Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Por detrás das palavras

Opinião | "O homem das castanhas" de Søren Sveistrup

18.04.22

Untitled design (10).jpg

"O homem das castanhas" andava na minha lista de interesses há muito tempo, muito por causa das boas impressões que iam sendo partilhadas.

O momento que marca o início desta história é bastante intrigante. Uma mulher foi brutalmente assassinada e uma das mãos foi decepada e levada pelo assassino. Junto ao corpo, foi deixado um boneco feito de castanhas e paus. Esta pista acrescenta um lado ainda mais misterioso ao cenário do crime. Sem qualquer explicação são encontradas impressões digitais de uma pré-adolescente que desapareceu há um ano e que foi dada como morta. Esta jovem era filha de uma importante figura política do panorama político do país.

Esta ligação agita outros aspetos da narrativa, nomeadamente, a posição política da ministra e os dramas familiares que se tecem em torno destas pessoas. 
As ligações entre dramas familiares, crimes e personagens que vão aparecendo na narrativa são cativantes e instigam a curiosidade. Contudo, o meu ritmo inconsistente de leitura dificultou-me a construção mental da história e do papel de cada personagem nos acontecimentos que se iam sucedendo. Esta leitura beneficia de um ritmo de leitura constante e consistente ao longo dos dias, por isso as paragens e a leitura de poucas páginas por dia dificultam a  minha imersão na narrativa. No fundo, são muitas personagens e muitos acontecimentos que têm pontos de contacto entre si e que precisam de uma leitura consistente para não perdermos os pontos de interação que nos levam a uma explicação global. O tamanho reduzido da letra da letra também dificultou o meu processo de leitura. Achei-a demasiado pequena! 

Gostei muito da escrita gráfica e pormenorizada das cenas de crime e relacionadas com o desenvolvimento do enredo que culminaria com a explicação de todas as pontas soltas que foram sendo semeadas ao longo do livro. Foi muito inteligente a forma como o escritor foi conduzindo o leitor por diferentes teorias e raciocínios, mas todos eles interessantes e bem construídos.

A dupla detetives, Naia Thulin e Mark Hess também protagonizam momentos interessantes e intrigantes. Mark tem o seu lado mais misterioso que acaba por oferecer outro ponto de interesse à história. Gostei da dinâmica entre os dois e da forma como constroem a sua relação profissional e pessoal.

Este livro reforça o prestigio que os(as) escritores nórdicos estão ganhar relativamente à escrita de thrillers e policiais. Fiquei com vontade de conhecer mais obras deste autor.

Classificação

Opinião | "Cerimónia mortal" de J. D. Robb (Série Mortal #5)

11.04.22

Untitled design (9).jpg

Desde 2015 que não pegava num livro da Série Mortal escrita por J. D. Robb. Quando descobri esta série, delirei com as histórias. A sua essência futurista, a sua veia policial e uma relação amorosa transcendente foram elementos certeiros e com uma enorme capacidade de captar o meu interesse enquanto leitora. 

Atendendo à minha experiência anterior, parti para a leitura com a expetativa de rever personagens queridas e uma história alucinante. A realidade é que a leitura não foi capaz de responder de forma eficaz às boas expetativas que tinha. É certo, eu cresci enquanto leitora! A minha disponibilidade mental não tem andado nos melhores dias. E, claro, acho que os meus interesses literários já não vão ao encontro dos elementos que caracterizam esta série e estes livros. 

Nesta leitura, a realidade futurista oprimiu-me. A poluição atmosférica, que aparece muitas vezes retratada nas cenas exteriores, deixou-me nauseada e incomodada. Uma sensação estranha que incomodou a minha leitura. Eve e Roarke não me encantaram da mesma forma que em leituras anteriores. O crime envolto em cultos e crenças não me entusiasmou, nem me espicaçou o interesse. Talvez por ser uma aspeto pelo qual não sinto interesse ou vontade de saber mais. 

Não estou a colocar em causa a qualidade do livro. Não detetei incongruências na narrativa; não houve cenas incompletas ou mal explicadas; no fundo, não encontrei nada que pudesse colocar em causa a qualidade da narrativa e da sua construção.
Foi a minha experiência pessoal com o livro, e a esta minha opinião resulta de uma incompatibilidade com aquilo que o livro me ofereceu.

