Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Opinião | "Cerimónia mortal" de J. D. Robb (Série Mortal #5)

11.04.22

Untitled design (9).jpg

Desde 2015 que não pegava num livro da Série Mortal escrita por J. D. Robb. Quando descobri esta série, delirei com as histórias. A sua essência futurista, a sua veia policial e uma relação amorosa transcendente foram elementos certeiros e com uma enorme capacidade de captar o meu interesse enquanto leitora. 

Atendendo à minha experiência anterior, parti para a leitura com a expetativa de rever personagens queridas e uma história alucinante. A realidade é que a leitura não foi capaz de responder de forma eficaz às boas expetativas que tinha. É certo, eu cresci enquanto leitora! A minha disponibilidade mental não tem andado nos melhores dias. E, claro, acho que os meus interesses literários já não vão ao encontro dos elementos que caracterizam esta série e estes livros. 

Nesta leitura, a realidade futurista oprimiu-me. A poluição atmosférica, que aparece muitas vezes retratada nas cenas exteriores, deixou-me nauseada e incomodada. Uma sensação estranha que incomodou a minha leitura. Eve e Roarke não me encantaram da mesma forma que em leituras anteriores. O crime envolto em cultos e crenças não me entusiasmou, nem me espicaçou o interesse. Talvez por ser uma aspeto pelo qual não sinto interesse ou vontade de saber mais. 

Não estou a colocar em causa a qualidade do livro. Não detetei incongruências na narrativa; não houve cenas incompletas ou mal explicadas; no fundo, não encontrei nada que pudesse colocar em causa a qualidade da narrativa e da sua construção.
Foi a minha experiência pessoal com o livro, e a esta minha opinião resulta de uma incompatibilidade com aquilo que o livro me ofereceu.

Agora fica a dúvida se devo ler mais livros da série ou encerrar por aqui a minha experiência com estes livros. É certo que eles marcaram uma fase da minha vida e que me ofereceram boas leituras e bons momentos. Será que os devo deixar nessa fase? Será que voltarei a desiludir-me? Muitas questões para as quais ainda não tenho resposta!

Que livros vos entusiasmaram numa determinada fase da vida e que hoje já não vos oferecem bons momentos de leitura?

Classificação

Opinião | "A Maldição do Marquês" de Tiago Rebelo

22.02.22

Untitled design (1).jpg

A História de Portugal é rica em acontecimentos capazes de alimentar boas narrativas. As mãos de um(a) bom(a) escritor(a) conseguem pegar nos eventos e trazerem histórias memoráveis aos leitores.

A Maldição do Marquês é um livro que retrata o Portugal desde o terramoto de 1 de novembro de 1755 até ao final do reinado de D. José I. É um livro extenso que se debruça sobre as consequências do terramoto, o papel do Marquês de Pombal neste período histórico e a execução dos Távoras. 
Estes pontos despertam o meu interesse, contudo achei que foram demasiado acontecimentos para um livro só. Cada um deles tem informação suficiente para protagonizarem um único livro. Senti que o escritor, ao querer abordar tudo, não foi suficientemente profundo na sua análise. Mais, a diversidade de acontecimentos conduziu a uma diversidade de personagens. Foram muitas pessoas, muitos acontecimentos cruzados e isto dificultou-me a leitura. 

Apesar desta minha incompatibilidade com o livro, algumas das abordagens foram muito importantes e permitiram-me algumas reflexões.
Começo pelo Marquês de Pombal e pela versão romanceada que me venderam nas aulas de História. Nas aulas, ele foi sempre apresentado como o responsável pela reconstrução da capital e por mudanças legislativas que ajudaram ao progresso nacional. Contudo, a este homem também se deve um massacre que mancha a História nacional. O Marquês foi um homem que protegeu a sua posição junto do Rei, que soube arquitetar os maiores planos para controlar o comportamento do Rei e fazer valer as suas ideias. Nas minhas aulas de história nunca se falou nos Távoras. Só tomei conhecimento deste acontecimento através dos romances históricos, porém ainda não consegui perceber todos os contornos associados a esta situação; algo que irei colmatar com o livro que me ofereci no Natal.

