Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

28
Fev18

ACMA | Os lugares obscuros das tradições e dos costumes


Durante o mês de Fevereiro, o projeto ACMA desafiou-nos a pensar e escrever sobre tradições e costumes. Inicialmente, pensei em escrever sobre como estes dois elementos tão característicos da comunidade funcionam como uma forma de aproximar as pessoas. Porém, a minha personalidade identifica-se muito mais com os lugares obscuros e sou um pouco anti-tradição e anti-costumes

Eu sou um pouco “ursa”. Tenho uma personalidade introvertida, gosto do silêncio e sou extremamente pacata. Por isso, “fujo” de grandes grupos de pessoas, de festas, de confusão e barulho. Enquanto toda a gente anda a brincar ao Carnaval eu prefiro fazer outras coisas. Não me identifico com o espírito aventureiro e extrovertido daqueles que se entregam às folias e tropelias de festas e romarias.

Então comecei a pensar no drama das pessoas que têm uma personalidade semelhante à minha. Uma personalidade onde as tradições e costumes grupais desenvolvem um lado obscuro na nossa mente e nos fazem sentir em completa frustração. É muito difícil ser a “ovelha negra” num grupo de pessoas extrovertidas, porque nem sempre as pessoas compreendem a nossa sensação de desconforto em multidões e festas animadas.

Outro lado obscuro das tradições e dos costumes é quando os mesmos colocam em risco a saúde e a vida de quem os pratica. No início deste ano, uma aldeia de Portugal foi internacionalmente noticiada devido a uma tradição do dia dos Reis, em que crianças eram convidadas e incentivadas a fumar. Este é daquele tipo de tradições inconsequentes e que não acarretam elementos positivos à vida das pessoas. Senão vejamos, quantas são as iniciativas anti-tabaco desenvolvidas na escola e nos cuidados primários de saúde? Quantas vezes tentamos sensibilizar as nossas crianças e jovens para os malefícios do tabaco? No fundo, é uma tradição que está carregada de incongruência e de riscos a longo prazo nos comportamentos saudáveis destas crianças. Não acredito na teoria da população daquela aldeia, em que afirmam que aquele é um comportamento circunscrito àquele dia.

Para terminar, quero ainda escrever sobre as tradições académicas. Fui praxada, mas não praxei. A minha experiência em relação à minha praxe não é positiva nem negativa. Foi um dia indiferente que não teve grande impacto em mim. Felizmente que não me colocaram a fazer coisas muito estranhas ou rebuscadas, caso contrário sentir-me-ia mal. Porém, agora não sei se a minha opinião se mantém neutra em relação às praxes. Ultimamente tenho visto situações que me causam algum mal-estar, como por exemplo, a necessidade dos alunos mais velhos se fazerem notar pelo seu poder e soberania. Não que estejam a fazer nada de muito grave aos caloiros, mas não gosto do poder intimidante da voz e das ordens que dão aos alunos do primeiro ano. Sinto-me sempre muito estranha ao ver estas situações e, lá no fundo, não me iria sentir muito bem a fazer aquilo no meio de uma rua cheia de gente.

Apesar da grande euforia que possa estar associada às tradições e costumes de uma comunidade, há pessoas que não se encaixam nesta filosofia o que pode traduzir-se em tristeza, aborrecimento, frustração… Acima de tudo devemos ter a capacidade de respeitar o lugar do outro, as suas necessidades e os seus interesses pessoais. Desta forma, não devemos impor a ninguém nem as nossas tradições e costumes pessoais nem os que fazem parte da comunidade que integramos. E claro, cada pessoa deverá ser livre de criar as suas próprias tradições pessoais e costumes, sem pressões ou imposições. O que interessa é que estas sejam fonte de prazer pessoal e social.

Se quiserem fazer parte deste projeto, basta falarem com a Ju, através do seguinte email, acma.cultura@gmail.com. O projeto também está presente no facebook, através da página que podem consultar aqui.