Agora fica a dúvida se devo ler mais livros da série ou encerrar por aqui a minha experiência com estes livros. É certo que eles marcaram uma fase da minha vida e que me ofereceram boas leituras e bons momentos. Será que os devo deixar nessa fase? Será que voltarei a desiludir-me? Muitas questões para as quais ainda não tenho resposta!

Que livros vos entusiasmaram numa determinada fase da vida e que hoje já não vos oferecem bons momentos de leitura?

Classificação

Opinião | "Fica comigo" de Noelia Amarillo

21.03.22

Untitled design (7).jpg

Pouco conhecia acerca deste livro. Mesmo assim, decidi arriscar em comprá-lo e ver se o mesmo se tornaria numa boa leitura. Este pouco mais de um ano na parte da estante onde habitam os livros não lidos. No princípio de fevereiro, achei que era a altura de pegar no livro e experimentar a leitura.

Fica comigo é uma história intensa que se desenvolve de forma rápida e cativante. Um livro para quebrar alguns preconceitos e mostrar o verdadeiro poder da solidariedade. 
Dolores confiou no Jared. Conseguiu ler além do seu aspeto físico e perceber que Jared era apenas um jovem a quem a vida mostrou as garras da dificuldade. Irritou a sua neta, Nuria, a forma como acolheu Jared. E foi exatamente esta forma de acolher que permitiu que este jovem ganhasse um propósito, mostrasse as suas qualidades humanas e quebrasse cada um dos preconceitos que a Nuria tinha acerca dos sem abrigo.

O livro é de uma doçura mágica e que mostra o poder de uma comunidade. Mostra o lado bonito de se unirem para ajudar uma pessoa e essa pessoa agarrar com as suas mãos cada uma das oportunidades que iam aparecendo à sua frente.

Senti, em alguns momentos, que a escritora deveria ter tido menos pressa na apresentação e desenvolvimento dos acontecimentos. Apesar da história funcionar muito bem assim, há passagens que mereciam uma maior profundidade.

A história é muito empática que aborda as consequências da crise económica. Se para quem tem uma vida profissional estável ou um emprego mais ou menos garantido, é complicado viver; para quem vive na instabilidade laboral e perde o pouco que tem, a dureza das situações afigura-se ainda mais crítica. Jared viveu isso na pele, mas nunca perdeu a dignidade e a sua força de vontade em transformar a sua vida e sair do buraco para onde as circunstâncias o tinham atirado.

Apesar da sua força de vontade, ele precisava de ajuda. Conseguiu conquistar uma comunidade e essa comunidade fez com que, aos poucos, as coisas fossem mudando para ele. Há muitas pessoas que dizem que um sem abrigo, se quiser muito consegue sair da situação em que se encontra. Infelizmente, as coisas não acontecem só porque queremos muito, ou é um objetivo que perseguimos com toda a nossa força. É importante termos consciência que a nossa vontade e o nosso comportamento nem sempre são suficientes. Querer muito uma coisa, ter um objetivo definido, incita ao comportamento e à procura por aquilo que queremos. O Jared mostrou isso! Apesar da dureza das suas circunstâncias ele procurava manter a sua higiene, procurava ganhar dinheiro de todas as formas dignas possíveis e não desistia. Porém, por vezes, precisamos que haja alguma mudança do outro lado e nos permita concretizar aquilo que tanto procuramos. Se a Dolores não tivesse acreditado nele, lhe ter dado uma oportunidade e alimentando uma rede de suporte, talvez ele não se tivesse libertado da sua situação.

Por tudo isto, devemos ter muito cuidado quando acusamos outra pessoas de que se não conseguiu algo foi porque não quis muito. Dificilmente, saberemos o esforço que cada pessoa coloca para a realização dos seus sonhos. Por isso, não devemos menosprezar o insucesso de alguém e reduzi-lo ao facto de que ele se deve exclusivamente àquilo que a pessoa é.

Ler este livro relembrou-me esta minha visão sobre o ser humano e a sua condição. Caso escolhas ler este livro, espero que possibilite o desenvolvimento desta empatia e solidariedade.

Como é esperado, toda esta realidade é adoçada com uma bonita a intensa história de amor. É um amor doce, intenso e com um toque de sedução que acelera o coração de quem lê.

