Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

13
Abr21

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

A pandemia não tem facilitado os empréstimos que mantenho com a Daniela. Lá nos vamos aguentado e partilhando da melhor forma que conseguimos.

Chegou a minha vez de receber um livrinho surpresa. Desta vez foi uma grande surpresa! Não estava nada à espera deste livro! A Daniela optou por me enviar o livro “Chama-me pelo teu nome” de André Aciman.

P_20210410_190753.jpg

A verdade é que estou um pouco apreensiva com esta leitura. Sei que não foi um livro que tenha cativado a Daniela e tenho receio de não me encaixar com a história. Veremos como corre!

Não se esqueçam de passar no blog Quando se abre um livro para conhecerem os motivos por detrás deste envio.

10
Fev21

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “O Assassino do Crucifixo”, de Chris Carter

 Assassinos

Os policiais permitem-nos descobrir assassinos diversificados, uns mais surpreendentes que outros.
De forma geral e sem recorrer a spoilers, o que achaste do assassino que encontraste neste livro.
Foste surpreendida ou a tua veia de detetive encontrou o culpado?

Lembras-te de outros livros cujos assassinos sejam realmente surpreendentes?

****

Eu sou péssima a lembrar-me dos assassinos. Aliás sou capaz de me lembrar dos contornos da história e não me recordar do responsável. Por isso, esta lista que aqui vou apresentar pode ser um pouco enviesada. 

"Messias" de Boris Staling: Este foi dos primeiros policiais que li e um dos melhores livros dentro do género. Com descrições muito gráficas e uma linha narrativa muito interessante, fiquei agarrada ao livro do início ao fim.

"O homem de giz" de C. J. Tudor: Este livro foi uma leitura recente. A pessoa responsável pelos crimes, quando foi revelada, causou-me alguma surpresa. Não só por ser quem era, como pelas suas motivações.

"Perto de casa" de Cara Hunter: Aqui a surpresa ultrapassa a pessoa criminosa. Cenas de crime bem construídas e o final foi de me dar cabo dos nervos. Não estava à espera daquele desfecho e estou na expetativa do momento em que estas personagens voltarão a ganhar protagonismo.

"Até que sejas minha" de Samantha Hayes: A pessoa criminosa deste livro é tão óbvia que foi fácil esquecer-me dela ao longo da leitura. O que vai permanecendo enquanto se avança pelas páginas é a intensidade dos acontecimentos e a tensão que se vai acumulando.

livros1.jpg

26
Jan21

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]

emprestimo 2.jpg

Comecei o ano com um bom ritmo de leitura... Tão bom que numa semana consegui ler o livro que a Daniela me tinha enviado e enviar-lhe outro de volta. 

Andava indecisa entre três livros, mas acabei por lhe enviar aquele que tenho mais curiosidade na opinião dela.

Assim, enviei-lhe "Lá, onde o vento chora" de Delia Owens.

P_20200506_141533_HDR.jpg

Sabia que era um livro que estava na lista de leituras da Daniela. Sabia que ela andava curiosa com o livro. E eu ainda mais curiosa por saber a opinião dela e discutir com ela o livro. Como quero discutir o livro com ela tinha de lho enviar enquanto as minhas memórias estão frescas.
Não gostei tanto deste livro como a maioria das pessoas. O livro tem feito imenso sucesso. Tem uma mensagem bonita, mas não me convenceu na totalidade. O que será que a Daniela irá sentir com esta leitura?

Passa no blog Quando se abre um livro para conhecer a reação da Daniela.

12
Jan21

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

emprestimo 2.jpg

Desde agosto que não recebia um livro da Daniela. A pandemia tem interferido com este nosso projeto. Mas nós não desistimos, só abrandamos o ritmo dos envios.

Calhou-me a mim receber o primeiro livro do ano para o projeto e fiquei imensamente feliz com a escolha da Daniela.

Chegou cá a casa o livro "O assassino do crucifixo" de Chris Carter.

P_20210109_152205.jpgEste é um dos melhores escritores dentro do género, por isso é quase certo que nestas páginas está uma história inteligente e intensa.

11
Nov20

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “Cassiopeia”, de Joana Ferraz

Quatro pontos

Estou em dívida com a Daniela há muito tempo no que respeita à resposta a este desafio. 
Mas hoje é dia de cumprir a minha missão e terminar com esta divída. Segue a minha resposta ao desafio.

Preenche o seguinte esquema com uma pequena frase acerca do livro.

55459780._SY475_.jpg

Daniela, estou desejosa de receber a tua próxima escolha para mim.