Lista de criadores:





27
Fev18

Opinião | "Orbias - As Guerreiras da Deusa" (Orbias #1) de Fábio Ventura

Orbias - As Guerreiras da Deusa (Orbias, #1)
Classificação: 1 Estrela

Esta leitura foi um verdadeiro desespero. Nunca mais lhe via o fim e fui insistindo porque queria terminar um livro que é de um autor nacional e está integrado no meu projeto de Português no masculino. Caso não tivesse estas motivações acho que ao fim de 50 páginas já estava a arrumar este livro para o lado. 

Quem me segue há algum tempo e já sabe dos meus gostos literários poderá estar a pensar Ah, implicaste com o livro porque é fantasia. Até poderia ser, mas eu consigo ler fantasia e até gosto de alguns autores. É certo que não é o meu género de eleição, mas consigo apreciar os livros da Juliet Marillier, gostei muito de betar os livros da Liliana Lavado. No fundo, tudo depende da forma como me consigo envolver com a história e as personagens.

A este livro falta o essencial para que me sentisse cativada. Concretamente, não preencheu os requisitos mínimos.
1) Estilo de escrita: Muito infantilizada, diálogos quase inexistentes e um exagero na forma de nos contar os factos. É um livro onde tudo nos é contado e nada é mostrado. São páginas e páginas de texto onde são descritos os mundos, aquilo que as personagens veem e aquilo que fazem. Não há espaço para nos mostrar emoções e interações. Este aspeto torna o livro demasiado aborrecido e que faz com que a leitura se arraste. 

2) Personagens: são de revirar os olhos. Não estão desenvolvidas e aquilo que nos é mostrado é um comportamento pouco adulto, onde não se sente a responsabilidade que começa a assentar sobre os seus ombros e que conhecem-se hoje e amanhã, de forma quase transcendente e sem que isso seja mostrado ao leitor, se tornam os melhores amigos. As paixões assolapadas e pouco contextualizadas também figuram nestas páginas. Tudo aquilo que as envolve não me fez sentir absolutamente nada por elas. Foram-me indiferentes e não permanecerão na minha memória.

3) Narrativa: Poderei reconhecer alguma originalidade e esforço em nos apresentar algo diferente no que respeita à fantasia, porém a forma como o autor concretizou tudo à volta da sua ideia esfumasse na forma aborrecida com que nos expõem os factos. O livro é narrado na primeira pessoa, a duas vozes, ou seja, são duas as personagens com voz ativa. Ao longo do livro grande parte dos capítulos é narrado por Noemi, contudo há outros narrados por Lorelei e, às vezes, tornou-se confuso fazer esta passagem (apesar de o autor no inicio do capítulo colocar o nome da personagem a quem ele pertencia). 

A forma como tudo se desenvolve acaba por ser desinteressante muito pela forma simplista com que o texto é narrado. Até poderia ter sido uma leitura interessante se houvesse atitudes mais maduras e congruentes das personagens, ou seja, que as personagens agissem de acordo com a maturidade e responsabilidade que lhes passou a ser exigida. 

Dada esta má experiência não pretendo ler o livro seguinte. Não fiquei com o mínimo interesse de saber o que irá acontecer a estas personagens. Tenho a certeza que, daqui a uns dias, nem me lembrarei de nada que figure no livro. 
Penso que o publico mais juvenil poderá gostar um bocadinho mais do livro. A linguagem simples e os comportamentos típicos destas idades poderá aproximar mais o livro desse público. 
24
Fev18

Por detrás da tela | "The girl on the train" (2016)

Resultado de imagem para the girl.on the train imdb
Classificação: 5/10 Estrelas

Este filme poderia ser descrito através de uma única palavras: aborrecido. Passado um quarto de hora após ter iniciado a visualização já estava deserta para que acabasse (ainda dormitei pelo meio e tive de retroceder para apanhar o que tinha perdido). 

Quando li o livro já não o tinha achado uma maravilha literária. Não foi um livro marcante e senti, também, algum aborrecimento na leitura. Apesar destes sentimentos menos positivos em relação à leitura acalentei a esperança de que o filme me pudesse cativar mais e oferecer-me uma perspetiva diferente. 
Infelizmente, esta minha esperança ficou desfeita nos primeiro minutos do filme. É uma narrativa que se arrasta, sem grande ênfase nos mistérios que envolvem as personagens (mesmo sabendo o que ia acontecer devido ao livro, não senti que o filme deixasse transparecer mistério e expetativa, é tudo demasiado dúbio, sem garra) e as interpretações são fraquinhas. Esperava melhor de Emily Blunt como Rachel, esperava ver mais conteúdo. Tudo foi passado de forma rápida e sem transmitir qualquer tipo de intensidade. 