Classificação

 

Opinião | "A Maldição do Marquês" de Tiago Rebelo

22.02.22

Untitled design (1).jpg

A História de Portugal é rica em acontecimentos capazes de alimentar boas narrativas. As mãos de um(a) bom(a) escritor(a) conseguem pegar nos eventos e trazerem histórias memoráveis aos leitores.

A Maldição do Marquês é um livro que retrata o Portugal desde o terramoto de 1 de novembro de 1755 até ao final do reinado de D. José I. É um livro extenso que se debruça sobre as consequências do terramoto, o papel do Marquês de Pombal neste período histórico e a execução dos Távoras. 
Estes pontos despertam o meu interesse, contudo achei que foram demasiado acontecimentos para um livro só. Cada um deles tem informação suficiente para protagonizarem um único livro. Senti que o escritor, ao querer abordar tudo, não foi suficientemente profundo na sua análise. Mais, a diversidade de acontecimentos conduziu a uma diversidade de personagens. Foram muitas pessoas, muitos acontecimentos cruzados e isto dificultou-me a leitura. 

Apesar desta minha incompatibilidade com o livro, algumas das abordagens foram muito importantes e permitiram-me algumas reflexões.
Começo pelo Marquês de Pombal e pela versão romanceada que me venderam nas aulas de História. Nas aulas, ele foi sempre apresentado como o responsável pela reconstrução da capital e por mudanças legislativas que ajudaram ao progresso nacional. Contudo, a este homem também se deve um massacre que mancha a História nacional. O Marquês foi um homem que protegeu a sua posição junto do Rei, que soube arquitetar os maiores planos para controlar o comportamento do Rei e fazer valer as suas ideias. Nas minhas aulas de história nunca se falou nos Távoras. Só tomei conhecimento deste acontecimento através dos romances históricos, porém ainda não consegui perceber todos os contornos associados a esta situação; algo que irei colmatar com o livro que me ofereci no Natal.

Outra reflexão que o livro me suscitou está relacionada com o cognome de D. José I. Este rei recebeu o cognome de o Reformador. Por esta leitura, percebi que muitas das reformas foram da responsabilidade do Marquês, onde o Rei se limitou a aceitar as mudanças que o seu ministro decidiu aplicar ao reino.

Reconstruir uma cidade depois de uma tragédia enorme foi uma enorme desafio que o Marquês soube assumir e dirigir. Contudo, ele não o fez sozinho e senti que houve pouca referência a este aspeto. Continua-se a centrar na figura do ministro os louros pela reconstrução. Sim, ele foi importante; aliás, foi essencial para estruturar a população e orientá-la no sentido da reconstrução. A que custo é que isto foi alcançado? O povo deve ter trabalhado imenso. Sim, eles seguiram ordens e orientações; mas é a eles que deve o trabalho duro da reconstrução, limpeza e no restabelecimento da ordem e da saúde pública.

É inevitável a comparação com outros(as) escritores(as) nacionais que escrevem ficção histórica. E nessa comparação este livro fica a perder. Perde pela incapacidade abandonar a dispersão, perde pela escrita menos apelativa e pelo enorme conjunto de personagens que não me ajudaram a acompanhar a história.
Por outro lado, este é um excelente livro para conhecer um conjunto de acontecimentos importantes na História nacional, e isso foi importante para mim  enquanto leitora.

Classificação

 

 

Opinião | "Filosofia felina" de John Gray

03.02.22

Untitled design (28).jpg

Considero-me uma pessoa mais ligada aos cães do que aos gatos. Sempre me identifiquei com a lealdade dos cães e a forma especial com que criam laços com os humanos. Os gatos pareciam-me figuras distantes, egoístas e que olhavam para os humanos como alguém que lhes pode satisfazer as suas necessidades. 

Tive um cão durante quase 15 anos e, no último ano dele, uma gata acabou por entrara em casa sem querer. Acho que ela nos escolheu. Ou escolheu o meu cão, já que foi com ele com quem ela começou a sua jornada de se infiltrar aqui em casa. Foi uma amizade improvável, mas sentida. No dia em que o meu cão morreu, ela mostrou-se perdida e miava muito; como se estivesse a chamar pelo seu amigo. E aqui comecei a olhar para os gatos de outra forma.

