Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

26
Fev21

Opinião | "O teu rosto será o último" de João Ricardo Pedro

P_20201230_153937.jpg

"O teu rosto será o último" de João Ricardo Pedro foi o vencedor do Prémio Leya em 2011. Muitas vezes, quando leio livros que venceram um qualquer prémio literário questiono-me acerca dos critérios usados pelo júri para selecionar a obra vencedora. Tenho consciência que a leitura e a interpretação que cada um faz das obras que lê tem uma forte componente subjetiva, mas acho que deveriam existir critérios mais específicos de forma a tornar transparente todo o processo.

Quando uma obra sai vencedora de algo é inevitável que eu, enquanto leitora, crie expetativas um pouco elevadas relativamente à obra. Estava ligeiramente expectante em relação a este livro. Pensei que me ia trazer uma história envolvente de um Portugal diferente daquele que eu conheci. Mas este histórico e político e mal explorado. Vão surgindo algumas referências à ditadura, à revolução e ao pós 25 de abril, mas não ocupam grande destaque na contextualização da obra.

Quanto ao resto, senti-me a oscilar entre a compreensão e a confusão. Há passagens interessantes, com um conteúdo que me permitiu acompanhar o crescimento das personagens, mas existiram outras partes pouco claras, confusas e que não pareciam encaixar de forma coerente e sequencial na história que estava a ser contada. Há momentos muito aborrecidos, onde a narração se resume à partilha de factos do quotidiano. Apesar de eu ter conseguido perceber qual a intenção do escritor, só me senti a navegar por palavras e factos desprovidos de emoção e de profundidade. 

É difícil para mim identificar uma tipologia de leitores a quem este livro possa interessar. É complexo e está muito dependente da nossa subjetividade e experiência enquanto leitores. Por isso, na dúvida experimenta e arrisca a ler este livro.

Classificação

24
Fev21

Por detrás da tela | "Debaixo do céu" (2019) e "Uma pista para o amor" (2017)

Debaixo do céu

unnamed.jpg

No final de janeiro, na RTP 2, passou o documentário "Debaixo do céu". Neste documentário são partilhados relatos de judeus que conseguiram escapar ao campos de concentração e, na sua fuga, passaram por Portugal antes de rumarem a outros destinos.

Cada um dos sobreviventes partilha a sua história de vida antes, durante e após a fuga. Vão traçando um relato daquilo que era viver em países sobre o domínio nazi, da sua fuga e da sua passagem por Portugal. Apesar dos relatos serem mais focados nestes períodos, conseguimos perceber para onde estes refugiados foram depois de saírem de Portugal. Foram igualmente exploradas as memórias que tinham do país e de como foi passarem por aqui. 

O documentário é constituído pelas narrações de cada um, acompanhadas por imagens da época. 

São relatos que conjugam dor, sofrimento, resiliência e boas memórias do espaço português. É interessante a sua visualização porque nos permite conhecer outras realidades para além dos campos de concentração. Realidades estas que são menos exploradas no cinema e na literatura. É um documentário bem feito e que facilmente captou a minha atenção. 

Classificação

Uma pista para o amor

mw-860.jpg

Há alturas em que precisamos de um filme levezinho, de fácil visualização e que não exija muito da nossa capacidade cognitiva. "Uma pista para o amor" é uma boa opção para estas alturas. 

Em traços gerais o filme narra a vida de Emily James, uma patinadora no gelo considerada brilhante que, por motivos de força maior teve de deixar as pistas de gelo. Tornou-se treinadora de crianças, mas a chegada de um novo treinador acaba por despertar-lhe a vontade de competir. 

Pelos traços gerais é possível perceber que o filme é previsível, com romance e drama à mistura. Porém, traz uma história que consola e que permite que se desligue do stress e da agitação dos dias. 
Os atores não têm desempenhos brilhantes (algumas representações são até um pouco fraquinhas), mas a energia positiva que emana do final é capaz de ofuscar aquilo que funciona menos bem.

