Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Opinião | "Mistérios do Sul" de Danielle Steel

20.03.21

P_20201230_153812.jpg

Uns anos atrás lia muito Danielle Steel. Foi das primeiras escritoras deste género de livros que mais fui lendo. A biblioteca municipal tinha muitas obras da escritora e eu fui lendo tudo o que podia. Das muitas leituras que fiz, guardo com carinho "A mansão Thurston" e um dos meus preferidos da vida "Mensagem do Vietname". 

Hoje em dia, ainda leio com carinho as obras desta escritora mas sem o encanto dos olhos de uma leitora com pouca experiência e com pouco conhecimento das obras literárias. Gosto de ler, são livros que divertem e entretêm, mas falta-lhes a profundidade e uma escrita com maior capacidade de demonstração que passei a encontrar noutras obras.

"Mistérios do sul" representa uma tentativa da escritora introduzir uma componente de thriller nas suas obras. Na minha perspetiva não funcionou muito bem. Acabou por se perder um pouco no drama central que vai alimentando a narrativa. Esta é uma história de uma mulher que supera de um divórcio difícil. É o processo de cura emocional de Alexa que marca o ritmo e a abordagem do livro. O pequeno apontamento de thriller contextualiza um pouco a dinâmica da ação, mas não foi bem desenvolvido o que acabou por se diluir demasiado na ação do livro e deixou-me a pensar um pouco sobre a congruência daquilo.

Bem, foi uma escolha da escritora para que se pudesse desencadear a mudança na narrativa. Isto possibilitou que Alexa manda-se a filha para o Sul. A partir daqui tudo se desenrola em função de Alexa, do seu ex-marido e da história do passado que todas estas personagens partilham.

Há personagens um pouco estereotipadas, o que, aos meus olhos, retira um pouco da aproximação da história à realidade. No fundo, tudo parece demasiado fabricado para existirem os bons e os maus e esta divisão já pouco acrescenta ao universo literário.

"Mistérios do Sul" é daquelas leituras calmas que permitem umas boas horas de entretenimento. É um drama que se lê com a certeza de que receberás aquele final feliz que tanto aconchega e o coração e deixa no pensamento rastos de uma boa positividade. 

Nem sempre precisamos de ler obras complexas que convidem a reflexão. Por vezes, precisamos apenas um livro ligeiro que retire o peso de realidades mais densas e que nos sugam as energias boas.

Conheces Danielle Steel? Tens algum livro preferido da escritora?

Classificação

Opinião | "Palomino" de Danielle Steel

19.02.20

7474766.jpgClassificação: 3/5 Estrelas

Danielle Steel foi das primeiras escritoras de romances contemporâneas que comecei a ler. Trouxe um livro da biblioteca e os meus olhos de leitora inexperiente e ávida devoraram a história. Comecei então a explorar outros livros da escritora. Há bons livros! "A Mansão Thurston" e "Mensagem do Vietname" são dois dos meus livros preferidos de sempre e são ilustrativos da capacidade de Danielle Steel em criar boas histórias. Há outros livros mais medianos e sem a profundidade emocional suficiente para me encantar.

"Palomino" é um livro doce. Um livro com amor, traição e superação. Samantha e Taylor são os grandes protagonistas desta história. É um casal improvável que acabou por me conquistar q.b.. Não é uma grande história de amor, não é memorável nem intemporal... É uma história de amor com muita ternura, zangas um pouco estúpidas e infantis e que termina de uma forma que é esperada pelos leitores sempre que se cruzam com um livro deste género.

Não é um livro com muitas surpresas. É uma leitura muito fácil onde houve espaço para que eu pudesse descontrair e me divertir com a leitura. Foi uma ótima escolha de leitura, porque me permitiu desligar de uma série de leituras e emocionalmente mais pesadas e com um conteúdo que exigiu mais do meu funcionamento cerebral.

Com uma escrita muito sequencial e sem floreados, Danielle Steel conduziu-me às zonas mais rurais dos Estados Unidos e fez-me ver o contraste entre estas zonas e o rebuliço das grandes cidades. Mostrou-me que a vida é aquilo que decidimos fazer dela, mesmo quando ela teima em trocar-nos as voltas e nos vai retirando aspetos que nos fazem felizes.