Ela foi essencial nesta transição numa casa com cão e sem ele. A Riscas é um animal discreto, que adora fazer longas sestas ao sol ou em lugares quentes. Não abdica dos seus passeios pelos campos, onde passeia de forma descomprometida, sem pressa de chegar onde a esperam. É livre!! E essa liberdade, serenidade e calma inspiram-me. 

Esta nova visão sobre os gatos fez-me apreciar muito este livro de John Gray. Ele partilha histórias inspiradoras onde os gatos são protagonistas ao mesmo tempo que se alonga em reflexões sobre a essência humana e o quão ela poderá beneficiar se se aproximar mais da forma de viver dos felinos. 

O autor recorre a uma linguagem muito simples e fácil criar uma ligação com o livro. É uma ligação mais filosófica, de aprendizagem e reflexão, da qual eu gostei muito. Dei por mim a parar em determinadas partes para analisar mais profundamente a mensagem que elas estavam a transmitir.

O livro termina de uma forma muito curiosa. O autor apresenta-nos dez conselhos felinos para uma boa vida que me deixaram uma boa sensação final. De todos destaco o "Durma pela alegria de dormir" e "Cuidado com quem o quer fazer feliz". É verdade que nunca vi animais tão plenos a dormir como os gatos. Eles são felizes só pelo simples facto de se puderem estender ao sol e fazer uma sesta revigorante. É bom dormir e deixa-os felizes. Acho que é importante esta visão do sono. Relativamente à necessidade de termos cuidado com quem diz que nos quer fazer feliz é algo que merece uma análise mais profunda. Primeiro, nós temos de ser felizes por nós próprios. Por outro, quais os reais motivos de quem nos diz que nos quer fazer feliz? Será que está infeliz ou em sofrimento e alimenta-se das nossas energias para se sentir melhor? Será que também espera que seja o outro a proporcionar-lhe a felicidade que ele não sente? É complexo e pode ter mil e uma leituras. Mas a verdade é que um gato é feliz por si próprio e pela sua vida. Não almeja fazer o humano feliz, nem espera que seja o humano a dar-lhe a felicidade. Também não a procura. É um ser que se limita a ser feliz na sua condição e por tudo aquilo que a vida de lhe oferece. 

Como é que o teu gato/cão entrou na tua vida? Tens alguma história engraçada para partilhar? Fico à espera dela nos comentários.

Classificação

 

Opinião | "Que ossos curiosos!" de Janet & Allan Ahlberg

14.01.22

Untitled design (25).jpg

Acho que os livros infantis não têm idade, ou seja, não são apenas para crianças são para pessoas de todas as idades. Esta é a minha opinião porque, na generalidade, estas histórias trazem mensagens e valores importantes e que estimulam a reflexão do leitor.

Leio menos livros deste do género do que aquilo que eu gostaria; mas sempre que tenho uma oportunidade de ler, aproveito. 

"Que ossos curiosos" conta a história de dois esqueletos que decidem fazer umas travessuras na noite de Halloween.
Esperava um pouco mais da mensagem desta narrativa. Tornou-se tudo demasiado repetitivo, fazendo com que a narrativa perdesse um pouco a profundidade e o sentido.

Poderá ser engraçado para os miúdos explorarem as palavras, os sons repetidos e explorarem as ilustrações. O pormenor da capa (os esqueletos brilham no escuro) também poderá ser atrativo.

Classificação

Opinião | "O teu aroma a pêssego" de Megan Maxwell

08.01.22

Untitled design (22).jpg

A leitura deste livro marcou a minha estreia com a as obras de Megan Maxwell. De uma forma geral, este livro reúne romance, diversão e paixão. Estes ingredientes surgem bem misturadas por um discurso ligeiro que se assume como uma narrativa rápida e cativante. 

Ana é uma fotografa inglesa a viver e trabalhar em Madrid. Esta mudança representa uma fuga de uma realidade que a asfixiava. Esta jovem adulta é descontraída e autoconfiante. Tem uma personalidade vincada, é assertiva nas escolhas que faz, mas tem um lado mais inseguro. Estas inseguranças são o resultado das vivências que motivaram a sua fuga. Um dia ela cruza-se com Rodrigo, um bombeiro espanhol que a deixa a suspirar. 