A fotografia também não tem grande qualidade e a banda sonora é pouco notória. Penso que isto também dificulta a minha ligação ao filme. Na minha opinião, toda a envolvência dos cenários e da música oferecem muito aos filmes e à forma como eu me relaciono com eles.

É um filme que não pretendo rever. 
22
Fev18

Palavras Memoráveis

Recordou-se de Nana ter dito um dia que cada floco de neve era um suspiro soltado por uma mulher magoada algures no mundo. Que todos os suspiros subiam para o céu, se reuniam em nuvens e depois se desfaziam em minúsculos pedaços, caindo silenciosamente sobre as pessoas cá em baixo.
Em lembrança do que sofrem as mulheres como nós, dissera ela. De como suportamos silenciosamente tudo o que nos cai em cima.
Khaled Hosseini, Mil sóis respolandecentes

21
Fev18

Top 5 Wednesday | Romances

Imagem relacionada

Já há muito tempo que não fazia um TOP 5 WEDNESDAY. Muitas vezes via os temas, mas passava-me fazer o post. Outras vezes não conseguia fazer o top porque não me sentia à vontade com a categoria.
Esta semana pedem-nos para escolher o nosso TOP 5 de romances. Este é o mês do amor, por isso tem a sua lógica. Para mim vai ser difícil escolher apenas 5. Serão os primeiros que me surgirem em mente.

Amor à Primeira Vista (Kendrick/Coulter/Harrigan, #2) Orgulho e Preconceito Verão em Edenbrooke (Edenbrooke, #1) És o Meu Segredo Doces Silêncios

Tentei escolher livros em que a tónica principal fosse o romance e o amor. Haveria outros tantos para aqui nomear, estes foram assim dos primeiros que me lembrei assim que pensei em amor, relações amorosas e romance. 
Já leram algum?
E vocês, quais os vossos romances preferidos?
19
Fev18

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Desafio]



Um novo serial killer!

Este desafio seguirá a mesma base imaginativa dos anteriores.

Depois de teres colocado questões à autora, de te teres tornado amiga dela e de a ajudares a escolher o casting para um filme, chegou agora o momento de a ajudares numa das suas próximas obras.

Ela precisa de ideias para um novo serial killer que começou a aterrorizar as pessoas. Ajuda-a a definir o perfil desse criminoso. É homem ou mulher? Ataca de dia ou de noite? Que género de vítimas escolhe? É cuidadoso ou desleixado? Que motivações poderão estar por detrás dos seus crimes? Quem será a próxima vítima?


O novo criminoso será uma mulher com cerca de 40 anos que ataca homens entre os 35-40 anos que sejam suspeitos ou acusados de violência doméstica.
Não tem hora certa para atacar. A hora é aquela que lhe é mais favorável. Ela conquista as vítimas, usa truques de sedução e ataca-os quando eles menos esperam e sem lhes dar tempo para reagirem. No fim, corta-lhes o pénis e deixa o resto do corpo intacto.
Ela é cuidadosa e meticulosa. Todos os crimes são muito planeados e estruturados. Tem sede de vingança. Quer vingar todas as mulheres que sofrem ou sofreram agressões físicas, emocionais e psicológicas às mãos de um homem. Em cada homem que mata vê o rosto do pai e do marido, ambos homens violentos e que já não estão neste mundo. Desapareceram sem deixar qualquer rasto. Será que é esta a mulher que está por detrás destes desaparecimentos? Será que foram estes desaparecimentos que motivaram esta necessidade de atacar estes homens? São aspetos que a autora terá de desenvolver de acordo com aquilo que a sua imaginação ditar. 