Há uma boa mensagem de superação neste livro e eu gostei de me cruzar com ela. 

Opinião | "Uma paixão" de Danielle Steel

27.02.19
Uma Paixão

Classificação: 2 Estrelas

O primeiro livro que li da escritora Danielle Steel foi uma verdadeira aventura. Fiquei presa à história logo nas primeiras páginas e isso levou a ler imensos livros desta escritora. 
Esta vasta experiência permite-me um olhar mais crítico quando olha para o conjunto global das histórias que fui conhecendo. Desta forma posso afirmar que existem livros com histórias memoráveis e muito bem escritas e outros com histórias mais medianas que apenas cumprem a função de entreter. Uma paixão insere-se no último grupo de livros, com uma história simpática, ligeira mas que não me incendiou os sentidos nem colocou o meu cérebro a trabalhar. 

No geral é um livro com uma escrita pobre. Descrições um pouco aborrecidas onde se conta muito e mostra pouco e diálogos pouco explorados e com pouca expressividade.
As personagens são demasiado prevíeis, encaixando em personalidades muito banais e sem interesse. Faltou-lhes atitude, irreverência e carácter. Era personagens com comportamentos bons e personagens com comportamentos maus, faltou-lhe uma certa dose de humanismo para que elas se tornassem reais. Assim temos o Bill e a Adrian, os bons da história, aqueles para quem a vida foi ingrata e no oposto temos o mauzão do Steven sem coração e egoísta que faz com que a dinâmica da narrativa se altere. 

É uma leitura que facilmente se desvanecerá da minha memória. Foi agradável, ajudou a descontrair mas não me agarrou nem mexeu com as minhas emoções.

Opinião | "Laços Familiares" de Danielle Steel

16.06.18
Laços Familiares
Classificação: 3 Estrelas

Já me considero experiente no que respeita à leitura de livros da autora Danielle Steel. Já perdi a conta à quantidade de livros que li. Na memória dos favoritos guardo A Mansão Thurston e  Mensagem do Vietnam. Foram os livro que, até ao momento, mais gostei da autora e ainda nenhum outro me conseguiu conquistar como estes dois.

Laços Familiares foi apenas uma leitura agradável e que ficou longe de me arrebatar. Nestas páginas encontrei uma história simples que se debruçava sobre as vivências familiares, a amizade e o amor. Em alguns momentos senti que a autora estava a ser um pouco repetitiva nos conteúdos abordados e na forma como se referia aos comportamentos e pensamentos das personagens.

Relativamente às personagens senti-me um pouco desligada delas. Senti falta de algo que me fizesse senti-las como reais. Em certos momentos pareceram-me personagens muito fabricadas e com tonalidades de futilidade que me deixaram um pouco aborrecida.

Apesar de tudo, a escrita simples e a história pouco complexa consegui uma leitura descontraída e pouco exigente. Foi o livro ideal depois de um leitura pesada e que me desorganizou as emoções. 
Continuarei a ler livros da autora na busca de histórias intensas e personagens inesquecíveis.

[Opinião] Porto Seguro

02.07.14


Autor: Danielle Steel
Ano: 2013
Editora: Bertrand Editora
Número de páginas: 464 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse
Uma história inesquecível de sobrevivência... de como duas pessoas que perderam tudo reencontram a esperança ... e dos actos extraordinários de fé e de coragem que motivam e mantêm as famílias juntas…
Com graça e compreensão Danielle Steel explora os laços ténues entre mães e filhas, maridos e esposas, membros da família e amigos ao longo da vida. Este romance leva-nos através da paisagem complexa da perda e do bem que também sempre surge associado às mais terríveis tragédias.
Em síntese, uma história de triunfo e uma elegia comovente para aqueles que sofrem e sobrevivem, Porto Seguro é, talvez, seu romance mais poderoso de afirmação da vida.