Inevitavelmente surge uma ligação entre eles que origina cenas muito divertidas. Há encontros e desencontros emocionais, há conflitos caricatos que surgem de mal entendidos que se vão complexificando ao longo do livro. Tudo isto confere um tom muito divertido à história e eu dei por mim a descontrair do stress do quotidiano.

O assunto que motivou a fuga da Ana é muito importante. Tive pena da forma superficial com que ele foi abordado. Sei que este não era o foco do livro, mas como ele foi introduzido merecia um pouco mais de destaque.

O livro serviu o seu propósito de entreter e divertir. Permitiu-me desligar da realidade e experienciar emoções positivas e cheias de amor. 
Não é uma obra memorável, mas ofereceu-me bem-estar e deixou-me com vontade de recorrer a mais obras da escritora quando precisar de reduzir o stress do dia a dia. 

Classificação

Opinião | "Até os comboios andam aos saltos" de Célia Correia Loureiro

05.01.22

Untitled design (21).jpg

"Até os comboios andam aos saltos" é o espelho da coragem de uma jovem adulta que passa para o papel os pensamentos e as emoções mais íntimas. Ler estas páginas e ver a alma da Célia a despir-se de filtros e da desejabilidade social. É trazer para estas páginas aquilo que realmente sente, sem o medo de ferir a suscetibilidade de quem a lê. Avançar despida deste medo, é coragem. E eu sentia em cada relato que expunha as suas relações mais profundas. 

Como escrever sobre um livro que é o espelho de uma alma humana? Como colocar em palavras todos os pensamentos que me atravessaram a mente enquanto acedia ao interior da Célia? É difícil!! Qualquer coisa que eu possa escrever acerca de tudo isto é injusto. São as vivências de uma pessoa, são as dores físicas e emocionais de gentes reais, são pensamentos que moldam a personalidade de uma pessoa que eu admiro.

O meu primeiro contacto com a Célia foi em 2015 (se a memória já não me está a falhar) e cheguei até ela pelas mãos de outra escritora que me indicou como leitora beta. E, assim, o primeiro livro que leio da Célia é "Uma mulher respeitável" ainda antes deste livro nascer fisicamente. Depois desta experiência fui lendo tudo da Célia. Adorei a escrita e a maturidade com que ela construía enredos e personagens. "Até os comboios andam aos saltos" ajuda a compreender de onde vinha a maturidade dela e como é que ela conseguia entrar na mente das suas personagens de forma a fazer sobressair universos emocionais credíveis, complexos e multidimensionais. A vida e as pessoas com quem se cruzou obrigaram-na a desenvolver essa maturidade que ela tão bem direcionou para as suas histórias. 

Este livro é um diário intimista, com relatos duros e crus. Não há filtros que dourem os pensamentos e as relações que vão sendo apresentadas. Os alicerces relacionais são frágeis e  a Célia vive imensa num conjunto de fatores de risco que deixam vulnerável. Os avós são proteção e neste livro está subjacente o quanto ela se agarrou a eles para fintar caminhos de risco. Conhecemos a disfuncionalidade que se adensa e transforma, mas que nunca interfere na lucidez da Célia. Isto é admirável. 

Eu já tinha um enorme respeito pela Célia, posso até dizer admiração dado que conheço alguns acontecimentos da vida dela. Este livro aumentou a minha empatia para com ela e admiração pela sua coragem em fazer diferente e em quebrar os padrões disfuncionais que ela conheceu. 

Sei que há aqui um toque ficcional que é essencial para nos deixar na dúvida e não quebrar uma espécie de encanto que caracteriza este livro. Em alguns momentos acho que consegui perceber quando estava perante um elementos de ficção. Nestas partes, senti a falta da profundidade emocional que tão bem contextualiza alguns momentos cruciais do livro. 

Estive para não atribuir estrelas a este livro. Estava a fazer-se confusão classificar a dor humana, as vivências singulares de uma pessoa comum. Após alguma reflexão, decidi que poderia classificá-lo com base na coragem exposta e na forma como as palavras são capazes de ilustrar emoções. E, assim, nascem as cinco estrelas bem merecidas.