Classificação

22
Fev21

52 perguntas | 8 # amizades do coração

daisy-3392654_1920.jpg(Fonte)

Às minhas amizades do coração...

No meu coração vivem pessoas especiais. Umas que se ficaram no passado, outras que se arrastam no presente em direção ao futuro e outras que se constroem a partir de hoje. Já sofri muito por aquelas que tive de deixar no passado. Hoje em dia aceito-as com uma maior leveza. Continuo a gostar delas por aquilo que representaram para mim, pelo apoio e suporte que me deram nessa altura e pelas boas memórias que me ofereceram. Foram importantes nessa época. Serenei o meu coração perante a inevitabilidade de as ter perdido. Há coisas que acabam. O para sempre é algo fantasioso que nos foi oferecido pelos contos de fadas. 

O passar do tempo deixou que a qualidade das relações ganhasse mais significado. Hoje posso ter poucas pessoas que envergam o título de amizades do coração, mas o vínculo que existe é mais coeso. Preenchem espaço no meu interior emocional que me acalenta a alma. São parte integrante da minha tribo que me empurram para o meu trilho quando algo me desequilibra e me afasta da rota.

São pessoas que me fazem ver as coisas positivas do meu percurso. São pessoas que abraçam o coração com palavras. São pessoas que enxugam as lágrimas e me fazem rir, mesmo quando não estou para aí virada. São pessoas que respeitam a minha necessidade de silêncio e reclusão. São pessoas que aceitam o jeito introvertido e reflexivo. São pessoas que me deixam felizes com as suas conquistas. São pessoas que me dão a honra de fazer parte dos seus dias de festa e dos seus dias de tempestade.

São a família que eu escolhi. Uma família com vínculos mais sólidos que uma família de sangue. 

19
Fev21

Nas páginas do meu caderno # 12

O que é que a escrita significa para ti?

art-1868727_1920.jpg(imagem retirada do pixbay)

Escrever foi uma paixão tardia. O amor pela leitura surgiu muito antes da escrita, mas reconheço que foi este amor que me oferece esta paixão.

Não me considero uma escritora. Nunca fui além de uns micro contos escritos aqui para o blog. Nunca escrevi um livro, nunca publiquei nada. Mas escrever é, para mim, a minha forma de expressão preferida. As palavras são um veículo fenomenal. Aproximam-me do mundo e do outro. Através delas consigo dar corpo à confusão do meu mundo interior e do meu mundo emocional.
Aventurar-me para além deste meu espaço assusta-me e significa sair um pouco da minha zona de conforto. Não sei se serei capaz de enfrentar um desafio tão grande como o de escrever um livro.

Escrever tornou-se numa necessidade. Num alimento que me enriquece enquanto ser pessoal e enquanto ser profissional. Permite-me chegar a ti e oferecer-te visões, pensamentos, reflexões, emoções... A escrita também constrói pontes comunicacionais. Aproxima-me do mundo.

A escrita também significa liberdade. A escrita, para mim, é liberdade!!

E para ti, o que significa a escrita? Por que é que escreves?

17
Fev21

Por detrás da tela | "Clínica Privada" (2005 - 2013) e "Gru, o maldisposto 3" ( 2017)

Clínica privada

mw-1024.jpg

"Clínica Privada" é uma spin-off da série "Anatomia de Grey" e foi criada para dar continuidade à personagem de Addison Montgomery. 
O ano passado comecei a ver "Anatomia de Grey" e viciei (manifesto aqui o meu descontentamento com a FOX Life que decidiu não transmitir as temporadas 14 e 15, porque irão estar disponíveis numa plataforma de streaming paga e saltou logo para a temporada 16 ). Como tal tinha de acompanhar "Clínica privada" e conhecer de forma mais profunda a Addison. 

A série não é só sobre a Addison. Há todo um grupo de médicos residentes que contribuem para o desenvolvimento da trama e adensam os conflitos que vão sendo criados. E além das vidas pessoais surgem casos médicos que abordam temas que convidam à reflexão. 

