Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Opinião | "Curar as energias negativas" de Anne Jones

Untitled design (15).jpg

Este ano tem lido mais livros de não ficção. Têm sido a minha companhia nas viagens porque não exigem uma leitura muito regular. Não fico refém de uma história, de uma sequência de acontecimentos que precisam de ser memorizados para que a leitura continue a fazer sentido. Nos livros de não ficção, eu leio conteúdo que me fica na memória por aprendizagem e assimilação imediata do conteúdo.

Curar as energias negativas despertou a minha atenção. Eu não sei muito bem se acredite em energias negativas. Aquilo que sei é que quando estou rodeada de pessoas com más intenções, que manifestam inveja de forma direta ou dissimulada, que me deixam sinais de que ficam felizes com a minha desgraçada fico esgotada, com um tristeza inexplicável e são pessoas com as quais, na generalidade, tenho muita dificuldade em estabelecer um vínculo afetivo significativo. Foram estes aspetos que me motivaram a ler este livro. Estava à espera de algum mais profundo e que explorasse mais este tipo de relações interpessoais.

Neste livro, cruzei-me com informação engraçada mas com um lado perigoso que me preocupou. Muitas pessoas, quando passam por um período de fragilidade emocional e psicológica recorrem, muitas vezes a este tipo de livros. Infelizmente, optam por se debruçar nestes livros em vez de procurar ajuda de um profissional. Por vezes, senti que o livro queria apresentar uma solução para todos os problemas da vida que condicionam a saúde psicológica individual. Infelizmente, não existem curas milagrosas. O problema é real e a intervenção de um profissional pode ser fundamental.

Um aspeto curioso foi que, ao longo da leitura, foram alguns os momentos em que dei por mim a rir. Era o meu lado racional a balizar a experiência de leitura e o facto de achar que algumas daquelas coisas não faziam grande sentido no contexto de vida real. 

Não sei a quem poderá interessar estes livro. Acho que é uma temática demasiado específica. É um livro que poderá ser lido por alguém com sentido crítico e que tenha consciência que o livro não trará respostas para problemas de saúde psicológica que possam ter. É importante que seja lido com responsabilidade e com a plena consciência de que não são aquelas as respostas para curar aspetos da saúde mental.

Classificação

Opinião | "A grande solidão" de Kristin Hannah

Untitled design (14).jpg

Até ao momento, este foi o melhor livro que li em 2022. Já muito tinha lido sobre o encanto que as obras de Kristin Hannah têm nos leitores, mas eu continuava um pouco resistente a pegar nos livros da escritora.

Cruzei-me com este na biblioteca e decidi trazê-lo para ver como corria a leitura. Ainda bem que o fiz!! A grande solidão ficou-me entranhada na alma. Não sei se foi o sofrimento palpável pelo qual as personagens passaram; ou se o silêncio do Alasca e as suas particularidades de ambiente mais introvertido, reservado, único e muito próximo das características da minha personalidade que me aproximaram desta narrativa. Terminei a leitura em abril e ainda hoje não consigo definir com clareza o quão este livro mexeu com as minhas emoções e sentimentos. Só sei que ainda hoje me recordo da Leni e das suas lutas; o Matthew e a sua doçura; da coragem de Cora e da resiliência e união de uma comunidade capaz de fazer pela vida daqueles que acolhe.

Para mim, comunidade é uma palavra essencial nesta história. Poderia falar do stress pós traumático, da violência doméstica, de adolescentes com dificuldades em inserir-se num determinado ambiente... Todos eles temas importantes e retratados no livro de forma magistral. Contudo, foi o conceito de comunidade e a importância que ele ganhou na narrativa o que se destacou aos meus olhos. Uma comunidade que acolheu a família de Leni e a protegeu sempre que conseguiu. Infelizmente, as marcas profundas do sofrimento criam brechas de dúvida, incerteza e interferem nos níveis de confiança que possamos desenvolver. Leni e Cora sentiram esse fio de dúvida e tomaram opções pensaram ser a melhor forma de se protegerem.

