Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Opinião | "Orgulho e Preconceito" de Jane Austen

25.09.14

 

Orgulho e Preconceito


Autor: Jane Austen
Ano: 2011
Editora: (sic) idea y creación editorial
Número de páginas: 254 páginas
Classificação: 4 Estrelas

 
Sinopse
Elizabeth Bennet, uma das cinco filhas de uma família da classe média rural, conhece Fitzwilliam Darcy, membro da alta sociedade mas de um orgulho desmesurado. As tensões aparecem rapidamente, alternando sensivelmente o idílico e pacífico mundo rural inglês, que se revela como uma sociedade rígida, em que abundam os preconceitos e na qual nem tudo é aquilo que parece. Neste romance de formação, os protagonistas devem madurar e aprender dos seus erros para poderem encarar o futuro, separando o orgulho da classe de Darcy e os preconceitos de Elizabeth.
 
Opinião
Para iniciar a minha opinião ao livro Orgulho e Preconceito vou usar as palavras da autora Carina Rosa quando falamos sobre este livro que foram: gostei mas não me arrebatou. Pessoalmente, estava à espera de gostar mais e talvez tenham sido essas expectativas demasiado elevadas que influenciaram os meus sentimentos em relação ao livro.
 
Apesar de não ter ficado arrebatada, é, até ao momento, o meu clássico internacional preferido. Jane Austen não se perde em divagações nem em descrições desnecessárias. Neste sentido, consegue imprimir um bom ritmo no desenvolvimento da narrativa e oferece-nos personagens emocionalmente e psicologicamente muito ricas. Penso que uma análise deste livro em sala de aula e com um bom professor de português seria interessante e iria permitir olhar par o livro como se de uma nova dimensão se tratasse.
 
Logo desde o início eu gostei do Mr. Darcy. Talvez a visão romântica que eu construí dele quando vi o filme  e das coisas que fui lendo sobre ele tenham feito com que o seu lado preconceituoso revelado no início do livro me passasse ao lado. Agora, depois de ter o livro como um todo, tenho uma melhor noção de alguns dos seus comportamentos e reconheço o lado preconceituso dele nas primeiras páginas. Na minha opinião, penso que a autora se serviu dele como uma crítica à sociedade de então e ao mesmo tempo como um elogio, uma vez que, mostra que é possível uma pessoa mudar de opinião e consertar alguns dos seus erros.
 
Arrisco-me a dizer que muitas das personagens de Jane Austen são personagens tipo, ou seja, têm como principal função retratar algo da sociedade e que Jane pretende criticar. Vejamos o caso do Mr. Collins aqui em representação da classe religiosa. Eu sei que o Mr. Collins irritou a Marta, mas eu achei-o engraçado e uma verdadeira imagem crítica desta classe social, O que é que se espera de um homem ligado à religião? Humildade, bondade, respeito, caridade... Pois, mas o Mr. Collins não reúne estes requisitos. É manhoso e mesquinho ao ponto de usar a palavras de acordo com aquilo que lhe convém, por exemplo reforçar o quanto a Elizabete se deve sentir agradecida para com ele e a sua esposa pela estadia na sua casa. É interesseiro ao ponto de dar uma importância extrema às suas amizades com pessoas de classe superior à dele, como é o caso da sua amizade com Lady Catherine. No fundo, Mr. Collins é uma personagem interessante e uma boa crítica à classe social a que pertence.
 
Por fim, quero apenas falar de Elizabete. Penso que esta personagem seja um pouco a projecção do espírito de Jane Austen (tendo por base o pouco que sei da autora). Elizabete é um espírito livro, com pensamentos muito próprios e opiniões muito fortes. Tudo isto é apimentado por uma ponta de orgulho. Penso que todas estas características a levaram a atitudes menos cordiais com Mr. Darcy, mas também são estas picardias que dão algum colorido à história e tornam ainda mais interessantes as mudanças de opinião de Elizabete para com Mr. Darcy e vice-versa, assim como as mudanças comportamentais de cada um deles.
 
Fiquei com vontade de conhecer mais obras da autora.
Para quem vai acompanhando o blog, sabe que este livro foi uma leitura conjunta, por isso quero deixar aqui o meu agradecimento a todos aqueles que foram acompanhado os desafios, assim como deixou um agradecimento especial à Marta pela complementaridade que ela trouxe à análise deste livro. Ela conseguiu dar-me novas perspectivas quer das personagens quer das situações. 
Venham as próximas, Marta!!!

10 comentários

Comentar post