Outra reflexão que o livro me suscitou está relacionada com o cognome de D. José I. Este rei recebeu o cognome de o Reformador. Por esta leitura, percebi que muitas das reformas foram da responsabilidade do Marquês, onde o Rei se limitou a aceitar as mudanças que o seu ministro decidiu aplicar ao reino.

Reconstruir uma cidade depois de uma tragédia enorme foi uma enorme desafio que o Marquês soube assumir e dirigir. Contudo, ele não o fez sozinho e senti que houve pouca referência a este aspeto. Continua-se a centrar na figura do ministro os louros pela reconstrução. Sim, ele foi importante; aliás, foi essencial para estruturar a população e orientá-la no sentido da reconstrução. A que custo é que isto foi alcançado? O povo deve ter trabalhado imenso. Sim, eles seguiram ordens e orientações; mas é a eles que deve o trabalho duro da reconstrução, limpeza e no restabelecimento da ordem e da saúde pública.

É inevitável a comparação com outros(as) escritores(as) nacionais que escrevem ficção histórica. E nessa comparação este livro fica a perder. Perde pela incapacidade abandonar a dispersão, perde pela escrita menos apelativa e pelo enorme conjunto de personagens que não me ajudaram a acompanhar a história.
Por outro lado, este é um excelente livro para conhecer um conjunto de acontecimentos importantes na História nacional, e isso foi importante para mim  enquanto leitora.

Classificação

 

 

Opinião | "Cuba libre" de Tânia Ganho

09.01.22

Untitled design (24).jpg

Não é da atualidade o meu desejo de ler uma obra da Tânia Ganho. Em 2020, a autora ganhou um bom destaque com o seu livro "Apneia", mas o meu interesse é muito anterior a isso. Ele surgiu depois de uma pessoa ter lido "A mulher casa" e me ter falado maravilhas do livro. 

O preço deste livro é muito bom, só por isso merece ser lido. Contudo, a qualidade deste livro é inegável. Fiquei maravilhada com a escrita da Tânia Ganho. É uma escrita que parece ser um pouco elaborada; mas quando mergulhamos a fundo na história que ela nos apresenta, é como se estivéssemos perante um rio de água cristalina onde conseguimos ver o fundo.

Quanto à narrativa em si, a minha experiência caracteriza-se tendo em conta diferentes fases de leitura. Não me consegui apaixonar pelas personagens nem pelos acontecimentos que elas relatam. Por vezes, senti que a relação que eu tentava estabelecer com elas se quebrava com os avanços e recuos temporais da narrativa. 

A ação centra-se em Clara. Acompanhamos a sua vida desde a adolescência até à idade adulta. Não é uma personagem fácil de se gostar. Ela é extremamente volátil, cínica e pouco assertiva nas suas ideias. É uma mulher emocionalmente confusa e essa confusão passou para mim e exasperou-me. Acho que só no final consigo atingir um grau de compreensão para a forma como ela dirigiu a sua vida. Contudo, sobra a frustração de perceber que ela não lutou assim tanto pela sua individualidade. Parece que andou a flutuar no tempo, passando pelas pessoas sem deixar que grande parte delas acedesse àquilo que ela realmente era.

Não é uma personagem irreal ou mal construída, muito pelo contrário. Acho que existem pessoas assim e cujas vidas mergulham numa complexidade estranha aos olhos dos outros. É verdade que me irritei com esta Clara algumas vezes, mas até aqui se vê a qualidade com que a escritora conduziu a sua obra.

Não é uma história memorável ou capaz de permanecer no meu coração. Foi um boa estreia com a escritora e quero conhecer mais obras.