17
Fev18

Por detrás da tela | "O Pianista" (2002)

Resultado de imagem para O pianista
Classificação: 10 Estrelas

Já há muito tempo que queria ver este filme. Eram vários os motivos que alimentavam a minha curiosidade: 1) É um filme em que a ação decorre durante a 2ª Guerra Mundial; 2) Muitas pessoas mo recomendavam; e 3) Tinha um pianista (admiro pianistas).

Muitos pensarão, é mais um filme sobre judeus massacrados pelos alemães e em que pudemos ver a sua vida miserável em campos de concentração. Mas pensarão errado. Este filme vai mais longe e mostra-nos outras formas de sofrimento. Sim, assistimos à miséria, ao comportamento bárbaro de soldados para com seres humanos como eles e ao desespero de quem não tem justificações para tanta crueldade. Para além destes aspetos, este filme traz-nos outra perspetiva. A perspetiva da bondade. Afina, no meio de tanto cinzento, existem pequenos rasgos de luz que resistem à crueldade e acabam por iluminar o caminho dos que sofrem. 

Este filme ofereceu-me uma nova visão da vida nos guetos. Um filme que é uma verdadeira lição de vida na luta pela sobrevivência e em como podemos ajudar. 

O filme é pautado por interpretações soberbas, claro que com um grande destaque para o ator Adrien Brody que interpretou de forma magnífica o papel de pianista. Todas estas interpretações ganham ainda uma maior dimensão pois são acompanhadas por uma banda sonora cheia de bom gosto.

Este é daqueles filmes para rever. Um filme que nos deve acompanhar ao longo da vida e para ser mostrado a gerações mais novas. O poder doentio que marcou o flagelo da 2ª Guerra Mundial e as atrocidades que foram cometidas não podem ser esquecidas. Devemos aprender com a história e com os erros cometidos. Este género de filmes é super importante para não esquecermos esses erros.

15
Fev18

Opinião | "Caçadores de Cabeças" de Jo Nesbø

Caçadores de Cabeças
Classificação: 3 estrelas

Caçadores de cabeças marca a minha estreia com este autor norueguês. Geralmente, e da minha pequena experiência literária, os nórdicos têm uma aptidão especial para criarem livros de mistério/crime muito cativantes e que nos deixam agarrados às páginas. Portanto, estava com grande curiosidade em conhecer este livro. 

A forma com este livro inicia não é muito cativante. As situações, a vida das personagens e as suas relações parecem arrastar-se pelas páginas não me proporcionando momentos que me permitissem aproximar delas. Achei que a escrita era pouco emotiva, não passava emoções sentimentos. Porém penso que a justificação para esta característica prende-se com o facto de estamos perante um livro cheio de raciocínio lógico sem grande espaço para as emoções.

Foi uma leitura cheia de altos e baixos. Houve momentos muito interessantes, outros que me deixaram verdadeiramente repugnada e outros que me foram indiferentes. Mas assim que cheguei ao final, fiquei de boca aberta. A forma descarada e inesperada com que o autor nos consegue enganar e de deixar qualquer leitor sem palavras. 
Algumas passagens do final tive de ler duas vezes, e cheguei a voltar atrás no livro para ver se me tinha escapado alguma coisa. Eu estava completamente rendida àquele final e à forma como tudo se encaixou e desencaixou. 
É um livro que vale muito pelo final surpreendente que o autor nos apresenta. Apesar de sentirmos que há coisas no livro que não nos cativam ou que parecem pouco interessantes, o autor consegue elevar-se ao criar um final inteligente, lógico e inesperado.

Para este final em muito contribuiu a inteligência de Roger, um homem inteligente e que trilhou um caminho de forma surpreendente. 
Quem estiver com ideias de ler este livro, deve fazê-lo sem qualquer reservas. E se ao longo da leitura sentir que algo não seja cativante, a ordem é para que não se desista, porque o final irá, sem dúvida surpreender todos os leitores.


13
Fev18

Opinião | "O encontro" de Vergílio Ferreira

Contos
Conto: O encontro
Classificação: 3 Estrelas

O encontro veio até mim através de uma miúda do 9º ano, a J., que precisava de ler o conto e de escrever o seu resumo. Para que eu a pudesse ajudar tinha de ler o conto. Surgiu aqui uma excelente oportunidade de ler alguma coisa de um autor que li no secundário e fiquei a gostar.

