Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

04
Mar19

Por detrás da tela | "The Light Between Oceans" (2016)


Classificação: 9/10 Estrelas

Queria ter lido primeiro o livro e só depois ver a sua adaptação. Porém, depois daquele entusiasmo inicial que me levou a comprar o livro, a minha vontade de o ler diminui. Consequentemente, fui adiando a visualização do filme. 

No final do filme o pensamento que martelou no meu cérebro foi Porque que é que ainda não leste este livro. Eu adorei o filme. Tenho a certeza que será daqueles filmes que me ficará gravado na memória. A carga dramática que acompanha as personagens principais é tão intensa que me deixou colada ao ecrã do início ao fim do filme. 

A história central deste filme é dedicada a um faroleiro e à sua esposa que vivem isolados numa ilha perdida no oceano. O lugar da ação onde decorre maior parte do filme ofereceu cenários fabulosos e até sensoriais (as ondas do mar, o vento que agitava a vegetação) que fez com que me sentisse ali. A sensação de isolamento social e emocional são aspetos igualmente bem presentes e caracterizados nas cenas do filme. Para complementar todas estas sensações, as cenas são acompanhadas por uma banda sonora com a qualidade inquestionável a que Alexander Desplat já me habituou.

As interpretações são muito genuínas. Alice Vikander não desiludiu. Cada vez mais admiro o seu trabalho. Neste filme em particular o seu desempenho como Isabel foi soberbo. O seu desespero, a sua infelicidade, a forma como lutou com os seus dilemas morais e a forma como lidou com o seu sofrimentos surgiram de interpretações muito realistas e emotivas. Eu senti o desespero dela em cada momento em que se via obrigada a lidar com os seus problemas e a forma angustiada como por vezes tinha de tomar decisões difíceis. 

Para equilibrar este desespero mais visceral e muito presente nas expressões faciais  corporais de Isabel e alguma histeria emocional temos o Michael Fassbender no papel de Tom, o faroleiro e marido de Isabel. É um homem calado, com muitos pensamentos interiores e com dores invisíveis deixadas pela guerra. É um homem que ama imenso a sua esposa, mas não se deixa vergas pela sua consciência moral, aspeto que coloca acima de tudo. A forma como ele lidou com o sentimento de culpa e com a ansiedade revelam o quanto a moralidade e opção por comportamentos corretos modelam a vida e as ações deste homem. Aqui a interpretação fez toda a diferença. Numa personagem mais introvertida, menos expansiva nas relações com os outros precisa de um ator capaz de passar emoções e sentimentos através das suas ações e das expressões que vão preenchendo as diferentes cenas.

E assim a minha vontade de ler o livro renasceu. Só espero que o facto de conhecer a história através do filme não estrague o prazer e a minha entrega à leitura do livro.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.