Classificação

Opinião | "O falcão" Sveva Casati Modignani

28.12.21

Untitled design (17).jpg

Os livros da Sveva Casati Modignani marcara a minha transição entre as leituras infato-juvenis e as leituras mais adultas. Na altura, devorei todos os livros que a biblioteca municipal tinha e conheci histórias que me marcaram e fizeram refletir. "Lição de tango" é, até hoje, o meu livro preferido da escritora. Não sei se o encanto se manteria caso decidisse reler o livro. O meu "eu" leitora cresceu, está diferente e tenho necessidades literárias diferentes. Por isso, evoco só a memória sem perspetiva de uma releitura (não vá a magia quebrar-se).

Apesar de tudo, os livros desta escritora funcionam como leituras de conforto. Sabe-me bem perder-me nas suas histórias, nos seus dramas familiares e nas narrativas alimentadas de emotividade e clichés diversos. 

"O falcão" representa um desvio na rota de escrita desta autora. Geralmente, é uma mulher que assume o protagonismo das suas histórias. Aqui, é o Rocco Di Falco que protagoniza grande parte da ação. Há também um mulher com um papel importante, Giulietta Brenna. Contudo, os acontecimentos importantes têm como ponto de partida Rocco.

Rocco e Giulietta partilharam um amor muito intenso na juventude. Um acontecimento doloroso marca um afastamento e a vida, e a vontade de Rocco, proporcionam um reencontro. Neste reencontro são evocadas memórias e Rocco apresenta a sua vida como se estivesse a limpar os nós e a confusão de fios de um novelo de lã. 

Há dores para curar. Há segredos para desvendar. Verdades para assumir. Dores emocionais que abrem feridas que afinal não estavam muito cicatrizadas. As revelações ativam muitas emoções e sentimentos e agiram a existem deste dois adultos em busca de respostas para o que lhe ficou por explicar.

Ao mesmo tempo que se dedicam a uma amor mais maduro, Rocco e Giulietta alinham as peças conjuntas da sua vida que foram desalinhadas pelos acontecimentos com os quais se confrontaram. 

Não foi uma leitura intensa nem memorável. Mas foi um livro que me permitiu descontrair, conhecer o lado tumultuoso e sereno do amor e desfrutar de uma leitura menos exigente.

Classificação

Nota: O livro foi-me disponibilizado pela editora em troca de uma opinião honesta.

Opinião | "A irmandade do Santo Sudário" de Julia Navarro

08.11.21

Untitled design (6).jpg

A minha primeira experiência literária com as obras de Julia Navarro não foi muito feliz. Senti mais dificuldade a ler este livro que aquela que pensava. Esperava uma leitura entusiasmante, fluída e capaz de me roubar toda a atenção. Não foi assim que as coisas aconteceram.

O livro é narrado em duas épocas distintas: uma mais atual e outra que nos remete para os acontecimentos históricos que envolvem o Santo Sudário (tecido que ficou com a imagem de Jesus Cristo). Espera-se que a História ensine algo ao presente e ajude na resolução de um crime.

A leitura arrastou-se ao longo de muito, muito tempo. O meu interesse na história e na resolução da mesma foi-se perdendo. Houve uma altura da leitura, nomeadamente quando os capítulos remetiam para os acontecimentos do passado, em que me senti bastante envolvida e curiosa com o que estava a acontecer. Contudo, à medida que se foi avançando no tempo os acontecimentos tornaram-se um pouco confusos e perderam um pouco o interesse. 

Creio que esta sensação de confusão esteve mais relacionado com a atenção que dediquei com livro do que com a existência de reais problemas estruturais. Não consegui identificar problemas na construção da narrativa ou das personagens. Acredito que o meu grande problema com este livro foi a desconexão que se estabeleceu entre nós, conduzindo a uma leitura mais espaçada no tempo, o que culminou com uma pobre experiência de leitura.

Analisando os motivos que marcaram o meu desencanto com este livro, acho que o grande responsável é o tema central de toda a história. Há uma forte componente religiosa no livro. É esta componente que marca o desenvolvimento dos acontecimentos e que condiciona o comportamento das personagens. Se há uns anos este tema me apaixonava muito, atualmente sinto que não espicaça a minha curiosidade e o meu interesse. Não tenho uma explicação lógica e racional para tal aspeto. É daquelas coisas irracionais que não se explicam.