O Alasca tornou-se magia perante os meus olhos. Kristin materializou em palavras as paisagens, as auroras boreais, o frio cortante e preenchido de neve, os longos dias de verão a preparar o próximo inverno enchendo a despensa de mantimentos. As descrições destes locais nas diferentes estações do ano são soberbas e oferecem um toque muito especial a este livro. É a solidão do Alasca que serve de metáfora à solidão interna das personagens. Foi soberba a forma como tudo se articulava, conferindo um toque muito especial a todos os acontecimentos que foram surgindo ao longo do livro. 

Quero ler mais livros desta escritora e sentir tudo o que me for possível sentir. Quero mais histórias que me arrebatem a alma e me deixem com vontade de saltar para aqueles cenários e abraçar o sofrimento de corações bons. 

Já leste outros livros da escritora? Indica-me outro onde posso viver todas estas sensações. 

Classificação

Opinião | "Palavras amargas" de Vi Keeland e Penelope Ward

Untitled design (6).jpg

Já eram muitas as saudades de partilhar os meus devaneios literários contigo. Prometi que iria voltar aos poucos, e é isso que estou a tentar fazer

Ler livros do género onde se encaixa o Palavras amargas é, para mim, o equivalente a ver uma boa comédia romântica. São livros com uma narrativa divertida, pautada por momentos de humor e com muito amor à mistura. Apesar da leveza das histórias e da tonalidade descontraída associada a estes livros, há também espaço para abordar assuntos mais sérios, como por exemplo, no caso deste livro, a doença e o luto associado ao fim das relações. São dimensões com impacto na dimensão psicológica das personagens e que acabam por dar alguma profundidade à história.

Este livro começa com um bilhete com uma mensagem romântica preso a um vestido de noiva, que está à venda numa loja em segunda mão. Charlotte cruza-se com ele e começa a divagar sobre as intenções e os sentimentos por detrás daquele bilhete. Para ela, aquele bilhete significa a existência de um tipo de amor que ela ambiciona para si própria. É claro que, nestes livros, o destino é generoso e acabou por levá-la ao autor de tal gesto, o Reed. 

A partir daqui vamos conhecer uma Charlotte bastante insistente e persuasiva e um Reed cauteloso. Estes comportamentos são bem explicados pela personalidade de cada um e também pelas vivências que cada um coleciona na sua história de vida. Charlotte é mais descontraída em relação ao seu passado; já Reed experimentou um conjunto de acontecimentos que o deixaram mais cauteloso e influenciaram a forma como ele escolheu viver. 

É na tentativa destes dois se equilibrarem que o leitor descobre a mensagem que Charlotte e Reed acabam por oferecer: é importante aproveitar cada um dos momentos da nossa vida, independentemente deles serem ou não para sempre. Alimentar o encanto pelas coisas que a vida oferece, independentemente do tempo de duração das mesmas é algo que acrescenta valor ao ser humano, o deixa mais capaz para enfrentar situações menos positivas e o torna mais resiliente. 

Aqui está um bom livro para ler de forma rápida, onde os momentos de diversão estão garantidos e que permite que a nossa cabeça desligue da realidade mais stressante e cognitivamente mais exigente. 

Partilha comigo as tuas impressões acerca deste livro! Também costumas ler livros com uma tonalidade mais divertida? Deixa-me sugestões.

Classificação

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

21843884_S3Ee6.jpeg

Já se passaram muitas semanas desde que chegou cá a casa mais um livro da Daniela. O meu tempo tem andado muito, muito contado e por isso tem sido muito complicado vir ao blog e produzir conteúdo. Mas este é daqueles projetos que quero muito continuar por isso, mesmo tarde, venho trazer o último livro recebido.

 Traz-me de volta de B. A. Paris foi o último livro enviado pela Daniela. Já está lido e quero muito deixar uma opinião em breve.

Untitled design (12).jpg

Passem pelo blog da Daniela e fiquem a conhecer os motivos que estiveram na origem do envio deste livro.

Mais sobre mim

foto do autor

Translate

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Reading Challenge

2022 Reading Challenge

2022 Reading Challenge
Silvana (Por detrás das Palavras) has read 1 book toward her goal of 30 books.
hide

Palavra do momento

Por detrás das Palavras

O Clube Mefisto

goodreads.com

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub