrio dos bons sentimentos

Então caminhas,
Rápido, devagar... rápido, devagar...
Porque no fundo de ti
Apesar do negro que pinta os teus pensamentos
O teu coração jamais deixou
Que a pequena chama do sonho e da esperança
Se apagasse
(Março de 2017)

Não nenhuma obra prima... É apenas uma forma de eu brincar com as palavras e uma forma de lidar com os muitos sentimentos, angustias, revoltas e sonhos que fazem eco dentro de mim.
Ansiosa pela vossa opinião. 

Listas | Lista de livros a ler na Primavera

20.03.17

Hoje começa a primavera e cá estou eu para vos apresentar a minha lista de livros a ler durante esta estação.

Antes de vos mostrar os livros que pretendo ler, farei o balanço da minha lista de inverno e do estado das listas anteriores. 

Em relação à lista de inverno de 2016/2017 estou muito contente com o meu desempenho. Pela primeira vez desde que comecei a fazer listas que consegui terminar uma dentro do tempo estipulado. 

Podem ver a minha lista aqui.

Relativamente às listas das estações anteriores continuam todas na mesma situação. 

Para esta primavera quero perder-me por...

1. Para sempre não é muito tempo de Carolina Pascoal
2. Mors tua, vita mea: a tua morte, a minha vida de Vanessa Santos
3. Eleanor & Park - Rainbow Rowell 

Para Sempre não é muito tempoMors Tua, Vita Mea: A tua morte, a minha vidaEleanor & Park

4. Mil sóis resplandecentes de Khaled Hosseini
5. Perfeito para mim de Jill Shalvis
6. Apenas um desejo de Barbara O'Connor

Mil Sóis ResplandecentesPerfeito Para Mim (Cedar Ridge, #2)Apenas um Desejo

7. Soberba Ilusão de Andreia Ferreira
8. Regresso a Mandalay de Rosanna Ley
9. Casamento em Veneza de Elizabeth Adler
10.Uma noite de amor de Mary Balogh

Soberba Ilusão (Trilogia Soberba, #3)Regresso a MandalayCasamento em VenezaUma Noite de Amor (Bedwyn Prequels #1)

Resultado do Passatempo

19.03.17
O passatempo para ganhar o livro "Maria, vai-te deitar! e outros contos" terminou ontem.
Hoje já fiz o sorteio e a vencedora foi:

A inscrição número 15
que pertence à
Ana Isabel Machado 
de Santo Tirso


A vencedora terá 48 horas para responder ao e-mail que lhe foi enviado. Se não responder farei novo sorteio.

Desde já agradeço a todas as pessoas que participaram no passatempo.

Divulgação | "Para sempre não é muito tempo" de Carolina Pascoal

18.03.17



                                   Para Sempre não é muito tempo





Autora: Carolina Pascoal
Editora: Capital Books
Preço: 14.50€
Número de Páginas: 290 páginas






Sinopse
Gonçalo é um advogado de 46 anos que entra numa depressão sombria quando Leonor, o amor da sua vida, decide sair de casa sem hipótese de reconciliação e lhe pede o divórcio. Desesperado e cansado de travar uma luta contra a solidão, Gonçalo decide pôr termo à vida e numa madrugada conduz até à ponte de Santa Clara, em Coimbra, para se atirar às águas do rio Mondego. Mas é nesse momento que ouve a voz de Francisca, que lhe traz o poder das segundas oportunidades.
A consciência de que vamos sempre a tempo de ser felizes outra vez. Mas se o destino quis que a Francisca aparecesse naquele momento, continuará a querer que fique durante muito tempo?
Uma história de amor única, por não haver dois dias iguais, duas pessoas iguais, dois amores iguais. Traz-nos as dúvidas, os recuos, os desvios e as paragens dos corações apaixonados, enquanto nos mostra que para sempre não é muito tempo, quando para sempre é a única opção possível.


A autora
Ana Carolina Freitas Pascoal nasceu em 1992 na cidade da Figueira da Foz. Atualmente reside em Lisboa.
É licenciada em Psicologia Clínica, a maior das suas paixões, tendo concluído os seus estudos na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. O gosto pela escrita surgiu desde cedo. Quando frequentava o 3º ciclo do ensino básico, ganhou dois Concursos Literários promovidos pela escola EB 2/3 Dr. João de Barros, na categoria
de prosa. “Para sempre não é muito tempo” é o seu primeiro manuscrito, que escreveu quando se mudou para Lisboa.

O que me motiva para esta leitura?
  • Gostei do título. Apesar de ser extenso, acho-o sugestivo.
  • Partilho com a autora a paixão pela psicologia.
  • O facto de o romance se centrar em personagens mais maduras. 

Pág. 1/3