Opinião
Para quem aqui vai passando, sabe que eu tenho um gosto especial pelos livros desta escritora. São livros que me proporcionam bons momentos de leitura e que facilmente me prende às personagens e às histórias.

Ophélie, Pip e Matt são as personagens nucleares deste livro e possuem histórias familiares marcadas pela tristeza e pela tragédia. Ophélie e Pip vivem uma tragédia mais recente que as leva a passar férias num local calmo. É nesse lugar que ambas conhecem Matt, um homem que, há alguns anos, vive para as suas pinturas e solidão. Juntos evoluem emocionalmente e aprendem a curar muitas das suas feridas.

Gostei dos dramas familiares de cada um dos personagens e, na minha opinião, foram muito bem abordados e bem caracterizados por Danielle Steel.
Pip será uma criança literária que vou guardar na minha memória com um carinho especial. Uma criança que cresceu à força, mas que mostra uma determinação e uma vontade de ajudar a mãe que é muito comovente.

A evolução de Ophélie ao longo do livro e o seu crescimento emocional está muito bem caracterizado. A autora captou a essência daquilo que uma pessoa em luto vive, por isso facilmente me senti ligada a esta personagem.
Matt surge como o homem perfeito. Emotivo, sensível, confiante... Surge como o grande motor da mudança de vida de Ophélie e Pip, ao mesmo tempo que vê a sua vida ganhar uma outra tonalidade.

Penso que, no final houve um drama em relação a uma outra personagem que foi exagerado pela autora. Danielle Steel poderia ter dado outro rumo à situação.

Porto Seguro é um livro leve que proporciona bons momentos de leitura. Não é o meu livro preferido da autora, mas conseguiu atingir as expectativas que tenho sempre que pego num livro da autora para ler.

[Opinião] Vidas Cruzadas

16.03.14
Autor: Danielle Steel 
Ano: 2011
Editora: Círculo de Leitores
Número de páginas: 376 páginas
Classificação: 3 Estrelas

Sinopse
Sarah é a esposa ideal, Melanie uma jovem estrela de rock e Maggie uma freira empenhada nas suas causas e projectos. Sem nada em comum, cruzam-se num evento social no dia em que um violento tremor de terra arrasa São Francisco. Também nas suas vidas a destruição é geral: Sarah descobre as traições do marido, Melanie escapa por uns dias às garras da mãe, descobrindo que gostaria de ser enfermeira, e Maggie, a mais forte das três, terá de se confrontar com os seus próprios sentimentos de mulher apaixonada. Um poderoso romance sobre a vida, a esperança e o recomeço.

Opinião
Vidas Cruzadas dá-nos a conhecer a vida de três mulheres muito diferentes, mas que vêem a sua vida dar uma reviravolta. Em pleno mês de Maio, e depois de um terrível terramoto, Sarah, Maggie e Melani deparam-se com diferentes interrogações e problemas que irão pôr-las à prova. 
Estas três mulheres acabam por se cruzar num período difícil e aproximam-se. Se para Maggie e Melanie o terramoto ofereceu-lhes coisas positivas e deu um alento novo e fresco às suas vidas, para Sarah as coisas tornaram a sua vida num verdadeiro buraco negro.

Este é o livro mais pobrezinho que leio de Danielle Steel. A história não se revela tão intensa como aquelas que já li anteriormente. As próprias personagens não são tão carismáticas como a de outros livros. De todas estas personagens destaco Maggie, essa sim, será uma personagens que vou guardar com bastante carinho na minha memória. Uma mulher com uma personalidade muito profunda e um coração enorme.

Não há nada de especial que eu possa escrever sobre este livro. Nem aspectos muito bons, nem aspectos muito maus. Posso apenas partilhar com vocês que é um livro mediano que nos proporciona bons momentos de leitura, mas que não mexe connosco. Não nos arrebata, mas também não irrita nem nos deixa em estado de frustração. Simplesmente vamos lendo a história sem nos sentirmos envolvidos pelo cenário e pelas personagens.

Para quem já leu muitas obras de Danielle Steel (como eu), nota que neste livro falta um certo toque de surpresa, de complexidade de acontecimentos e de emoções. Apesar desta leitura morna, para mim sabe-me sempre bem ler um livro de Danielle Steel.