Apesar desta minha experiência menos entusiasmante com o livro desta escritora, quero dar-lhe uma nova oportunidade. Por isso, aceitam-se sugestões.

Tens algum livro preferido da Julia Navarro? Que livro me aconselhas a ler?

Classificação

Opinião | "Susana em lágrimas" de Alona Kimhi

06.10.21

Untitled design (2).jpg

Quando recebi este livro através de uma troca, a Susana (@aspalavrasdasusana) propôs fazermos uma leitura conjunta. Já há muito tempo que não fazia uma e aceitei o desafio. 
O meu entendimento com a Susana foi imediato e tornou-se o grande motor desta leitura. 

"Susana em lágrimas" é um livro perfeito no meio das suas imperfeições. A sua perfeição reside na profundidade emocional e na complexidade das relações que acompanham a dinâmica da narrativa. As imperfeições do livro residem nos aspetos formais relacionados com a escrita. Parágrafos muito extensos. Uma escrita muito confusa, que nem eu nem a Susana conseguirmos perceber se era problema da tradução ou da escritora. Uma ação que parecia não se desenvolver, porque os acontecimentos andavam em círculos. Estes elementos, por vezes, dificultaram a leitura e exigiram uma maior atenção da minha parte. Aqui a leitura conjunta foi essencial. A Susana ajudou-me nas reflexões, ajudou-me a compreender melhor algumas passagens e foi uma companheira de leitura muito motivadora. 

O livro traz-nos um conjunto de personagens pouco convencionais, com um desenvolvimento emocional muito forte e que protagonizam situações e relações algo inesperadas. A ação não se centra em clichés. Em alguns momentos, considero que o livro foi inovador nos assuntos abordados e na forma como foram apresentados. 

Susana (a personagem) é uma jovem adulta que gerou muita discussão. Ela permitiu a construção de diferentes teorias sobre a sua personalidade e o seu comportamento. A sua saúde mental está muito fragilizada e isso provocou-me algum desconforto. É uma mulher muito sensível, profunda e que oferece um realidade mais comum do que aquilo que a população pensa. É uma realidade muitas vezes camuflada, mas não é irreal vermos jovens absorvidos pelos adultos à sua volta. A Susana é sugada por todos os adultos que faziam parte da sua rede de apoio. É na relação com Ada, sua mãe, que consegui respostas para aquilo que é a essência da Susana. É uma relação complexa, tóxica e com muita dependência emocional.

Naor, o primo americano que vem passar uma temporada com estas mulheres, é o elemento desencadeador do mundo interior da Susana. Foi ele que a desestabilizou para que depois ela se pudesse organizar e encontrar o seu equilíbrio. É uma personagem muito importante para o enredo.
Eu e a minha companheira de leitura desenvolvemos uma visão um pouco diferente relativamente a este homem. A Susana achou que os sentimentos dele pela Susana (personagem) eram verdadeiros. No meu caso, tenho um lado que acreditou neles e outro que não. Para mim, foi difícil perceber. Reconheço que ele foi sempre honesto com ela relativamente a aspetos mais conturbados da sua vida. Porém, algumas vezes senti que ele foi distante e pouco sensível perante as particularidades desta mulher.

As últimas 100 páginas do livro guardam o que de melhor tem esta história. Foi aqui que a autora abriu os cadeados que foi fechando em torno das personagens e das suas relações. Foram estas páginas que me possibilitaram um conhecimento mais profundo da história e do mundo interior da Susana. 

Não é um livro comercial. Não é uma leitura rápida e descomplexada. Exige que o leitor tenha maturidade e tempo para refletir sobre os acontecimentos. 