Acompanhei as seis temporadas e gostei muito. 
É uma série leve, com momentos divertidos, com romance na dose certa e com temas sociais pertinentes.
Apesar e gostar muito da série, acho que acabou na hora certa e da forma certa. 

Se procuras uma série para desligar dos momentos pesados do dia a dia e do aborrecimento da rotina, "Clínica privada" é uma boa escolha. 

Classificação

Gru, o maldisposto 3

ronfe_1_510_300.jpg

Não sou uma entusiasta desta série de filmes. Acho engraçado o conceito por detrás da personagem do Gru e acho uma certa piada aos Minions. Porém, sinto alguma dificuldade em me conectar emocionalmente com os filmes. 

Eu gosto muito de ver filmes de animação. São ótimas fontes de inspiração para as intervenções com os miúdos e para refletir sobre questões que povoam o universo infantil. 
Aqui o foco são as maldades. 

Gru vai-se transformando ao longo dos diferentes filmes e é engraçado acompanhar a evolução desta personagem e o impacto que as relações que ele vai construindo tem no ajuste da sua personalidade. O meu interesse neste filme reside aqui: no poder da mudança e no poder curativo das relações. 

São filmes que animam os mais pequenos e que ensinam sempre qualquer coisa ao adulto que os decidi ver. 

Classificação

15
Fev21

52 perguntas | 7 # escreve sobre a felicidade

soap-bubbles-3540303_1920.jpg

(Imagem de Alexas_Fotos)

O desafio para hoje é escrever sobre a felicidade. Gosto de comparar a felicidade às bolas de sabão.
Uma bola de sabão voa livre pelo ar, ao mesmo tempo que reflete cores bonitas. Transmitem leveza, serenidade, plenitude e são finitas. Quando atingem um determinado ponto rebentam. 

Para mim a felicidade é um pouco como as bolas de sabão. Acho que é impossível olhar para a felicidade como um sentimento constante, imutável e permanente. Ao longo da vida colecionamos diferentes momentos de felicidade. Uns mais intensos outros menos. Uns mais duradouros outros menos. Uns que refletem mais cor, outros menos. São estes momentos de felicidade que nos transmitem leveza, sensações positivas e nos permitem ganhar forças para enfrentar dias mais cinzentos.

Que nunca nos faltem bolas de sabão!

12
Fev21

Opinião | "Vozes de Chernobyl" de Svetlana Alexievich

P_20201230_153402.jpg

Demorei a ler este livro. O confinamento e o teletrabalho deixou-me menos tempo para ler, mas a densidade emocional subjacente aos relatos que são eternizados nestas páginas exige tempo. Não se pode ler depressa, há a exigência de uma leitura mais lenta como se só assim pudéssemos respeitar as memórias dolorosos de todos aqueles que viveram Chernobyl. 

Svetlana criou o seu próprio estilo literário: dar voz às histórias de pessoas reais e eternizá-las nas páginas de um livro. E o resultado é muito positivo, porque eu me senti envolvida em cada uma dos relatos de todas aquelas pessoas. A organização das entrevistas, conferindo-lhe um fio condutor, revela um trabalho exímio e uma sensibilidade sem limite por parte da escritora. 
Raiva, tristeza, resignação, incompreensão, revolta, amor e angústia são apenas alguns dos sentimentos espelhados nestas narrativas. São vozes duras! Vozes que guardam memórias que só eles conseguem perceber. Por muito que se conte, por muito que eles partilhei as suas histórias com o mundo, é percetível que as dores são muito próprias. Este lado pessoal da dor talvez seja o resultado de só eles conhecerem muito bem as consequências que o acidente nuclear teve nas suas vidas. 