Boas leituras e deixem-se invadir pelas palavras. 

Um longo caminho para casa - Opinião

13.11.12

 

Autor: Danielle Steel
Ano: 2007
Editora: Bertrand Editora
Número de páginas: 288
Classificação:6/6

Sinopse
Aos sete anos de idade, Gabriella Harrison se sente um estorvo na vida dos pais. Ela acredita, segundo lhe dizem, que é a culpada pelo rancor da mãe e pelo fracasso de seu pai ao tentar protegê-la. Seu mundo é uma mistura confusa de terror, traição e dor. Quando resolve se tornar freira, uma grande reviravolta está prestes a acontecer. Gabriella se envolve com um padre e se vê novamente numa situação de conflito e sofrimento. Após uma terrível tragédia que os envolve, a jovem vai para Nova York e, como única forma de se recuperar e se sentir definitivamente liberta dos traumas e problemas que a assombram, decide encarar o passado de frente.
Opinião
Este é mais um daqueles livros que tem o dom de tocar o coração do leitor! Mais uma vez, Danielle Steel soube escolher as palavras certas para contar uma história que é capaz de nos deixar sem palavras. São vários os sentimentos que emergem ao longo da leitura, facilmente nos envolvemos nas situações narradas ao ponto de nos sentirmos "dentro" do livro. Por diversas vezes senti vontade de abraçar Gabriella, de a proteger... Todos os momentos do livro que narram a infância de Gabriella são muito fortes, tocantes, e nos parecem demasiado reais.
 
Gabriella é daquelas personagens que ficam gravadas durante muito tempo na mente dos leitores. É uma personagem forte, que desde o início do livro é colocada à prova. Não conhece uma infância feliz ao lado dos pais. A felicidade só a conhece quando é deixada pela mãe no convento. Mas este lugar seguro traz-lhe também sabores e dissabores que atiram para o mundo real. Um mundo totalmente desconhecido para ela e que lhe vem ensinar, mais um vez, as coisas boas e más da vida.
 
É um livro extremamente tocante (sei que já me vou tornando suspeita para falar de Danielle Steel, porque, até agora, não houve um livro que me desiludisse), com uma narrativa muito bem construída e que agarra o leitor desde a primeira página.
 
É importante alertar que a parte inicial do livro é marcada por episódios onde são descritos momentos de violência extrema. No que me diz respeito, posso afirmar que abalaram a minha sensibilidade (mais uma vez aqui se pode ver a fantástica capacidade da autora em descrever pormenorizadamente as situações de forma a torná-las demasiado reais), causaram-me náuseas só de pensar que infelizmente aquilo que ali foi descrito acontece no mundo real, bem à frente dos nossos olhos, mas que passa despercebido à maioria das pessoas. Mais à frente no livro surge uma outra situação violenta, também ela demasiado real que nos deixa sem fôlego e à beira das lágrimas.
 
Um longo caminho para casa faz-nos chorar, sorrir, leva-nos aos mais altos pontos de raiva e ódio. Toca-nos bem fundo do coração deixando-nos uma enorme sensação de incapacidade quando é necessário responder às injustiças. É uma leitura excelente!!!
 
Boas leituras :)
Silvana

Segredos - Opinião

07.08.12

Autor: Danielle Steel
Ano: 1985
Editora: Círculo de Leitores
Número de Páginas: 287
Classificação: 4/6