15
Set20

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]

emprestimo 2.jpg

E chegou  a minha vez de fazer o envio. Procurei não pensar muito e escolher um livro para o qual já tinha um desafio pensado.

A minha escolha recaio sobre o livro "Anna e o beijo francês" de Stephanie Perkins.

P_20200810_103050.jpg

O que é que motivou a minha escolha?

  • O facto de já ter um desafio pensado;
  • É uma leitura muito descontraída que espero que agrade à Daniela.
  • É uma forma de quebrar com as leituras mais comuns dela.

Passem no blog da Daniela para conhecer a sua reação à receção deste livro.

27
Ago20

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

emprestimo 2.jpg

A Daniela já me enviou mais um livro de forma a darmos continuidade ao nosso projeto e empréstimos. 

O livro que chegou cá a casa foi "Cassiopeia" de Joana Ferraz.

P_20200826_153921.jpg

Tenho alguma curiosidade em relação ao livro. A Daniela gostou bastante da leitura, por isso espero gostar tanto como ela.

Não se esqueçam de passar no blog da Daniela para conhecer os motivos que a levaram a enviar-me este livro.

Conhecem a autora e o livro?

09
Jul20

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “Lembranças Macabras”, de Tess Gerritsen

 Novos temas

Tens ajudado a autora de formas tão diferentes que, sinceramente, começas a acreditar que não há mais surpresas para ti.
A tua última tarefa (matar uma das suas personagens) surpreendeu-a sobremaneira. E agora ela precisa novamente da tua ajuda.
Como viste, a Tess é bastante criativa nos temas que escolhe para os seus livros. Depois de um policial com mais misticismo e outro ligado à Arqueologia, ela precisa do teu conselho para escolher o tema do próximo livro.
Assim, reúne uma lista com duas ou três temáticas que ela poderá usar no seu próximo trabalho.

Boa sorte!

No próximo trabalho a Tess poderá basear a sua história nas seguintes temáticas:

  • Tarot: No local do crime, associado a cada corpo, o(a) assassino(a) deixa uma carta de tarot diferente. As cartas de tarot e a sequência como elas vão aparecendo deixam mensagens para Maura. 
  • Poesia e literatura: Poemas enigmáticos são enviados a um escritor. Há um segredo que o une a um grupo de pessoas. Estas pessoas vão sendo assassinadas e deixadas em locais que servem de cenário às suas história. A verdade e a ficção misturam-se para complicar a vida a Jane Rizzoli.
  • Museu virtuais: Uma série de crimes acontecem na cidade. As vítimas são homens e mulheres adultos com queixas de violência doméstica, ou condenados por este mesmo crime. Os corpos que aparecem ficam sem genitais e sem alguns órgãos. O(a) nosso(a) assassino(a) leva-os consigo, conserva-os e cria um museu virtual com os mesmo para horror da polícia.

Que achas destes temas, Daniela? Será que a Tess me dava um lugar de assistente?

08
Jul20

Opinião | "Lembranças macabras" (Rizzoli & Isles #7) de Tess Gerritsen

P_20200629_095507.jpg

Com os anos fui aprendendo a gostar a gostar de História. Penso que a grande mudança acontece no 7º Ano. Uma professora entusiasmante aliada a matéria interessante fizeram nascer em mim o gosto por saber mais sobre o passado. Gostei muito de estudar a civilização egípcia, apesar do meu grande carinho ter recaído nas civilizações grega e romana. No 10º ano escolhi ciências e tecnologia e História ficou pelo caminho. Descobri nos livros históricos uma forma de alimentar este meu gosto pessoal.

"Lembranças macabras" não é um romance histórico. É um policial inteligente e escrito por alguém com uma capacidade soberba de conjugar crimes e temáticas muito distintas. Assim que percebi que este livro tinha um pouco da cultura egípcia, fiquei logo entusiasmada para a a leitura e para descobrir como é que a escritora iria relacionar tudo.
A relação foi bem construída e muito conferiu uma tonalidade muito interessante ao livro. Não me senti desiludida ou com a sensação de que faltava alguma coisa para uma boa compreensão da história.

Tal como aconteceu nos livros anteriores, a narrativa é cheia de ação e pormenores técnicos e científicos relacionados com a investigação criminal. A narrativa em nada aborrece! Pelo contrário, torna-se ávida e cheia daquela adrenalina de querer ler mais só para saber o que originou os crimes que vão sendo apresentados. 