É doloroso perceber que o sofrimento de muitas pessoas é consequência de um conjunto de más decisões. É revoltante perceber que a política se sobrepôs à ciência e, com isso, o impacto do desastre nuclear foi ainda maior. O desconhecimento por parte das pessoas, a resistência de algumas delas em abandonar o seu lugar e a forma desequilibrada como tudo foi gerido são temas comuns a muitos dos monólogos. 

"Vozes de Chernobyl" é um livro para reler e respeitar a histórias que marcaram a História. O livro expõe muitas das consequências das explosão nuclear, contudo acho que há muitas que continuam no silêncio. O impacto psicológico que este desastre deixou deve ser inimaginável e penso que pouco foi feito a respeito disso. 

É impossível ler ser fazer alguns paralelismos com a os tempos atuais. Tal como a radioatividade, a Covid-19 é um inimigo invisível e duro de combater. É ler este livro e refletir sobre as consequências que estes acontecimentos têm no quotidiano das pessoas e do mundo.

Quanto à escritora, tenho a certeza que é para continuar a ler.

Classificação

10
Fev21

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “O Assassino do Crucifixo”, de Chris Carter

 Assassinos

Os policiais permitem-nos descobrir assassinos diversificados, uns mais surpreendentes que outros.
De forma geral e sem recorrer a spoilers, o que achaste do assassino que encontraste neste livro.
Foste surpreendida ou a tua veia de detetive encontrou o culpado?

Lembras-te de outros livros cujos assassinos sejam realmente surpreendentes?

****

Eu sou péssima a lembrar-me dos assassinos. Aliás sou capaz de me lembrar dos contornos da história e não me recordar do responsável. Por isso, esta lista que aqui vou apresentar pode ser um pouco enviesada. 

"Messias" de Boris Staling: Este foi dos primeiros policiais que li e um dos melhores livros dentro do género. Com descrições muito gráficas e uma linha narrativa muito interessante, fiquei agarrada ao livro do início ao fim.

"O homem de giz" de C. J. Tudor: Este livro foi uma leitura recente. A pessoa responsável pelos crimes, quando foi revelada, causou-me alguma surpresa. Não só por ser quem era, como pelas suas motivações.

"Perto de casa" de Cara Hunter: Aqui a surpresa ultrapassa a pessoa criminosa. Cenas de crime bem construídas e o final foi de me dar cabo dos nervos. Não estava à espera daquele desfecho e estou na expetativa do momento em que estas personagens voltarão a ganhar protagonismo.

"Até que sejas minha" de Samantha Hayes: A pessoa criminosa deste livro é tão óbvia que foi fácil esquecer-me dela ao longo da leitura. O que vai permanecendo enquanto se avança pelas páginas é a intensidade dos acontecimentos e a tensão que se vai acumulando.

livros1.jpg

08
Fev21

52 perguntas | 6 # o poder da música

fairy-tale-1180921_1920.png

(Imagem retirada daqui)

A música preenche um cenário. Inspira as palavras que escorrem dos meus dedos. Uma melodia forte, com um ritmo rápido empurra para uma batalha, uma cena de ação. Mas há acordes doces, que embrulham as palavras em emoções. A música é uma conexão entre o sujeito e o mundo para o qual é atirado. A música desperta estados emocionais, tem o poder de te animar. Com ela podes chorar de tristeza ou de alegria. 

A música ilustra os dias, marca memórias. É ouvires aqueles acordes iniciais e a tua memória viajar a um determinado local, com determinadas pessoas, com determinadas cores e sabores.

Da música partem sons, que te conduzem a palavras, memórias ou imagens. E, ao longo da vida, permite-nos construir uma banda sonora pessoal que ajuda a eternizar acontecimentos, pessoas e locais. 

O poder da música é inesgotável. Cabe a cada um de nós eternizá-la e dar-lhe o devido poder na nossa vida. 