Sinopse
Mel Wechsler, um talentoso produtor de televisão quer transformar a série televisiva Manhattan num êxito estrondoso, e dispõe-se a reunir, para o efeito, um elenco fabuloso: Sabina Quarles, uma estrela de cinema de Hollywood em decadência, que ambiciona readquirir o protagonismo e a segurança financeira a que estava habituada; Jane Adams, uma actriz dedicada aos filhos, dominada por um marido abusivo e violento, que descobre que o seu papel em Manhattan lhe proporciona tudo o que mais lhe interessa; Zack Taylor, o actor principal e modelo de profissionalismo, cuja simpatia, boa aparência e encanto próprio de um homem solteiro escondem um enigma; Gabrielle Thornton-Smith, uma actriz bela, talentosa e à beira do sucesso aos vinte e cinco anos, que parece esconder algo; Bill Warwick, um jovem actor em ascensão meteórica, que mentiu em relação ao seu passado, o que poderá pôr em risco a continuação da série quando tiver de enfrentar as consequências do seu acto.
Conseguirá o elenco e a equipa técnica de Manhattan levar a série a ser o êxito televisivo que desejam enquanto lidam com as suas tragédias pessoais, novos amores e acontecimentos dramáticos?

Opinião
Segredos foi o livro de Danielle Steel que, até agora gostei menos. Foi uma leitura rápida e um pouco previsível em relação à evolução das personagens. No fundo, enquanto a leitura decorre parece que falta alguma coisa. Na minha opinião, os segredos que cada uma das personagens guardava deveriam ser mais explorados, originando um enredo mais rico e oferendo maior dinâmica à narrativa.

Relativamente às personagens, cada uma delas tem o seu interesse e importância na estória, mas como anteriormente referi podiam ter sido mais exploradas. As ligações que se foram criando entre elas eram um pouco esperáveis logo a partir do momento em que Mel organiza uma festa para eles se conhecerem. Este aspecto faz com que não sejamos apanhados por grandes surpresas ao longo da leitura. De todos os aspectos do livro, aquele que me deixou mais surpresa e do qual não estava à espera foi o segredo de Sabina.

Um aspecto interessante deste livro foi a exploração feita ao mundo das séries televisivas! Aspectos como a caracterização, a criação do cenário, a gravação das cenas foram abordados e permitiram-nos imaginar como de facto de produz uma série televisiva. O próprio passado pessoal das personagens e os problemas que enfrentam aprecem no sentido de tentar demonstrar que apesar de serem actores famosos têm os seus dramas e problemas que interferem no seu trabalho... O aspecto mediático da série não foi muito explorado, mas seria interessante a autora ter feito esta ponte, principalmente no que diz respeito à personagem Bill.

Pessoalmente, não sou muito interessada nas "fofocas" do mundo cor-de-rosa. Os actores são pessoas que, como qualquer outro ser humano, têm a sua vida pessoal e a representação é apenas uma actividade profissional que têm de desempenhar. Acima de tudo nestas profissões de exposição mediática, as pessoas devem ser valorizadas pelo seu desempenho profissional, não por aspectos menos ou mais positivos da sua vida pessoal! Aquilo que eles fazem após as câmaras se desligarem ou da tela baixar é da inteira responsabilidade deles, a nós não nos traz qualquer alteração na nossa vida quotidiana. E segredos, todos temos os nossos! Guardem bem os vossos!

Boas leituras 

Opinião - Uma vez na vida

03.06.12
Autor: Danielle Steel
Ano:2008
Editora:
Número de Páginas:332
Classificação: 6/6

Sinopse
Após sofrer um acidente grave, a escritora Daphne Fields vê passar, como num filme, todos os acontecimentos que marcaram a sua vida. Os amores e as tragédias ensinam-lhe que só se ama uma vez na vida, mas que é uma vez para cada tipo de amor. Numa noite de Natal o marido Jeffrey e a filha Aymeé morrem num incêndio, e ela não sabia que estava grávida. O bebé, a quem dá o nome de Andrew, nasce surdo e, com mais esta tragédia, ela sofre ao tentar adaptá-lo ao mundo. Alguns anos depois, Daphne conhece John Fowler, por quem se apaixona e vive um período de intensa felicidade, até que um acidente o mata. Novamente sozinha ela tem a certeza de que nunca mais conseguirá amar novamente. Os seus livros alcançam um enorme sucesso e ela é convidada para fazer um guião do filme para uma das suas obras. Obrigada a ir a Los Angeles acompanhar as filmagens, acaba por se envolver com Justin, o actor principal. Mas o estilo de vida dele não há lugar para um relacionamento sério. Ao descobrir que é traída, Daphne termina a relação.
Uma pessoa esteve sempre ao seu lado: Matthew, director da escola de Andrew, amigo nos momentos difíceis. Aos poucos ela percebe que o ama, mas tem medo de amar e perder de novo, preferindo sufocar este sentimento.