Quero agradecer à Susana a possibilidade de leitura conjunta. Senti uma boa conexão com ela, sendo que se tornou um elemento essencial na construção das análises desta narrativa. É uma das melhores coisas que irei guardar desta experiência de leitura. Obrigada, Susana!

Classificação

 

Opinião | "A breve história da menina eterna" de Rute Simões Ribeiro

13.08.21

Untitled design (8).jpg

No início do mês, a escritora Rute Simões Ribeiro ofereceu aos leitores o download gratuito dos seus livros. 
Eu desconhecia esta escritora e o seu trabalho. Só cheguei até ela através da Tita e da Daniela. Como confio nas recomendações delas decidi arriscar.

No início estranhei a escrita e o modo muito próprio para contar a história. A Rita tem uma escrita muito bonita, com uma tonalidade algo lírica que me encantou. A narrativa e a forma como é contada é um pouco diferente daquilo que eu costumo ler e foi isso que me dificultou um pouco a leitura.

"A breve história da menina eterna" conta-nos a história de M. e da sua relação com a finitude da vida. É um livro que tem um forte potencial interpretativo e, por essa razão, é um excelente candidato a leituras conjuntas com possibilidade de discussão em grupo. Há muito para ler e assimilar nas entrelinhas desta história aparentemente simples. São poucas páginas, mas estão carregadas de uma forte simbologia. 

A forma como vivemos a morte e como encaramos o fim de vida são fortemente influenciados pelos padrões culturais. A morte acaba por ser um não assuntos, na minha realidade as pessoas têm dificuldade em falar da morte e da preparação para mesma. Vive-se a ilusão da eternidade, ofuscando o fim inevitável da nossa vida. Também é positivo que assim seja, caso contrário poderíamos ser dominados por um medo intenso que nos impedia de vivermos as coisas. M. foi vítima dessa necessidade cultural de pouparmos as crianças a assuntos complexos. Foi-lhe oferecida da visão da eternidade, mas essa oferenda permitiu-lhe a liberdade de viver de forma descomprometida.
Contudo, não se prepara para a morte. Fala-se muito em oferecer condições para uma boa vida, ou para um bom fim de vida. São geralmente essas as expressões culturalmente aceites. Nunca ouvi  expressões como: oferecer condições para uma boa morte; ou preparar a pessoa e a família para a morte. 

A morte e o luto são assuntos dolorosos, complexos e que têm um impacto diferente nas pessoas. Não há formas melhores ou piores de reagir. Há, simplesmente, diferentes maneiras de lidar com a perda e com o sofrimento que a mesma provoca. A nossa personagem foi "poupada" no que à questão da morte diz respeito e foi vivendo confiante na sua dimensão eterna. Já sabemos a falácia que reside nesta ideia e o livro permite-nos descobrir os sentimentos, as reações e as emoções que surgem quando a inocência se quebra. 

Este livro ganhou o meu coração pela escrita e pela reflexão que me ofereceu. Não adorei, mas ficou a vontade de conhecer mais livros da escritora.
Esta opinião é um reflexo da minha interpretação do texto e da história que li. Se optares por ler esta obra, poderás ter uma visão diferente e está tudo bem.

 Se já leste, o que é que achaste? Que reflexões retiraste desta leitura?

 Se ainda não leste, ficaste com curiosidade? Porquê?

Classificação

Opinião | "Sem medo do destino" (D.C. Detectives #1) de Nora Roberts

23.07.21

P_20210704_112737.jpg

Nora Roberts é uma autora de conforto. Recorro aos livros dela para intercalar com leituras mais pesadas, quando quero leituras com finais felizes, quando quero ler histórias de amor com alguma intensidade. 

"Sem medo do destino" conjuga romance e um lado mais policial. Há um serial killer à solta e a polícia une esforços com a psiquiatra para tentarem encontrar o responsável. Tudo o resto da história envolve um certo grau de previsibilidade, contudo esta característica não interfere com o grau de entretenimento que o livro promove. 