Estava a ler o conto ao mesmo tempo que a J. e ia sentindo algumas das suas dificuldades. Numa escrita difícil e uma narrativa onde há muitos "buracos" no que respeita à contextualização das personagens e da ação foi difícil motivá-la para a leitura (tinha sido obrigada pela professora de português). Enquanto líamos, ia contextualizando-a e vendo o que é que ela estava a perceber. 

Como o conto é pouco desenvolvido deixa muito espaço à nossa imaginação. Temos como personagem principal um engenheiro que deixa a grande cidade, Lisboa, para se estabelecer numa pequena aldeia do interior. O seu comportamento não é do agrado da população e geram-se ali algumas inimizades. 

À medida que avançava na leitura ia conseguindo contextualizar-me em alguns aspetos, mas outros são produto da minha dedução tendo em conta os acontecimentos. 

Apesar de um início de leitura complicado e confuso, eu gostei de ler este conto, particularmente da forma como terminou. Foi um final que apanhou de surpresa, mas que fez sentido tendo em conta a carga dramática que o autor parece querer dar ao seu texto. 
11
Fev18

Por detrás da tela | "Uma noite atribulada" (2010)

Imagem relacionada
Classificação: 6/10 Estrelas

Foi à segunda tentativa que consegui ver este filme de início até ao fim. Já numa outra altura o tinha apanhado na televisão, mas acabei por adormecer sem terminar de o ver.

É um filme típico de domingo à tarde. Tem alguma ação, muita confusão, muitos mal-entendidos e algum romance a dar um pouco de cor a todo o stress que as situação do filme vão gerando.

Eu gostei de ver o filme, desta vez não me aborreceu ao ponto de me fazer adormecer e até me divertir com algumas situação.
É um filme simples, não exige muito da nossa reflexão nem nos apresenta temáticas complexas que façam pensar e comparar com o nosso quotidiano. É apenas um filme para entreter e nos fazer rir com algumas situações.

Quanto aos autores e ao seu desempenho, acho que eles estiveram à altura daquilo que era exigido deles. Conseguiram ser sérios quando precisavam, conseguiram mostrar diversão e conseguiram passar medo quando a situação o exigia. 

Foi uma ótima companhia para um domingo à tarde.
10
Fev18

Por detrás da tela | "As cinquenta sombras mais negras" (2017)

Resultado de imagem para Cinquenta sombras mais negras poster
Classificação: 4 Estrelas

Há dias em que nos apetece ver daqueles filmes que não exigem muito da nossa atenção nem do nosso desempenho cognitivo.
Era assim que me sentia no domingo em que decidi pegar no filme As cinquenta sombras mais negras. Como li os livros sinto alguma curiosidade em ver os filmes. 

Apesar dos poucos atributos positivos que posso atribuir ao filme, posso dizer que ele cumpre a sua função de entreter a mente, desligar dos problemas e permite-nos revirar os olhos sempre que a Anastasia ia contra os seus princípios de autonomia e de não se sujeita à submissão.
É engraçado ver que Anastasia tem o comportamento mais estúpido à face da terra. Continua a faltar-lhe personalidade, garra e o tal "espírito" pessoal que a narrativa deixa transparecer como o ingrediente mágico que prende Mr. Grey à inocente Anastasia.

Comparativamente ao livro, daquilo que me lembro, acho que houve aspetos em que o filme não foi totalmente fiel. Porém quero deixar claro que já não me lembro de todos os pormenores do livro e que, por isso, posso estar um pouco enganada.

Como escrevi anteriormente é um filme que serve o seu propósito de entreter sem exigir muito de nós. É previsível, tem cenas íntimas, com algum sadomasoquismo à mistura, as interpretações são o que são tenho em conta a qualidade do texto. É um filme para ver sem esperar muito dele. 
06
Fev18

Opinião | "Verão em Edenbrook" de Julianne Donaldson (Edenbrooke, #1)

Verão em Edenbrooke (Edenbrooke, #1)
Classificação: 5 Estrelas

Há livros que nos proporcionam verdadeiros momentos de diversão, ternura e romance. Verão em Edenbrook reúne todos os ingredientes que me fizeram vibrar a cada página desfolhada. 