Opinião
Confesso que quando li a sinopse deste livro, o primeiro pensamento que me ocorreu foi "Bem isto vai ser só tristeza.". Contudo, cada vez que viajava por uma capítulo a minha vontade de passar para o seguinte era enorme... São páginas e palavras que viciam o leitor. Somos facilmente empurrados para vida de Daphne e vemo-nos a acompanhar as suas conquistas e as suas derrotas com uma enorme vontade de que as coisas terminem da melhor forma possível.
Enquanto percorremos as entranhas da vida de Dapnhne, esta luta pela vida na cama de um hospital depois de um acidente aparatoso. A vida de Daphne é-nos apresentada de uma forma simples, mas ao mesmo tempo emocionante, repleta de acontecimentos, perdas, conquistas, relações que qualquer humano estabelece. A primeira perda de Daphne deixa graves marcas no seu coração, mesmo assim ela é obrigada a levantar-se e a lutar contra uma perda que a vai acompanhar para o resto da vida. A perda por um filho saudável. Andrew é o resultado do amor que a unia a Jeffrey. É a lembrança, a prova de que o romance e o amor que viveu com o marido existiu. Contudo, ele nasce surdo obrigando-a a lidar com um situação nova para ela, com o preconceito daqueles que a rodeiam, com um mundo que não estava preparado para receber o seu filho. Mas ela vai à luta consegue ultrapassar essa barreira. Em simultâneo, constrói muros muito sólidos em torno de si própria contra "predadores" de estórias dramáticas. Tudo com um único fim: proteger o filho.
Depois de Jeffrey, surgem outros homens na sua vida onde conhece outros contornos que o amor pode assumir, mas também a tristeza, a morte e a desilusão deixam a sua marca.

É um livro fascinante. Um livro que nos deixa presos às personagens, às suas vidas, aos seus sentimentos... Facilmente nos vemos envolvidos na vida de Dapnhe, na sua luta pela vida após o acidente. É uma leitura muito fácil, com bons diálogos. São muitas as desgraças e as perdas retratadas nestas páginas, mas acima de tudo e o mais importantes que elas deixam transparecer é a forma como as pessoas lidam com elas... Porque perdas, maiores ou menores, todos as temos. Agora, a forma como lidamos com elas é que pode ser diferente e, consequentemente, atirar-nos para caminhos diferentes.

Tive pena pelo final... Esperava mais acontecimentos por parte das personagens, mais movimentações. No fundo, depois de ler e passar por tantas entranhas da vida de Daphne esperava um final mais desenvolvido, com acontecimentos mais definidos. Acho que já é estilo da autora deixar o final para a imaginação do leitor. Talvez seja esta a uma das suas maneiras de tornar os livros especiais para o leitor.

Mais um bom livro de Danielle Steel que tanto oferece ao leitor momentos em as lágrimas aparecem brilhantes nos nossos olhos, como momentos em que somos incapazes de conter um sorriso que se forma nos nossos lábios.

Boas leituras

Mensagem do Vietname

05.04.12


Autor: Danielle Steel
Ano: 2001
Editora: Temas e Debates
Número de Páginas: 380
Classificação: 6/6

Sinopse
A  jornalista Paxton Andrews é uma das mais jovens a chegar ao Vietname. Vemo-la partir de Berkeley directamente para Saigão. Para os soldados que aí encontra, o Vietname é uma experiência que mudou as suas vidas de formas impensáveis. E, durante sete longos anos, Paxton escreverá uma coluna para um jornal a partir da frente de combate antes de regressar aos EUA e se tornar uma activista a favor da paz. Mas, também para ela, a vida nunca mais será a mesma...