Sim, é um livro que entretém e que permite que a nossa mente desligue. Não aborda temas profundos, não exige reflexões existenciais... Também não é um livro que estimule grandes discussões interiores. 
O modus operandi da pessoa responsável pelos crimes é interessante, mas acho que merecia mais exploração. Consegui perceber as motivações, a contextualização da responsabilidade; porém, se eu tivesse acesso a mais informação, a uma maior exploração da vida e da pessoal na qual se tornou teria favorecido a experiência de leitura.

Para além desta parte policial, há um romance intenso que vai crescendo. Foi interessante cruzarem duas personagens com ideias distintos e com visões dispares em relação à pessoa responsável pelos crimes. As divergências encaixaram-se e as coisas, tal como o esperado, alinharam-se de forma positiva. 

É uma boa leitura de praia, mas está longe de ser um dos meus preferidos da Nora Roberts.

Classificação

Opinião | "Chama-me pelo teu nome" de André Aciman

04.06.21

22061869_FBHat.jpeg

A maioria das pessoas não consegue evitar viver como se tivesse duas vidas, uma é a maquete, a outra, a versão finalizada, e depois uma série de versões pelo meio.

Esta é uma frase que surge na última parte do livro e que, para mim, é um espelho real de Elio e Oliver. Estas duas personagens tiveram o dom de me encher o coração de amor, de revolta e, em certos momentos, raiva. Foram tantos os sentimentos que nem sei muito bem por onde começar a expor a minha opinião e vivência com este livro.

Talvez comece por falar na importância de termos mais livros que abordem de forma tão genuína a homossexualidade. São livros importantes para que jovens homossexuais possam encontrar modelos com os quais se identifiquem; e para que outros jovens não homossexuais quebrem preconceitos e ideias erradas sobre aquilo que é a homossexualidade, ou seja, para que a olhem como sendo unicamente como uma expressão de uma amor. Foi isto que o Elio e o Oliver me ofereceram: uma visão do amor que os uniu. 
Atendendo a estas características, acho que é um excelente livro para levar para as aulas e desenvolver partilhas e discussões ricas e capazes de partir com os preconceitos.

A história apresenta-nos diferentes fases. Confesso que as que mais gostei foram a primeira e a última. Senti que as duas partes intermédias sexualizaram muito uma relação que ia além da expressão física do amor que uniu Elio  a Oliver. Aqui senti falta de outras descobertas, de ver a construção de laços que explicam a ligação bonita que emergiu nas últimas páginas do livro. 
Ao longo do livro desesperei muito com o Oliver. Talvez por ser mais velho, talvez por não ser tão impulsivo, assumiu uma postura mais contida e, por vezes, um pouco fria e altiva em relação a Elio. Isto deixava-me com raiva, zangada! Tínhamos ali um Elio sedento de afeto, ainda adolescente, a dar os sinais que conseguia e do outro lado vinha a indiferença. Sim, poderia ser um mecanismo de defesa de Oliver. Poderia ser uma forma mais contida de Oliver agir. E claro, o livro é narrado na perspetiva do Elio. Nunca saberei verdadeiramente o que pairava na mente e no coração de Oliver. Por pensar nisto, acho que seria bem interessante um livro escrito na perspetiva de Oliver. 

As últimas páginas são fenomenais. Toda a escrita de Aciman é delicada e cheia de possibilidades interpretativas, mas são as últimas páginas que mais me refletiram esse talento. São momentos mais introspetivos, mais reveladores daquilo que a essência de Elio e Oliver. A beleza vem acompanhada de algumas sensações dolorosas e isso remete-me para a citação que escolhi para iniciar esta minha opinião. Tudo que lemos no final deste livro é um convite aberto à reflexão, ao que escolhemos fazer da nossa vida, a onde podemos ir retirar felicidade, ao conforto das memórias doces de outra época. 