 

05
Fev21

Opinião | "O assassino do crucifixo" de Chris Carter (Robert Hunter #1)

P_20210109_152205 (1).jpg

Os livros de Chris Carter são escritos de forma uma forma que eu apelido de inteligente. São narrativas extremamente bem construídas, com uma sequência de acontecimentos bem encadeados e que revelam um enredo complexo e extremamente viciante.
Sim, eu vicio nestes livros logo nos primeiros capítulos! Há ali uma escrita que é especial. Traz imagens muito vívidas e concretas dos acontecimentos e isto permite-me uma experiência de leitura muito gráfica.

Estes são denominadores comuns a todas as obras que li deste escritor. Eu não li esta série pela ordem de publicação. Comecei no quarto. São livros que podem ser lidos de forma independente, mas a leitura pela ordem de publicação permite-te um conhecimento mais gradual das personagens residentes. Pessoalmente, o facto de conhecer o Robert Hunter de obras posteriores fez-me olhar para o seu desempenho neste livro de uma forma mais reticente. 

"O assassino do crucifixo" traz-nos um assassino perfeito. Comete os seus crimes sem deixar uma única pista útil aos investigadores. Como te disse atrás, o escritor tem um talento especial para complexificar as situações. Neste livro, a complexidade revela-se nos pormenores inerentes à investigação, na construção dos crimes e na pessoa responsável por semear aquele terror. Foi engraçado que, ao contrário do que senti noutros livros da série, neste eu estava particularmente ansiosa por saber quem era a pessoa que andava por ali a espalhar o terror e qual as suas motivações. Nos outros livros da série, estava mais curiosa em saber qual o próximo passo do(a) criminoso(a) do que propriamente saber quem foi responsável pelos crimes. 

Quando a pessoa responsável pelos crimes foi revelada eu senti-me ligeiramente defraudada. O Robert Hunter que eu conheço de outros livros não teria sido tão ingénuo. O problema é que não te consigo explicar melhor porque não quero dar-te nenhum spoiler e estragar-te a leitura. 
Provavelmente, quem já leu deve conseguir perceber o que é que eu quero dizer. Acho que ele foi um atentado à inteligência deste homem. 

Apesar deste pequeno incidente, o livro merece ser lido. Tenho a certeza de que os fãs do género deliram com este livro e os menos fãs encontram aqui uma história que os possa tornar fãs. Porém, acho que o livro só poderá ser um pouquinho problemático para pessoas mais sensíveis. As descrições deste livro, por vezes, obrigam a pausar a leitura para recuperar a orientação.

Gostas de policiais? O que é que achas dos livros desta série e deste em particular?

Classificação

03
Fev21

Janeiro | Quem chegou?

Depois de um dezembro calmo, janeiro trouxe-me mais livros. 
Quais foram as obras que cá chegaram no primeiro mês de 2021? Continua a ler e ficará a conhecê-las. 

TROCA
Comecei o ano por fazer uma troca que me deixou muito feliz. Através do Instagram troquei o livro "Elementos secretos" pelo "A Educação de Eleanor" de Gail Honeyman. Estou muito curiosa por conhecer esta história.

42979574._SY475_.jpg

EMPRÉSTIMO
Foi a minha vez de receber mais um livro da Daniela, para o nosso empréstimo surpresa. Desta vez ela enviou-me o livro "O assassino do crucifixo" de Chris Carter. O livro já foi lido e já regressou à sua casa. Ainda esta semana publicarei a opinião. 

29537511._SY475_.jpg

COMPRA
Eu tenho um problema com os leilões de livros. Geralmente, quando licito um livro, acabo por consegui-lo. Foi assim com o livro "Tempo de partir" de Jodi Picoult. O livro estava com um preço de base simpático, é uma escritora que eu gosto muito e, como não me tinha oferecido nenhum livro no Natal, foi a prenda de mim para mim. 

25261648.jpg

PRESENTE
A Daniela também me enviou um livro de presente. Assim chegou cá a casa "A tua segunda vida começa quando perceber que não terás outra" de Raphaëlle Giordano.

34701129.jpg

Que livros chegaram a tua casa em janeiro?

Pág. 1/2