Opinião
Neste livro é nos apresentada a estória de Paxton, uma jovem que cresce numa família rígida e fria, uma família que evita o contacto emocional. Estas características familiares não estão em sintonia com a personalidade afável e calorosa de Paxton. A única pessoa da família que partilhava com quem Paxton se identificava era o pai que morreu quando ela tinha apenas 11 anos. Após a morte do pai, foi obrigada a conviver com uma mãe e um irmão distantes, que não a compreendiam. Não sentia que pertencia aquele lugar e o seu sonho era partir... Apenas a Queenie, a ama, oferecia a Paxton amor, afecto e compreensão.

Paxton cresce e chega o momento de entrar na Universidade. Contariando os desejos da mãe, parte para uma universidade na Califórnia onde se torna numa estudante brilhante conhece Peter, irmão da sua companheira de quarto e por quem se apaixona. Vive uma amor recheado de pureza e inocência. Foi o seu primeiro amor.

Até este momento foram vários os factos que marcaram a história política no mundo. O assassinato dos Kennedy, de Matin Luter King, maracaram uma geração e os valores pelos quais essa geração lutava. Foi um período marcados por revoluções às quais Paxton não era indiferente. O culminar deste acontecimentos marcaram o inicio da Guerra do Vitname e com ela foram arrastados vários jovens americanos. Peter foi um deles.

Paxton e Peter tinham uma ligação muito forte e a chamada do jovem para a guerra deixou-a muito triste, mas a maior dor aconteceu uma semana depois quando Peter morreu no Vietname. Paxton, enquanto lida com a sua dor toma uma decisão partir para o Vitname como jornalista e transmitir a verdade do que lá se passa.

No Vitname, Paxton testemunha um cenário de miséria, morte, dor, perda, tristeza... Estabelece novas amizades e a sua personalidade fica profundamente alterada. Desenvolve um trabalho jornalístico fantástico arriscando a sua própria vida e apaixona-se por dois soldados, primeiro por Bill e depois por Tony. 

A guerra acaba por lhe roubar os amigos, Bill e Tony. Bill é morto e combate e Tony é dado como desaparecido. Após o desaparecimento de Tony, Paxton abandona o Vietname e regressa aos EUA, mas o seu coração acalentava a eterna esperança de que Tony possa estar vivo... Passado cinco anos resolve regressar ao Vientname e o inesperado acaba por acontecer.

É um livro fantástico... Um livro que faz emergir as nossas mais profundas emoções. As lágrimas, muito facilmente, toldam-nos a visão e somos incapazes de não sentir a dor de Paxton. O cenário de guerra é descrito de uma forma muito pormenorizada, havendo momentos em que parece que estamos presentes naqueles combates, naquele cenário de morte e horror.

Como grande ponto positivo assinalo toda a construção da narrativa, dos diferentes acontecimentos e dos movimentos das personagens. É uma estória muito bem construída que desperta em nós sentimentos vários, que nos faz olhar para as personagens como se as conhecesse-mos, sentindo-as parte de nós. É um livro muito marcado pela perda e pela dor, mas se assim não fosse não transmitiria o cenário de guerra de uma forma tão real.

Não consigo encontrar um ponto negativo neste livro. É certo que o final do livro não me deixou satisfeita, uma vez que a autora optou por uma narrativa aberta e tive que deixar, à minha imaginação, a responsabilidade de imaginar o que se terá passado a seguir. Contudo, não considero como um ponto negativo. Foi uma opção da autora deixar nas mão do leitor a possibilidade de traçar os rumos futuros destas personagens magníficas.

É um livro que nos faz pensar... Que nos faz reflectir sobre o nosso papel no mundo, sobre o tempo que temos para partilhar com os outros, sobre a forma como vivênciamos as nossas relações. Faz-nos ver que o simples facto de estarmos constantemente em risco, faz-nos viver as coisas de uma forma mais intensa. Demonstram-nos que todas as pessoas que passam pela nossa vida deixam algo em nós, e, quando partem, essa parte delas permanece no nosso intimo não permitindo que a memória as apague do coração. Todas as pessoas de quem gostamos desempenham um papel muito importante na nossa formação enquanto pessoas e, por causa desta importância permanecemos sempre ligadas a elas.

Boas leituras