Josephine é a personagem central. Aquela que irá ligar todas as pontas soltas. Tudo é doseado de forma bem pensada a que as revelações aconteçam no momento certo. Neste livro, o mistério e a incerteza misturam-se com diferentes crimes. Além da cultura egípcia, também a saúde mental teve espaço nesta narrativa. Foi abordada de forma um pouco indireta, mas foi uma abordagem clara no que respeitas às consequências da ausência de saúde mental e dos tratamentos usados para a devolver às pessoas, acabando por resultar em elementos bastante complexos para o desenrolar dos acontecimentos.

O que senti mais falta nesta leitura foram as referências ao quotidiano das personagens residentes. Foram poucas as referências a Jane, ao pais dela e ao acontecimento que marcou o livro anterior e à sua vida com Gabriel. Da Maura tivemos um pouco mais de informações relativas à sua vida atual, mas dado o desenrolar da sua vida amorosa, as poucas páginas que a autora lhe dedicou souberam a pouco.

Desta vez não preciso esperar que a Daniela me envie o próximo livro da série. O oitavo livro, "Seita Maldita", já está ali na estante e espero dar continuidade à serie ainda este ano.

Classificação

07
Jul20

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]

emprestimo 2.jpg

A pandemia obrigou-nos, a mim e à Daniela, a parar com este nosso projeto e isso deixou-nos destreinadas. Tão destreinadas que eu não sabia que livro enviar à Daniela. 

Por sugestão dela, fiz uma pequena lista de livros, numerei-os e deixei que ela me indicasse um número.

Esta foi a lista:

lista.jpg

A Daniela escolheu o número 4 que correspondia ao livro "O bairro das cruzes" de Susana Amaro Velho. Acham que a Daniela ficou bem servida com este livro?

49003520._SY475_.jpg

Passem no blog Quando se abre o livro para conhecerem a reação da Daniela à receção deste livro.

23
Jun20

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

emprestimo 2.jpg

Devido à pandemia o projeto que mantenho com a Daniela esteve parado. Confesso que já sentia falta desta nossa troca de livros. 
Interrompemos o projeto com um livro meu em casa dela. Era a vez dela me enviar um livro. E ele chegou na semana passada.

E o livro que recebi foi...

P_20200623_140328.jpg

"Lembranças macabras" de Tess Gerritsen

Fiquei bastante feliz com a escolha da Daniela. Tenho lido livros muito densos e psicologicamente exigentes, por isso estava a precisar de uma leitura mais fluída e com mais ação. Já comecei o livro! Em poucas páginas fui conquistada.

Podem passar no blog da Daniela e conhecer o que a motivou a enviar-me este livro. 

Há fãs desta série aí desse lado do ecrã?

27
Mar20

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “Verity”, de Colleen Hoover

 Maternidade

Verity é um livro que, entre outros temas, nos fala de maternidade, apresentando-nos uma visão um pouco diferente.

O teu desafio será fazer uma pesquisa, de forma a compilares uma pequena lista de livros que contenham a temática da maternidade.

Está na altura de responder a este desafio e partilhar uma lista de livros sobre a materninda.
Desde já quero agradecer a todas as pessoas que acederam ao meu pedido e partilharam comigo livros que abordem a questão da maternidade. 

Vou dividi-los em dois grupos: os livros que eu já li e os livros que ainda não li.

Livros lidos

  1. "O meu nome é Leon" de Kit de Waal
  2. "A Nona Vida de Louis Drax" de Liz Jesen
  3. "Até que Sejas Minha" de Samantha Hayes

Untitled design.jpg

Livros não lidos

  1. "A Menina que Roubava Morangos" de Joanne Harris
  2. "O Quarto de Jack" de Emma Donoghue
  3. "Uma Mãe Perfeita" de Aimee Moly
  4. "Um Clarão de Luz" de Jodi Picoult
  5. "Para a Minha Irmã" de Jodi Picoult
  6. "Um Pequeno Favor" de Darcey Bell
  7. "A Mãe" de Melanie Golding

Untitled design (1).jpg

05
Mar20

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]

emprestimo 2.jpg

E chegou a minha vez de enviar um livro à Daniela. 
Ela anda um pouco esquisita com as leituras, por isso, desta vez eu queria enviar-lhe algo completamente diferente. Queria enviar-lhe um livro que fosse uma verdadeira surpresa. Um que ela não estivesse à espera de receber.

Assim a minha escolha recaiu no livro "Vozes de Chernobyl" de Svetlana Alexievich. 

3.jpgOptei por enviar não ficção para que a Daniela explore este género. Não lhe queria enviar nenhum romance mais romântico, porque ela anda com pouca ligação às histórias de amor. Não lhe queria enviar thrillers nem policiais porque é algo que ela lê com muita frequência. Então pensei logo em enviar-lhe este livro. 

Passem no blog da Daniela para conhecerem a reação dela ao livro. 

02
Mar20

Opinião | "Verity" de Colleen Hoover

21694631_rJski.jpeg

Classificação: 4 Estrelas

Partilhar a minha opinião acerca do livro "Verity" sem usar spoilers será um verdadeiro desafio. Demorei a conseguir sentar-me e escrever uma opinião acerca do mesmo porque não sabia colocar em palavras a confusão cerebral que se instalou na minha cabeça. 

Assim que terminei de ler a última página, o meu primeiro pensamento foi Isto não faz o menor sentido. Desculpem-me a ousadia deste pensamento, principalmente aqueles que vibram e deliram com as obras desta escritora, mas para o perceberem tem de saber duas pequenas coisas sobre mim. Eu não consigo ler um livro e dissociar de mim dois aspetos que condicionam a forma como interpreto as coisas à minha volta. 1) Sou uma pessoa que racionaliza tudo, procuro uma explicação lógica, científica e verdadeiramente possível para grande parte das coisas que me rodeiam (daí a minha dificuldade com os livro de fantasia) e 2) Muitas vezes o meu olhar de psicóloga interfere na forma como interpreto as histórias que me vou cruzando. Muitas vezes consigo desligar estes dois botões mentais. Outras há em que eles estão em estado On e colocam o meu cérebro num verdadeiro turbilhão de sinapses. 

"Verity" foi um dos livros que ativou estes meus dois lados. Era impossível isso não acontecer tendo uma mulher, Verity, com um perfil psicológico muito particular e um homem, Jeremy, bonito e atencioso com um profundo amor pelos filhos com uma aura de mistério que nos intriga. Se isto já não fosse suficiente, juntamos Lowen, uma escritora tímida com uma imaginação bastante fértil. Claro que tudo foi cuidadosamente apimentado de tragédias e dramas capazes de fazer parar o cérebro. Digam lá se eu não tinha aqui um cocktail explosivo para o meu cérebro "psico-racional". 

A leitura foi compulsiva e sempre com a certeza que tinha desvendado tudo sobre a Verity (que, em alguns momentos levou a minha memória até à Amy, a protagonista do livro "Em Parte Incerta"). Lia na expetativa de constatar como é que toda aquela loucura iria terminar. 
A narrativa foi construída de forma muito interessante pois tudo adensava o mistério e a expetativa que pairava sob aquelas personagens. Até os cenários físicos onde as personagens se moviam estavam em congruência com o lado negro que a escritora quis passar ao leitor. No meu caso, eu imaginei sempre aquela casa e aquele lago envoltos em neblina e com um ambiente marcado pelo cinzento. Aliás, todos os cenários que davam corpo às cenas eu imaginava-os como sendo passados em dias nublados. A meu ver é uma boa ilusão de ótica que as palavras da escritora criaram na minha cabeça. Friso que isto é um único produto da minha imaginação. A  história não dá indicações precisas sobre o estado do tempo, mas como já vos expliquei mais atrás a minha atividade cerebral é um bocado estranha (nada temam, apesar de estranha é completamente funcional). 

E foi neste embalo cinzento que fui até às últimas páginas e atiraram por terra todo o meu raciocínio lógico, muito bem construído e alinhado. Aquele fim dá aso a uma infindável panóplia de interpretações. É um final aberto que deixa espaço à nossa imaginação e à nossa sensibilidade emocional e racional. Eu acreditei na Verity! Isto porque, para mim, era racionalmente impossível as coisas se terem passado de outra forma. Só temos acesso à sua visão dos factos, não sabemos como Jeremy interpreta a sua vida. Porém, depois de ler aquelas últimas páginas era, para mim, racionalmente impossível viver-se com uma pessoa sem lhe conhecer alguns lados mais obscuros (a não ser que andássemos muito cegos em relação às pessoas com quem lidamos). Acho muito pouco provável que Jeremy não conhecesse a verdadeira essência da sua esposa, principalmente no que se refere à forma como cuidada e olhava pelos seus filhos. 
Apesar de tudo, tenho uma vozinha interior que não deixa que o meu cérebro desligue e o coloca a pensar no lado oposto desta minha interpretação. E isto é uma sensação horrível! Não permite que o livro fique simplesmente arrumado na nossa memória. 

Tendo em conta esta minha minuciosa descrição acerca do livro, devem estar a perguntar-se "Então, se sentiste isto tudo, porque é que apenas deste 4 estrelas ao livro?". É uma questão muito legítima. Eu gostei muito do livro, foi uma leitura desafiante em termos de interpretação... Contudo faltou-me algo que me encaminhasse para um desfecho mais concreto. É uma questão de gosto pessoal. Tenho a certeza, que os leitores que são apaixonados por finais em aberto irão delirar com o desfecho do livro. No meu caso, deixou uma imensa frustração. 

24
Fev20

Empréstimo Surpresa | Empréstimo Surpresa [Desafio]

emprestimo 2.jpg

Desafio para o livro “O Clube Mefisto”, de Tess Gerritsen
Mãos à obra

O teu percurso ao lado da autora tem estado recheado de peripécias!

Depois de a ajudares a criar um novo serial killer e de sugerires um título para uma das suas obras, eis que ela tem uma nova surpresa para ti: vai deixar-te matar uma personagem!!

Num pequeno texto de 500 palavras, dá asas à tua imaginação e aniquila uma personagem! (Podes aproveitar e imaginar que te estás a vingar de alguém que conheças!)

Estás pronta para o desafio?

Cá fica a minha resposta...

As coisas complicaram-se. Ficar retido na prisão após o motim que se instalou não fazia parte dos planos de Gabriel. Ele tinha sido chamado para ajudar a acalmar os ânimos e acabou nas mãos dos presos.

O barulho é muito. Gritos de protesto, o som de objetos a varrer os gradeamentos das sela e, ocasionalmente, tiros que se fazem ouvir por entre o barulho que ali se instalou.

Ninguém sabe ao certo como toda aquela confusão começou, mas havia alguma desconfiança relativamente à participação de alguns guardas prisionais.  

Gabriel estava ali para perceber o que tinha originado o motim e ajudar a colocar um fim a toda a aquela confusão, mas estava ser muito complicado. Estava algemado e ao pé daquele que parecia ser o chefe dos presos que se rebelaram contra o sistema. Pela observação, o agente do FBI percebia que ele estava nervoso. Os cigarros sucediam-se uns aos outros. Gabriel queria começar a dialogar, mas sentia que do outro lado ainda não havia recetividade. Aguardou mais uns minutos. Tinha de ser paciente. O momento certo chegaria… De repente um silêncio estranho espalhou-se pelo espaço.

Esta mudança de cenário alterou o comportamento do recluso que estava com ele. Ficou mais alerta. Levantou-se da sua cadeira e foi até ao corredor. O semblante carregado e o olhar atento faziam com que ele parecesse assustador. Ouviram-se passos. Eram de outro recluso que corria em direção ao local onde eles estavam.

− Chefe, as coisas complicaram-se lá em baixo. Uma patrulha da polícia entrou aqui dentro. Houveram muitos disparos.

− Eu ouvi os disparos, mas pensei que fossem vocês a tentar dar conta do recado.

− E nós retaliamos, chefe, – defendeu-se o recluso – mas eles eram muitos. Vinham bem organizados. Eles atingiram alguns dos nossos, mas nós conseguimos abater um deles. Uma mulher. Parecia um furacão quando entrou.

O recluso que guardava Gabriel soltou uma risada e disse:

− Foram mesmo estúpidos deixar que uma mulher comandasse o grupo.

− Parece que ela era das duras. A equipa respeitava-a! Ficaram ainda mais agressivos e não tarda nada chegam aqui.

Gabriel ficou extremamente apreensivo com a conversa dos reclusos. O coração apertou-se mais quando ouviu que uma mulher tinha sido abatida. Só pensava em Jane. Rezou, como há muito não o fazia, para que a vítima destes selvagens não fosse a sua esposa.

Ouviram-se mais passos nos corredores. Eram passos raivosos e decididos.

− Deitem as armas ao chão e coloquem as mãos atrás da cabeça.

Aquelas vozes eram conhecidas. Os companheiros de Jane. Não deram tempo para que os reclusos reagissem. Imobilizaram-nos e prenderam-nos. Depois viram-se para Gabriel e soltaram-no. Os olhares de silêncio doloroso que trocaram entre eles confirmaram os receios de Gabriel.

− Onde é que ela está? – a voz saiu revestida de dor.

− Está à entrada da ala norte. Estamos à espera da doutora Maura. Lamento, Gabriel. – disse um dos agentes.

Gabriel saiu disparado em direção à ala norte. Correu como se a sobrevivência de Jane ainda dependesse dele.