Este livro é um romance de época que está bem contextualizado, pois para mim foi fácil transportar a minha mente para o guarda-roupa, para os cenários e para os acontecimentos da época. Para dar corpo este cenário, a autora mostra-nos um conjunto de personagens muito interessantes, bem caracterizadas e que me deixaram com vontade de as conhecer. 

Marianne e Philip são os protagonistas desta história. Conseguem ter tanto de divertido como de amoroso. Acima de tudo, aquilo que mais gostei de ver neles foi a amizade crescente. Foi nesta construção que os ficamos a conhecer melhor e que nos apercebemos de quantas camadas envolvem os seus corações. Diverti-me imenso com as interações deles dois, dos momentos divertidos que partilhavam e senti-me verdadeiramente tocada com as conversas mais sérias e com os pequenos flashes de amor que iam brilhando a cada conversa, a cada brincadeira e cada pequena piada que ambos partilhavam. 

Este livro foi direto ao meu coração. Transmitiu-me sensibilidade, amor, amizade... Um sem fim de emoções positivas que me deixaram verdadeiramente encantada com o talento da autora.
Assim, numa escrita simples e recorrendo a uma narrativa cheia de contornos especiais e engraçados, a autora apresenta-nos a sociedade de uma época com características especiais, onde as personagens desfilam de forma a dar um contexto muito realista a toda a história. 
Tenho a certeza que os leitores não vão resistir a esta bonita história de amor envolvida pela cores mágicas da amizade. 

Quanto a mim, vou ficar de olho na autora, assim como no volume seguinte. Será que a Cecily vai despertar da futilidade e conhecer os sentimentos puros e genuínos da irmã? Espero mesmo que sim.

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião sincera. 


05
Fev18

Opinião | "O conto da ilha desconhecida" de José Saramago

O Conto da Ilha Desconhecida
Classificação: 4 Estrelas

Nunca ter lido nenhuma obra de José Saramago era uma grande falha minha. Medo, receio de não me adaptar ao seu género de escrita e porque não me sentia atraída para as suas obras alimentavam a minha resistência em ler as suas obras. Penso que, acima de todas estas questões, era o receio de me cruzar com narrativas difíceis, sem pontuação e acabar por não perceber. Ao fim desta primeira leitura, acho que me enganei.

Para colmatar esta minha falha e ter uma primeira experiência com o autor decidi começar por um conto. É uma obra mais pequena e achei que era o ideal para me familiarizar com a escrita do autor e ver como me sentia com a leitura.

Como esperava, encontrei pouca pontuação. Os diálogos não estão assinalados, há muitas vírgulas, muitos diálogos misturados com pensamentos... mas isso não interferiu com a minha compreensão da obra nem com a minha perceção acerca do desenrolar dos acontecimentos. É engraçado constatar que, enquanto lia, eu ia fazendo a pontuação na minha cabeça, tornando a leitura bastante fluída e agradável.

A escrita é muito bonita. Em cada palavras sentimos a sensibilidade do autor e a sua capacidade de nos colocar a pensar sobre a história, as personagens, o mundo e sobre nós próprios.
A narrativa d'O conto da ilha desconhecida é um verdadeiro convite à reflexão. Deixa-nos a pensar sobre a sociedade, naquilo que os outros esperam de nós e de que forma somos vistos quando ousamos abraçar a aventura, o pensar "fora da caixa". É um conto que me levou a explorar no meu interior a importância de pensar diferente, explorar aquilo em que acreditamos e não deixar de perseguir os meus sonhos. 

Só não consigo atribuir uma pontuação mais elevada porque achei que terminou de forma muito abrupta. Estava tão submersa na narrativa que senti que acabou demasiado depressa. Queria mais, queria continuar embalada por aquelas palavras e por aquela sensibilidade.
Depois desta experiência tão positiva quero aventurar-me por mais obras do autor. Qual recomendem para minha próxima leitura?

Pág. 1/2