Foi um livro que me trouxe sentimentos complexos. Quer pelos conteúdos quer pela forma como me relacionei com a história. Não adorei o livro. Sinto que daqui a uns tempos pouco da história restará da minha memória. Porém, considero que foi uma leitura importante. Que me ofereceu uma realidade aparentemente diferente da minha, porque como eu já escrevi em cima, apenas se resumiu a uma outra forma de demonstrar e de sentir o amor. Vou guardar com carinho as vivências do Elio e os sentimentos que ele foi demonstrando ao longo de toda a narração. Sinto que é algo que vai permanecer em mim. 

Por fim, acho que o outro livro do autor Encontra-me poderá dar-me algumas respostas aos meus sentimentos mistos. Quer saber mais sobre o acontecimento que encerra este Chama-me pelo teu nome

Agora, segue-se a visualização do filme.

Caro leitor que já teve oportunidade de ler este livro, o que é que podem partilhar comigo? Que sentimentos ele provocou em vocês?

Classificação

Opinião | “A célula adormecida” (Afonso Catalão # 1) de Nuno Nepomuceno

30.04.21

P_20210406_091224.jpg

É-me um bocado difícil escrever a opinião a este livro. Gostei menos do que aquilo que estava à espera. O ter arrastado a minha leitura ao longo de muitos dias também não abonou a minha relação com a história e com o livro.

O livro é muito conhecido na comunidade. Focado no Estado Islâmico, no terrorismo, na crise dos refugiados e com foco na cultura muçulmana; “A célula adormecida” apresenta um conjunto de factos relacionados com estes temas que despertaram o meu interesse e me possibilitam aprender conteúdo.

É um livro muito factual. A história vive dos factos e daquilo que eles vão desencadeando. É claro que existem personagens, e entre eles estão desenhadas relações mais ou menos complexas que dominam o desenvolvimento da narrativa. Achei estas relações pouco dinâmicas e pouco realistas. Senti que algumas foram pautadas pela artificialidade dos diálogos, outras por comportamentos das personagens que me pareceram distantes da real personalidade que autor queria passar. Há certas passagens do Afonso e certas formas de estar que não são congruentes com a personalidade que está desenhada para ele. Senti uma certa infantilidade e imaturidade quer em algumas das suas atitudes quer em algumas das conversas que vai desenvolvendo. Isto foi condicionando a minha ligação ao Afonso e à Diana, assim como às suas problemáticas.

Sarita, Ahmad e Sami, a família síria a viver em Portugal, foram as personagens que mais me cativaram e que mais me impulsionavam a ler. Gostei imenso das dinâmicas deles e dos dramas que marcaram a passagem deles por este livro. Foram a parte que mais gostei neste livro.

Analisando a sequência dos acontecimentos, em alguns momentos senti que alguma informação estava em falta. Já no final do livro há uma situação a envolver a Diana, o Afonso e o Gustavo que não ficou muito clara para mim. Há uma certa atrapalhação temporal (o conteúdo dá a indicação de que passou mais tempo do que aquele que o comportamento das personagens num dos capítulos anteriores e no início desse deixa transparecer). Isto envolve um encontro que não nos foi mostrado que, na minha opinião seria relevante para uma melhor compreensão da relação entre a Diana, o Afonso e o Gustavo.

Quanto à escrita senti uma evolução positiva comparativamente ao anterior livro que li do escritor (“O espião português”). Só houve três aspetos mais chatos: 1) a quantidade de vezes a que o autor recorre a “corpo seco” para descrever o físico dos homens; 2) a constante utilização do nome completo das personagens (com o avançar da leitura torna-se aborrecido, porque o leitor sabe perfeitamente quem é quem); e, 3) há descrições físicas de personagens a mais, em algumas situações o escritor descreve fisicamente a personagem com um grau de detalhe que acho desnecessário.

Gostei do final e da carga dramática que o autor ofereceu àqueles momentos finais. A única coisa que senti mais forçada foi na relação de Diana e Afonso. A narrativa não evolui o suficiente para aquele desfecho. Senti que foi uma aproximação demasiado forçada. O final alternativo deixou-me com vontade de descobrir a próxima aventura do Afonso.

Classificação