Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Por detrás das palavras

Para onde vamos quando morremos?

A rua está cheia de gente! Avanço ao longo do passeio e demoro o meu olhar nos pormenores que os outros exibem… Um penteado diferente, uma roupa extravagante, uma criança de mão dada com a mãe que se mostra insaciável na resposta à sua contínua pergunta: Mãe para onde vamos quando morremos? Olho para o rosto impaciente e nervoso da mãe que lhe responde: Já te disse filho, vamos para o céu!. Esta resposta não foi capaz de saciar a alma inquieta da criança que, muito prontamente, diz: Como é que isso pode acontecer se eu vejo as pessoas a serem enterradas?! Porque é que me dão sempre repostas diferentes quando faço esta pergunta? E mãe, nós não temos asas para voar para o céu!  
Esta mãe ficou sem resposta e passou a ignorar a insistência da criança. Aumentou a velocidade do seu passo e, rapidamente se dissolveu na multidão. Pergunta sábia! E se fosse eu, que resposta daria à criança?  
Esta criança conduziu-me a uma reflexão mais profunda. Será que eu sei o que realmente acontece ao ser humano quando a caixinha da vida chamada coração decide parar? De facto, não possuo reposta específica, mas sim o aglomerado de diferentes visões que o meu cérebro foi assimilando ao longo da minha existência!
A via racional que caracteriza o meu pensamento emite uma resposta simples, baseada em conceitos biológicos. Por algum motivo, o coração deixa de bater, o sangue deixa de alcançar as diferentes partes do corpo e acabamos por morrer. Em seguida, o nosso corpo pode ser enterrado ou cremado, seguindo os rituais religiosos, ou não.
Por outro lado, a via menos racional, influenciada pela religião e pelo misticismo leva-me por caminhos mais complexos. Se por um lado o corpo é matéria que irá desaparecer, a alma ou espírito associado a este corpo ficará livre. Libertar-se-á do corpo e alcançará um lugar bonito, calmo, feliz… Este lugar, segundo diferentes lendas, é aquele que ocupávamos antes de sermos associados ao nosso corpo e libertados na terra para cumprir a nossa missão. É um lugar tão bonito que é necessário apagar as memórias que possuímos dele para vivermos na máxima plenitude e não queremos voltar para lá.
Esta última perspectiva permite arranjar o baú dos nossos sentimentos em relação àqueles que partem. Permite criar um escudo protector na nossa memória, formatando o nosso pensamento, levando-nos a acreditar que alguém que nos é querido partiu para um lugar melhor. Acima de tudo contribui para mitigar a nossa dor tornando-a mais suportável.
Depois de todas estas conclusões o que é que eu responderia à criança? Simples: a verdade!
Na realidade, não temos a certeza daquilo que nos acontece quando deixa-mos de estar presentes neste imenso palco da vida. Sabemos que a parte física da nossa essência é depositada uns quantos palmos abaixo da terra ou transformada em cinzas que podemos devolver ao mundo da forma que quisermos. Contudo, a parte invisível da nossa essência, o espírito, pode ir para um lugar que faça sentido para nós e, por esta razão é que existem tantas explicações possíveis acerca do lugar que a nossa alma decide habitar depois de morrermos. Eu, pessoalmente, gosto de acreditar que a alma dos seres humanos, em particular das pessoas que nos são queridas, se transforma numa bonita e gigante estrela que iluminará o céu todas as noites. Uma estrela que estará lá para nós, para nos guiar e conduzir por trilhos pintados de felicidade e iluminados pelo brilho ofuscante do amor e da amizade!

Será que a criança ficaria satisfeita com esta resposta? E você que resposta lhe daria?

Se gostaram desta pequena reflexão votem aqui http://www.conteconnosco.com/trabalho-detalhe2.php?id=1422, por favor!

Mais sobre mim

foto do autor

Translate

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Reading Challenge

2023 Reading Challenge

2023 Reading Challenge
Silvana (Por detrás das Palavras) has read 0 books toward her goal of 30 books.
hide

Palavra do momento

Por detrás das Palavras

O Clube Mefisto

goodreads.com

Mais visitados

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub