Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

13
Jan21

Opinião | "Encontro com o destino" de Lesley Pearse (Ellie #2)

P_20201230_152505.jpg

Camélias na história de uma Camélia. Foram estas flores que serviram de inspiração ao nome da protagonista do livro "Encontro com o destino", um livro cuja história é a continuidade do livro "Até sempre, meu amor". Eu adoro camélias! A cor, a textura... São flores de inverno, em que as plantas nunca perdem a sua folhagem verde. São flores muito bonitas que embelezam o meu jardim e muitos dos jardins aqui a norte.

Tal como os outras leituras desta escritora, "Encontro com o destino" tem uma narrativa intensa, cheia de acontecimentos e fortemente marcado pela carga dramática. As personagens são inesquecíveis. Guardam luz e sombras dentro de si, aspetos que usam de forma bem ajustada à sucessão de acontecimentos que marcam o livro. 

Não é novidade, pelo menos para os leitores mais assíduos deste espaço, que eu sou fã de Lesley Pearse. Pessoalmente, gosto de um bom drama e esta escritora consegue criá-los com uma mestria fenomenal. Há uma enorme carga emocional associada às personagens, provocando em mim sentimentos diversos e uma experiência de leitura muito rica. Neste livro em particular, Camélia vai dividindo o dramatismo com outras personagens. É interessante acompanhar o crescimento desta jovem e assistir ao desenvolvimento da sua resiliência. A vida não lhe foi muito simpática, mas ela lá foi conseguindo fintar os problemas e fortalecer o seu interior. E todas estas vivências mostram-me que a vida é feita de ciclos (por vezes demasiado longos no caso de fases de vida mais complicadas), quem nem sempre a mudança depende exclusivamente de nós e que há sempre pessoas boas que aparecem no nosso caminho e nos ajudam a seguir em frente. 

Neste livro é inevitável uma viagem ao passado. A vida da Camélia foi resultado de uma escolha do amor e da amizade que unia duas mulheres. Por isso, Camélia precisou de conhecer recantos escondidos e construi o puzzle da sua vida. Foi uma descoberta que a fez crescer e que ofereceu à narrativa o ritmo certo. Por vezes, sentia-me impaciente. Queria saber mais, queria perceber como é que se passou e que conduziu as personagens de um ponto para outro... Mas tudo aconteceu no momento certo. Era necessário criar pontos de rutura, deixar espaço para a mudança e deixar que o passado surja no presente na dose certa e no momento certo. 

No fim da leitura fica o vazio de uma história que se infiltra nas emoções. As personagens passam a ser minhas conhecidas e virar a última página do livro marca uma despedida que custa a fazer. O final foi um equilíbrio entre o lado dramático, o amor, e a perspetiva positiva de um final em certa medida feliz. Houve espaço para alguma surpresa e novas revelações. Porém, acima de tudo, fica a sensação de uma história onde cabe amor, História, acontecimentos tristes, superação e resiliência.

Classificação

06
Jan21

Opinião | "Lá, onde o vento chora" de Delia Owens

P_20200506_141533_HDR.jpg

"Lá, onde o vento chora" foi uma das minhas últimas leituras de 2020 e acho que é a opinião que mais me vai custar escrever de todos os livros lidos no ano que acabou de terminar. Vai-me custar, porque não consegui encontrar o encanto que tanta gente conseguiu. 

A ação central do livro desenrola-se em torno de Kya, uma criança que vive sozinha num pantanal e é socialmente excluída. Esta criança, de quem acompanhamos o crescimento, protagoniza verdadeiros momentos de resiliência. Quando tudo se desmoronava à sua volta, ela conseguiu encontrar força para continuar com a sua vida e procurou explicar para si própria aquilo que vivia através daquilo que observava e conhecia da natureza, lugar onde ela se perdia em observações. 

A natureza tem uma força muito grande neste livro. É quase como que uma personagem secundária que alimenta relações, dá forma a emoções e deixa no ar sons e cheiros capazes de espicaçar a imaginação de quem lê. 
Tudo isto chega ao leitor através de uma escrita com um tom quase lírico, que embala a leitura numa cadência muito própria. Há descrições que parecem poesia e que despertam os sentidos. Se no início gostei desta abordagem, com o desenrolar do livro comecei a aborrecer-me com estas descrições. Por vezes, senti que eram demasiadas. Senti que a escritora deveria ter sido mais simples e objetiva porque algumas delas não acrescentavam nada à história. 

Eu consigo identificar duas fases distintas na narração desta história: pré e pós julgamento. Foi engraçado que me pareceu que estava a lidar com duas escritoras diferentes. Uma deles mais lírica, que exprimia as emoções com recurso a comparações e metáforas e outra mais objetiva, dinâmica e com uma boa capacidade de ilustrar cenas de audiência judicial. Pois, pareceu-me que o livro foi escrito por duas pessoas distintas. A certa altura até me senti aborrecida por esta minha implicância. O que é certo é que gostei mais da "segunda" escritora.

Eu quando implico, implico à séria (até parece que oiço o pensamento da minha vizinha Daniela a dizer que penso demais no que leio). E fui pensando e pensando, fui conhecendo melhor a Kya e analisando os seus comportamentos e, cada vez mais, fui sentindo as incongruência a saltarem umas atrás das outras. Há uma incompatibilidade muito óbvia entre a pessoa que esta miúda se torna e o mundo em que ela viveu. As coisas que acontecem são demasiado irrealistas. Sei que a ação decorre numa outra época, mas há coisas que não encaixam. Foi-me vendida uma imagem da Kya que não acompanha a forma como ela foi vivendo. 
A construção da personalidade desta jovem não reflete aquilo que ela foi obrigada a viver. A forma como ela escolhe relacionar-se com os outros é incongruente com a imagem pessoal que a escritora parece querer passar.

Desculpem-me os leitores que amaram esta história e que desenvolveram uma enorme empatia pela Kya, mas eu não sinto realismo nesta personagem, na forma como ela viveu e na pessoa em que ela se tornou. Na minha perspetiva foi demasiado idealizada, demasiado construída de forma a criar uma personagem com aquelas características. Reforço, o comportamento da rapariga não acompanha o tipo de personalidade que a escritora quis passar.

Há a parte policial que vai surgindo ali pelo meio. Uma abordagem pobre, com diálogos pouco elucidativos, demasiado fabricados e sem profundidade. É um elemento que tem a sua importância no contexto geral da história, mas foi mal aproveitado.

E, nestes altos e baixos que marcaram a minha leitura, cheguei ao final. Um final narrado de forma abrupta, onde senti que houve falta de informação. Foi confuso assimilar aquilo que foi desvendado. Foi inesperado, surpreendeu, mas não me convenceu. 

Classificação

29
Dez20

Opinião | "28 dias" de David Safier

P_20201031_111528.jpg

Este livro encheu-me o olho na prateleira da biblioteca. A sinopse convenceu-me a trazê-lo. Estava com muita curiosidade para ler este livro e viver uma aventura no contexto da Segunda Guerra Mundial, sem campos de concentração envolvidos.

Mira, a nossa personagem principal, tem 16 anos, vive no gueto de Varsóvia e permite a sua sobrevivência e a da sua família dedicando-se ao contrabando de produtos. A sinopse promete uma aventura mais arriscada, com a participação de Mira num grupo da resistência.

A atividade do contrabando é muito arriscada, e o autor deixou isso bem claro na forma como ia apresentando os factos. Contudo, ao longo da leitura fui-me questionando que parecia ser sorte a mais. Tudo corria demasiado bem. Havia ali um fator sorte demasiado intenso para que tudo fosse real. E isto foi alimentando páginas e páginas deste livro. É claro que existiam outros acontecimentos, mas eu começava a ficar ansiosa. Afinal, quando é que as coisas iam de facto animar-se? Quando é que a resistência iria ganhar destaque? Demorou muito para que isto acontecesse. Senti-me arrastada e embrulham em acontecimentos que pouco contribuíam para o entusiasmo da narrativa. Houve momentos muito aborrecidos. 

A resistência chega e ganha protagonismo. Infelizmente, eu já estava demasiado contaminada por emoções negativas e insatisfação com o livro que esta parte foi sendo lida com alguma indiferença. Não me consegui emocionar, nem entusiasmar. 

É um facto, o livro desiludiu-me e a leitura acabou por se arrastar durante demasiado tempo. O livro está bem escrito e não encontrei nenhum problema na construção da narrativa. Porém, não consegui criar uma ligação significativa com a história e senti que há partes que poderiam ser encurtadas.
Foi uma experiência de leitura mediana, onde não há espaço para grandes destaques. 

Classificação

 

28
Dez20

Por detrás da tela | "Eu, Tonya" (2017) e "Snu" (2019)

Eu, Tonyaeu-tonya.jpg

Apanhei uma valente surpresa com este filme. Não sabia muito sobre o filme, mas por qualquer motivo que eu não consigo identificar, esperava uma história mais ligeira. Posso dizer-te que este filme não tem nada de ligeiro. 
O filme narra a história da patinadora artística Tonya Harding desde a sua infância até à idade adulta. 

A infância desta jovem foi tudo menos positiva e feliz. Uma mãe abusiva dita a construção de uma personalidade completamente asfixiante. Sim, senti-me asfixiada pela agressividade desta mãe e na forma como ela cresceu dentro da Tonya. Apesar do talento desta jovem, a pobreza fez com que ela não fosse bem aceite no meio artístico. Os fatos caríssimos não tinham o brilho das adversárias e isso originava ainda mais raiva dentro de Tonya. 

As relações que ela foi construindo ao longo da sua vida eram doentias. Havia muita violência e tensão nas interações. Foi um pouco aflitivo assistir a isto ao longo do filme.
É claro que estas emoções se devem à brilhante interpretação de Margot Robbie como Tonya. Não sei o grau de veracidade deste filme, mas Margot transportou para a tela tudo o que lhe foi possível para se demarcar e construir uma personagem cheia de personalidade. Margot conseguiu tornar Tonya inesquecível para mim. 

É um filme duro onde sobressaem as coisas menos positivas da natureza humana. Aquilo que prevalece na memória é o incomodo causado pelas atitudes de Tonya, os gritos, as discussões os abusos e a dor camuflada que vai pairando no interior das personagens. 
Quando terminei o filme pensei É preciso ter estômago para aguentar isto até ao fim. Este pensamento surgiu porque há muita energia negativa nesta história e eu fui incapaz de me desligar dela. 

Classificação
/5

Snu

36982_53337_22162.jpg

Há histórias de amor reais que merecem ser contadas, eternizadas nas palavras de um livro ou numa tela de cinema. Do que me foi possível ver neste filme, a história de Snu e de Sá Carneiro é uma dessas histórias.
O meu conhecimento sobre o percurso político do nosso país tem muitas lacunas. De Sá Carneiro ouvi opiniões completamente dispares (acho que um pouco toldadas pelas convicções políticas de cada uma das pessoas que ia partilhando a sua visão comigo), contudo, neste filme, vi mais do homem que se apaixona por uma mulher à frente do seu tempo. Para viver este amor precisa de lutar contra os "monstros" conservadores que pairavam sobre Portugal.

Snu pareceu-me ser uma mulher estremamente interessante. Inteligente, lutadora e muito confiante nas suas ideias e na sua forma de interpretar o mundo. Uma mulher que deve ter tido dificuldades em perceber muito do que se passava em Portugal naquela época. 
Coube a Inês Castelo Branco interpretar esta mulher intemporal. Não esteve totalmente bem, às vezes sentiu dificuldade em manter o sotaque. Contudo, acredito que ela conseguiu passar a beleza da personalidade desta mulher. 

No geral é um filme português marcado pela boa realização e narração da história. É claro que senti falta de algumas informações, acho que o filme carece de um pouco mais de contextualização histórica. Por outro lado, tenho consciência que o objetivo do filme era focar a história de amor entre estas duas pessoas. 
A banda sonora foi bem escolhida e dá um toque especial ao filme.

Para quem gosta de uma boa história de amor, este filme irá ser do agrado dessas pessoas.

Classificação
/5

28
Dez20

Opinião | "Demência" de Célia Correia Loureiro

P_20200313_112458_HDR.jpgNão li a primeira edição de "Demência". Vi muitas opiniões positivas em relação a este livro. Vi quem o achasse melhor que "O funeral da nossa mãe". Pessoalmente, acho que são livros diferentes, cada um com o seu valor. Têm um ponto em comum: a sua capacidade de mexer com as emoções.

"Demência" dá voz à violência doméstica e à demência. As palavras embalam-nos em direções mais ou menos previsíveis, mas que em nada diminuiu o entusiasmo e o interesse pelo livro. É uma viagem literária em constante desassossego. Desassossego por Letícia que procura manter-se inteira depois de ter sido despedaçada. Desassossego por duas crianças que sabem quanto custam os momentos de terror. Desassossego por uma mulher que lida com a doença e com a perda da melhor forma que consegue. E no meio destes sobressaltos e desassossegos há espaço para a importância que uma amizade pura pode ter nas nossas vidas. Há espaço para o poder curativo que só o amor consegue. Há espaço para olhar para o passado e encaixá-lo numa explicação do presente. 

Infelizmente, a voz de Letícia ainda faz muito eco na sociedade atual. As feridas que esta mulher transporta são comuns às de outras tantas mulheres. A violência doméstica é, mais do que a Letícia, a personagem principal desta história. Um problema que atravessa gerações e deixa marcas emocionais demasiado profundas e com uma cicatrização imune ao tempo. É interessante ver como a Célia, apesar de ser muito jovem quando escreveu este livro, conseguiu imprimir uma maturidade enorme naquilo que quis contar ao público. 
Além deste aspeto, a história tem uma tonalidade tão realista que é fácil chegar àquela aldeia e visualizar o comportamento de todos aqueles que povoam estas páginas.

O tempo da ação é que me deixou um pouco baralhada. O início foi complicado. Em termos de tempo parece que passam mais dias do que aqueles que na realidade passaram. Há também uma transição, mais ou menos a meio do livro, que é pouco clara. Foram estes os dois aspetos que me não foram tão bem concretizados. 

A história andou muitos dias na minha cabeça. A resiliência de Letícia fez-me acreditar na força feminina para enfrentar um problema. Por outro, a fragilidade e a personalidade dura de Olímpia tornaram-na demasiado humana. Foi a doença e a perda que a deixou mais fragilizada, mas foi o passado que a endureceu e que lhe deu uma visão diferente da condição humana. Duas mulheres que ficam na história do meu percurso literário e de quem, muito dificilmente, me irei esquecer. 

Precisamos de vozes como a da Célia. Precisamos de pessoas que coloquem de forma realista amor, dor e tristeza  nas histórias que escolhem contar. Precisamos de abrir espaço às boas publicações nacionais. 

"Demência" irá levar-te a uma aldeia beirã, cheia daquelas preconceitos e "diz-que-disse" tão típicos de zonas mais solitárias e acanhadas. Vais encontrar o inferno e o paraíso de uma relação amorosa. Vais cruzar-te com o envelhecimento, com a doença que apesar de roubar parte das memórias de Olímpia será incapaz de lhe tirar do coração a amizade que a ajudou a sobreviver.

Classificação

26
Dez20

Opinião | "A troca" de Beth O'Leary

P_20201121_115153.jpg

Não há nada tão pessoal como a forma como cada ser humano escolhe lidar com a dor emocional. Gerir emoções negativas é um processo individual e que obedece a leis muito próprias. 
Infelizmente, o julgamento social sobre o comportamento adotado na hora de lidar com emoções tristes ainda está muito presente. 

A gestão emocional é um dos assuntos mais profundos retratados neste livro. É interessante perceber que um assunto tão sério é abordado de forma muito inteligente recorrendo a um tom divertido e descontraído. Esta forma descontraída de abordar coisas séries parece ser uma característica muito pessoal de Beth O'Leary.

Eileen e Leena, avó e neta. Mantêm uma relação especial, mas as respetivas vidas precisam de uma certa agitação. Eileen tem sede por conhecer a vida na cidade, Leena precisa de sair da ilha para ver a ilha. As duas acabam por trocar de lugares: Eileen vai para a casa da neta em Londres e Leena vai para a casa da avó que fica numa zona mais rural e cheia de particularidades. Cada uma, à sua maneira, me ofereceu momentos muito divertidos. O quotidiano de cada uma delas é cheio de peripécias que conjugam um lado divertido com um lado mais sério relacionado com o luto, superação e auto-conhecimento. 

A questão do auto-conhecimento é um elemento muito forte neste livro. Acho que todas as personagens o vão desenvolvendo à medida que a narrativa avança. Eileen olha para a cidade e vê nela apenas um espaço para bons momentos. A sua passagem por Londres permitiu que ela apreciasse de outra forma a sua vida num lugar mais pacato. Aprendeu imenso na sua vida na grande cidade, conseguiu levar o seu espírito comunitário para o meio da selva citadina e soube olhar para dentro dela com outros olhos. Leena foi quem mais cresceu. Conseguiu ver para além da agitação dos seus dias, esforçou-se por aceder ao coração de um conjunto de pessoas que passou a ser importante para ela. Identificou os seus limites e as suas necessidades, redefiniu sonhos e atribuiu um novo significado ao amor romântico.

Há um grupo de idosos super divertido que confere à história uma dinâmica muito interessante. Também a vida deles é um equilíbrio entre o lado engraçado da vida e o lado sério e com problemas urgentes para serem resolvidos. 

Foi bom descobrir uma esta autora. Li o livro numa altura em que necessitava de uma história com uma mensagem positiva e com um final feliz. Este tipo de livros é uma "vacina" contra os dias taciturnos e problemas pessoais que me obrigam a reagir. "A troca" foi um "aspirador" mental das más energias. Fiquei com imensa vontade de ler mais livros da escritora. 

Já leste algum livro desta escritora? Qual foi a impressão com que ficaste da leitura?

Classificação

23
Dez20

Opinião | "A Rainha Perfeitíssima" de Paula Veiga

P_20201121_115437.jpg

Descobri a minha paixão por romances históricos já tarde no meu percurso de leitora. Talvez tenha acontecido porque o meu interesse pela História também chegou já no final da adolescência. 
Hoje em dia é sempre com algum entusiasmo que me "atiro" numa leitura com uma forte componente histórica.

"A Rainha Perfeitíssima" é um livro dedicado à Rainha D. Leonor, que é, também a narradora de todos os acontecimentos.

A sequência narrativa é muito confusa. Ainda ponderei se esta confusão advinha dos meus escassos conhecimentos relativamente a este período da História de Portugal. Porém, já li outros livros históricos, que retratavam épocas e acontecimentos completamente desconhecidos para mim e com os quais não senti nenhuma dificuldade. Aliás o meu conhecimento no fim da leitura aumentou. Por esta razão, considero que o problema está mesmo no livro, mais especificamente na forma como a história foi contada.
A leitura tornou-se um pouco aborrecida. Os factos eram narrados de uma forma demasiado factual. Faltou um toque mais emocional. Faltou a inclusão de elementos capazes de enriquecer aquilo que D. Leonor ia contando.

Na capa prometia: "Esta é a história de Leonor de Lencastre, a mais culta e rica das rainhas portugueses. E também a mais trágica". No meu entender, ficou-se pela promessa porque os acontecimentos narrados eram desprovidos de emoção e intensidade ilustrativas de uma vida trágica. Também é um livro carente na capacidade de mostras as características das personagens que integram a narrativa. Há demasiada narração e pouca demonstração.

Paula Veiga tem outro livro publicado, também ele um romance histórico. Ainda não sei se quero ler. Preciso de tempo para esquecer esta leitura. Talvez, mais tarde, depois de esquecer esta leitura, dê uma nova oportunidade à escritora e, assim, ter a oportunidade de construir uma opinião mais sólida.

Classificação

21
Dez20

Opinião | "O homem de giz" de C. J. Tudor

P_20201031_111308.jpg

Andava muito curiosa para ler este livro. As opiniões positivas multiplicavam-se pelos canais de comunicação dedicados aos livros, a capa criou em mim um chamamento ao qual não estou habituada e a sinopse deixava no ar a perspetiva de um thriller onde o jogo psicológico entre leitor e narrativa se adensava a cada página.

Eddie é o porta-voz de todos os acontecimentos. É um narrador um pouco irritante. No fundo, ele sabe tudo mas mede muito bem aquilo que escolhe oferecer ao leitor. Prefere ir "cozinhando" a curiosidade alheia aos poucos. Nem sempre me irritou esta atitude ponderada do Eddie. Porém, houve alguns momentos em que me senti que a atitude mais descontraída do Eddie e a sua forma de contar a história me estava a tomar como uma leitora ignorante e com pouca capacidade intelectual. 

Relativamente ao conteúdo em si, posso dizer-vos que me agradou a complexidade que foi sendo criada em volta do grupo de amigos adolescentes e dos adultos que povoavam as suas vidas.
O simbolismo fez parte de muitos momentos desta história. Os desenhos em giz têm um papel interessantes no desenrolar de alguns acontecimentos. Contudo, estava à espera de algo mais intenso e com maior impacto na narrativa.

Não foi uma leitura extremamente viciante, mas foi capaz de captar a minha atenção e curiosidade. Foi algo que aconteceu de forma mais suave. Nem sempre senti aquela adrenalina intensa que me obriga a devorar páginas em busca das respostas às minhas teorias.

O livro aborda alguns assuntos importantes e deixa espaço à reflexão pessoal. O bullying protagoniza um dos acontecimentos que mais me marcou em toda a leitura. Neste acontecimento foi possível constatar que os miúdos conseguem ser muito cruéis. Têm uma capacidade infinita de destruir emocionalmente os outros. Houve espaço para pensar e refletir sobre este tipo de acontecimentos, assim como do seu impacto no desenvolvimento pessoal.
Outro espaço de reflexão surge com as escolhas. Qual o impacto que as escolhas que fazemos em momentos cruciais da nossa existência têm naqueles com quem nos relacionamos? Pensei muito sobre isto, porque o livro é preciso na condução do nosso pensamento em direção aos "E ses?" que povoam a nossa existência. Muitas vezes, uma única escolha nossa condiciona a vida de outras pessoas. E condiciona de uma forma que exige uma antecipação das consequências de quem toma por opção fazer algo.

De uma forma geral considero que foi uma boa leitura dentro do género. Fiquei com vontade de conhecer outros trabalhos desta escritora. 

Classificação

16
Dez20

Opinião | "Correria dos pássaros presos" de Ana Gil Campos

correria dos pássaros presos.jpg

"Correria dos pássaros presos" é um retrato daquilo que são muitas das relações no século XXI.
É um livro muito marcado pela crítica social, espelhadas nas narrações que remetem o leitor para a dependência comunicacional através das tecnologias. Além deste aspeto, a história deixa transparecer as dificuldades das pessoas em quebrar as barreiras virtuais e em criar laços pessoais que só as relações cara a cara possibilitam.

A premissa que dá corpo a toda a construção da narrativa é muito interessantes. A autora conseguiu articular as personagens e os acontecimentos de forma a deixar espaço aos leitores para refletirem. São reflexões que acompanham diferentes fases da narrativa e é pelas "mãos" de Cândida e das suas escolhas e visões que o leitor vai conseguindo estabelecer um paralelismo entre a realidade e aquilo que vai acontecendo na história.

A leitura é agradável. O livro tem capítulos curtos, bem escritos e que permitem um leitura rápida e fácil. 
Tal como me aconteceu com obras anteriores da escritora, senti algum dificuldade em estabelecer uma relação mais emocional e intensa com o livro e com as personagens. Ao longo da leitura senti-me como se estivesse a ler um livro de não ficção ou um artigo científico porque existia interesse em continuar na leitura, porém mantinha com ele uma certa distância emocional. 

Não consigo identificar o que cria esta dificuldade. Acredito que possa ser mais um resultados da relação entre as minhas características de personalidade e aquilo que estou a viver no momento em que leio os livros. É aquela componente muito subjetiva que estabelece os padrões de relação entre o leitor, o livro e a história.

Tendo em consideração que o livro está bem escrito e dá corpo a uma premissa interessante, acredito que o livro possa traduzir-se numa leitura interessante para outro leitor. 

Classificação

 

14
Dez20

Opinião | "Morder-te o coração" de Patrícia Reis

P_20201031_110856.jpg

Não conhecia nada sobre o livro nem sobre a escritora. Foi uma leitura às cegas, uma escolha aleatória de um livro disponível na prateleira.

A história gira em torno de uma mulher que se divide em buscas e fugas. Foi apenas isso que consegui reter da leitura.

O tom da narrativa é um pouco aborrecido. Dei por mim  a avançar pelas páginas sem reter emoções, reflexões ou sorrisos. No fundo li-o e terminei-o porque o seu tamanho reduzido evita o abandono.

Analisando friamente o livro e olhando exclusivamente para os aspetos formais que o compõem posso dizer que o livro está bem escrito, sem erros, sem falhas na construção da história. Contudo, senti a ausência de um conjunto de características capazes de me mexer com as emoções e de me fazer criar laços com a narrativa e com as personagens. 

Não sei se a escritora escreveu mais livros. Também não sei se terei vontade de saber para ponderar dar uma nova oportunidade à escritora. Talvez vocês tenham alguma opinião mais positiva a respeito das obras da autora e me deixem com vontade de apostar noutro livro (caso exista). 

O que é que vos apetece partilhar? 

Classificação

18
Nov20

Opinião | "Sem saída" de Cara Hunter (DI Adam Fawley #3)

P_20201031_114129.jpg

Cara Hunter tem uma forma muito pessoal de construir as suas histórias. Ela vai aos pormenores e oferece ao(à) leitor(a) uma experiência de leitura que o(a) aproxima dos acontecimentos de uma forma inexplicável. Nós estamos ali! 

Podemos ver relatórios, entrevistas, notícias, opinião pública... Isto para mim faz a diferença porque dá um toque de originalidade ao livro. 
"Sem saída" apresenta-nos uma narrativa complexa. Está tão bem encadeada que me levou a meia dúzia de becos sem saída; ou seja, eu lá ia formulando as minhas teorias e a escritora trocava-me sempre as voltas.

Michael é o rosto de uma família destroçada. Um homem que liga as personagens e os acontecimentos. Foi ele o responsável pelas voltas e becos sem saída que iam passando pela minha mente. A minha ideia em relação a ele flutuou imenso ao longo da leitura. É engraçado que acho que isto só aconteceu porque a escritora fez um belíssimo trabalho de caracterização. Uma personalidade algo flutuante, conjugada com acontecimentos e conflitos certos permite um conjunto de sentimentos ambivalentes a ele.
Paralelamente, a narrativa vai permitindo que alguns aspetos relativos as personagens residentes sejam desenvolvidos. Considero este cuidado muito importante, pois ganho uma ligação diferente com as personagens.
É claro, o livro termina deixando em suspenso pontos importantes para o volume seguinte.

A escrita é fluída, envolvente e articula-se de uma forma eficaz para narrar uma história complexa e cheia de reviravoltas. 

Em suma, "Perto de casa" conquistou-me o coração. "No escuro" inundou-me de adrenalina e deixou bem claro o talento de quem o escreveu. "Sem saída" conquistou-me o intelecto e solidificou todas as sensações e emoções positivas que só uma boa leitura sabe semear. Sinto-me conquistada a cada livro lido!

Classificação

16
Nov20

Opinião | "As joias do sol" de Nora Roberts (Trilogia Irlandesa #1)

P_20200202_150641.jpg

Longe vai o tempo em que Nora Roberts era uma aposta segura. Os últimos livros que li da escritora não conseguiram encantar-me. Não foram capazes de me fazer vincular às personagens e às suas vivências.
Foi estranho para mim ler este livro. Senti-me desconectada com tudo o que ia acontecendo. Acabou por ser uma leitura pouco intensa e que não me desperto muitas emoções. Nem as descrições das paisagens idílicas da Irlanda foram suficientes para me deixar a sonhar com viagens.

"As joias do sol" é um livro que nos conta a história de Jude, levando-nos pelos caminhos da sua auto-descoberta. É uma mulher descontente com o seu presente e que vai para a Irlanda em busca de algo que lhe faça sentido e que acalme a sua impaciência. 

E depois? Depois juntam-se os ingredientes comuns aos vários livros de Nora Roberts: romance, magia e cenas mais eróticas.

Talvez tenham sido as componentes mágicas que me incomodaram a leitura. Ou então a fórmula de construir relações literárias que já não conquista nem faz com que o meu coração palpite de entusiasmo. Na realidade, e olhando para tudo com mais clareza, acho que foi a conjugação destes dois aspetos, aliados a minha baixa disponibilidade mental para ler que interferiram nesta minha experiência literária. 

Guardo desta leitura a experiência minimamente agradável, mas que facilmente irei esquecer. Cumpriu o seu propósito de entreter, mas não ganhou espaço nas minhas preferências.

Classificação

12
Nov20

Opinião | "Razões para viver" de Matt Haig

P_20200925_192510.jpg

Na altura em que este livro saiu foram publicadas opiniões muito positivas. 
A minha área de formação está intimamente ligada à Saúde Mental. Por isso, tinha imensa curiosidade em conhecer o conteúdo deste livro. 

"Razões para viver" é um relato na primeira pessoa de alguém que lutou contra a depressão e a ansiedade; duas doenças mentais muito graves, incapacitantes e que, muitas vezes, são desvalorizadas pela população em geral.

O autor fez uma descrição muito lúcida daquilo que viveu nos períodos mais complicados da doença. Numa linguagem simples e acessível, Matt consegue colocar em palavras os sentimentos e as emoções dolorosas que o assolaram, ao mesmo tempo que vai apresentando de que forma foi combatendo as sombras negras que se abatiam sobre a sua mente.
Para mim é impossível ler este livro desconectando-me do meu lado profissional. Por isso, à medida que ia lendo, ia fazendo algumas reflexões mais complexas tendo em consideração os meus conhecimentos e a forma como Matt ia conseguindo vencer o sofrimento psicológico que o acorrentava. 

Matt teve lucidez suficiente para perceber que não estava bem. Teve ao seu lado pessoas que foram capazes de lhe dar esperança, de o agarrar à realidade e ajudá-lo a ultrapassar os seus problemas. Além disso, ele foi capaz de descobrir um conjunto de atividades que despertavam nele emoções positivas e lhe ofereciam sensações de bem-estar e alguma "normalidade". 
Ao longo de todas essas descrições, Matt deixa algo que eu considero muito importante: cada pessoa tem a sua forma de lidar e superar os seus sentimentos negativos. O que funciona para umas pessoas, pode não funcionar para outras. 
Eu sou muito sensível a esta questão. Na minha prática clínica, eu procuro sempre descobrir com a pessoa que tenho à minha frente a melhor forma de intervenção que a levará a ultrapassar aquilo que a levou a pedir ajuda. 
Sei as teorias, sei as técnicas (que vou sempre aperfeiçoando com pesquisa e leitura), mas o conhecimento que detenho sobre elas deve ser ajustado às características da pessoas  e às necessidades que ela evidencia. Nem sempre é fácil desenvolver esta sensibilidade, mas é um exercício que procuro sempre fazer. 

Outro ponto interessante que retiro desta leitura é a desmistificação em relação ao suicídio. É comum as pessoas apelidarem-no de "ato corajoso" ou "ato de cobardia", depende do ponto de vista. Matt acaba por mostrar que o suicídio não é nenhuma destas duas coisas. 
O suicídio é, quase sempre, uma forma de acabar com o sofrimento psicológico. Sofrimento este que é tão intenso que o suicídio é a única forma capaz de silenciar essa for.
Por isso, dizer-se que uma pessoa com depressão foi corajosa ou cobarde optando pelo suicídio é errado e, ao mesmo tempo, é uma forma de desvalorizar um sofrimento demasiado intenso e silencioso.

"Razões para viver" é um livro que está construído para que qualquer pessoa possa ler e inspirar-se na forma como Matt lutou para ultrapassar algumas das suas dificuldades.

Classificação

 

10
Nov20

Opinião | "Correntes" de Patrícia Morais

55459780._SY475_.jpg

Ser convidada por uma escritora para rever o seu livro é motivo de orgulho. Ser convidada, mesmo sabendo que o género literário não figura na minha lista de favoritos, a honra é ainda maior. A Patrícia conhece os meus gostos literários, sabe que não sou fã de fantasia e, mesmo assim, convidou-me a ler o seu novo trabalho.

"Correntes" é um spin-off do universo retratado nos livros "Sombras" e "Chamas" anteriormente escritos pela escritora. 
Tenho lido quase tudo o que ela publicou e tenho-me apercebido da sua evolução enquanto escritora. Essa evolução está presente na construção da narrativa, na descrição de cenários... Mas aquela que mais me tem agradado é a capacidade de descrever e humanizar as personagens. Este último aspeto está bem presente no livro "Correntes". 

Da minha leitura, eu divido esta obra em duas partes distintas: a parte com elementos sobrenaturais e parte sem elementos sobrenaturais. 
Ambas estão bem escritas, os acontecimentos são bastante interessantes e é fácil sentirmo-nos envolvidos na leitura. Porém, o meu gosto pessoal fez-me adorar a parte onde os elementos da fantasia não estão tão presentes. Acompanhar a vida de Ada, conhecer as suas dificuldades, acompanhar as suas lutas e a forma como escolhe viver o seu amor e a sua amizade foram os elementos que mais me apaixonaram e mais conseguiram captar o meu interesse e a minha atenção. 
Os elementos sobrenaturais não deixam de ser interessantes, só não despertam em mim o mesmo interesse que os outros elementos do livro despertam.

No geral, é uma leitura que vale a pena. Para quem não leu as outras obras da autora, não se preocupe que o desconhecimento não interfere na compreensão do conteúdo de "Correntes". É um trabalho que pode ser lido de forma independente. 

Chamo a atenção para uma campanha lançada pela Patrícia. Ela é uma pessoa de causas, de lutas e de participação cívica. Quem comprar as obras dela até ao Natal está a apoiar uma causa muito importante. A Patrícia irá usar algum dinheiro que recebe com a venda dos seus livros para comprar livros de autores nacionais para oferecer às casas de acolhimento residencial de crianças e jovens. Para mais informações, podem falar com a autora através da sua página do Instragram

Classificação

26
Out20

Opinião | "O mapa do coração" de Susan Wiggs

Pink and Peach Freeform Art Instagram Post.jpg

"O mapa do coração" foi uma leitura que se revelou uma excelente surpresa. Tinha lido a sinopse, mas não consegui perceber que a história deste livro incluía uma bela viagem ao passado.

Terminada a leitura, posso dizer que o título não é muito apelativo e acho que não ilustra muito bem aquilo que encontramos nestas páginas. 
O livro mistura um romance contemporâneo com apontamentos de acontecimentos que marcaram a ocupação de França pelos Nazis durante a Segunda Guerra Mundial. No presente e no passado há amores que foram eternizados em palavras e em fotografias.

O passado acabará por explicar o presente. Nestes dois espaços temporais cabem sonhos, segredos e elementos que precisam do seu tempo para serem resolvidos. E todo o encaixe entre passado e presente foi ganhando forma e encantou-me pelos pequenos detalhes que marcam o desenrolar dos acontecimentos. 

Passado e presente, o que é que eu gostei mais? Passado, sem dúvida alguma. A história de Lisette é intrigante. A autora jogou muito bem com essa intriga dando informação de forma espaçada para que a expetativa nascesse no interior do leitor. E, nos pedaços de história que vão sendo oferecidos, conhecemos uma mulher cheia de garra e inteligência. Soube-me a pouco. Precisava de mais páginas a narrar a vida desta mulher. Não tem muitos elementos históricos. Surgem apenas os suficientes para contextualizar a época e as atitudes e comportamentos das personagens. Foi uma contextualização importante, da qual gostei muito e que me permitiu conhecer outro lado de um episódio negro da história mundial.

O presente é protagonizado por Camille, uma mulher transformada pela morte do marido. É uma personagens interessante. Porém, acho que só a compreendi verdadeiramente depois de perceber os acontecimentos que culminaram na morte do marido. 
O romance construído em torno desta mulher é previsível, mas em nada afetou o prazer da minha leitura, ou seja, a previsibilidade não lhe retirou o encanto. 

Julie, filha de Camille tem um papel bastante importante no livro. Através desta jovem conhecemos lugares menos bonitos da adolescência. Conhecemos o impacto do bullying (acho que o tema careceu de uma melhor abordagem para que pudesse tornar-se mais expressivo; a resolução deste problema adotou alguns aspetos que me deixaram apreensiva) e a libertação do sofrimento que advém de uma realidade tão séria e capaz de arruinar a auto-estima de qualquer pessoa.

Houve ainda espaço para outro tema importante: a homossexualidade. Foi uma abordagem subtil, mas com um enorme significado na resolução de alguns conflitos da narrativa. Gostaria de o ver mais desenvolvido, manifestado numa caracterização psicológica e social mais complexa. 

Há muitas coisas que fazem a ligação entre passado e presente, mas a mais interessante é a fotografia. Quantas memórias uma fotografia pode guardar? O que é uma fotografia pode eternizar? Que magia nasce nos olhos de quem vê uma fotografia de um passado distante sem lhe conhecer o contexto? Estas questões são explicadas na narrativa deste livro. Estes elementos trouxeram-me um pouco de magia e positividade. Eu não gosto de ser fotografada, mas gosto de fotografias pala sua capacidade de desencadear histórias e memórias. 

É um bom livro para fugir da realidade. A possibilidade de podermos viajar para o sul de França, num verão quente e a possibilidade de olhar para as águas do Mediterrâneo e de sentir o perfume da lavanda foram sensações dolorosamente boas. Escrevo dolorosamente porque estava a sentir à distância. O real desejo era estar lá. 

Foi a minha primeira experiência com a escritora Susan Wiggs. Dada a boa experiência de leitura fiquei com vontade de conhecer mais obras da escritora.

Classificação

Nota: O ebook foi-me disponibilizado pela editora em troca de uma opinião sincera.

Leitura com o apoio de:

logo-web.png