Classificação

 

Opinião | "Conta-me o teu segredo" de Dorothy Koomson

04.01.22

Untitled design (20).jpg

Cá continuo na saga de partilhar as opiniões de livros que li em 2021. Poderia deixar de as publicar, mas não me faz sentido deixar de partilhar só porque foram lidos o ano passado. Peço-te mais um pouco de paciência com a enchente de publicações, mas quero deixar tudo alinhado para me dedicar ao conteúdo deste ano.

Os livros mais recentes de Dorothy Koomson representam um afastamento do seu estilo inicial. Os mais recentes têm alguns contornos que os aproximam mais do género thriller/suspense. Independentemente do género pelo qual a escritora opte, eu gosto quase sempre dos seus livros. Gosto da escrita, dos bons diálogos e da forma como ela consegue colocar em palavras as várias tonalidades da essência humana. 

O assassino da venda é o elo de ligação entre a voz narrativa de Pieta e a voz narrativa da Jody. Uma é jornalista, a outra é inspetora da polícia. As vivências pessoais de cada uma delas cruzam-se no presente, mas é no passado que se começa a delinear aquilo que as une na atualidade. O assassino da venda deixou marcas na vida destas duas mulheres e é essa pessoa que as vai levar por novos caminhos.

Jody tem uma necessidade pessoal de encerrar o caso e dar descanso aos fantasmas que as atormentam. A Pieta só quer que os seus fantasmas permaneçam no lugar onde ela os decidiu encerrar há muito tempo. São duas posições antagónicas que geraram conflitos e adensaram a narrativa. Foram também estas posições que possibilitaram o crescimento das personagens e um melhor reflexo daquilo que eram as vulnerabilidades de cada uma delas. Além disso, a partir daqui que novas informações sugiram com o avançar da narrativa. 
Alguns aspetos eram previsíveis, mas a escritora conseguir criar bons pontos de tensão e interrogação no leitor. Assim, apesar de eu já desconfiar de algumas coisas relacionadas com Pieta, o meu interesse na narrativa manteve-se. Isto aconteceu porque a minha maior motivação era aceder ao universo emocional desta personagem. 

Para mim, o ponto forte do livro está relacionado com a tentativa da autora em desmistificar o papel de vítima.
Há fatores de risco que aumentam a vulnerabilidade de uma pessoa e, consequentemente, fazem disparar a probabilidade de se ver envolvida em determinadas situações de risco e/ou perigo. Por exemplo, ser-se mulher aumenta a probabilidade de ocorrência de situações de abuso sexual; um bebé com um temperamento mais difícil aumenta o risco para a ocorrência de situações de maltrato ou negligência. É com base nos fatores de risco que, muitas vezes, se constrói o perfil da vítima. 
Porém, é essencial que haja sentido crítico e abertura para entender e assimilar situações que se possam afastar destes perfis.

Dorothy Koomson expõem esta situação de uma forma muito compreensiva. Além disso, foi capaz de construir cenas que sensibilizam para a importância de não nos agarrarmos àquilo que são os "típicos" perfis de vítima. 
Foi a primeira vez que me cruzei com esta abordagem nos livros. Considero que o assunto foi bem abordado, quer pelo lado das vítimas, expresso no receio de pedir ajuda policial pois sentiam que as suas queixas seriam ignoradas; quer pelo lado das autoridades/pessoas próximas da personagem que desvalorizavam os pedidos de ajuda por não acreditarem nas histórias nem no estatuto de vítima associado àquela pessoa. 
É muito importante termos consciência dos fatores de risco que aumentam a vulnerabilidade humana, pois são eles que ajudam a delinear intervenções dirigidas aos grupos que pretendemos capacitar e, também, facilitam a ativação de estratégias de apoio. No entanto, estes fatores de risco não devem ser olhados de uma forma inflexível, uma vez que ela nos pode cegar perante situações diferentes.  

O final é imprevisível e bastante surpreendente. Dificilmente me irei esquecer das reviravoltas que as realidades da Pieta e da Jody sofreram, bem como da revelação do assassino da venda.

Classificação

 

Opinião | "Rapariga Silenciosa" (Rizzoli & Isles #9) de Tess Gerritsen

27.12.21

Untitled design (5).jpg

Tenho andado muito desaparecida, mas na vida há prioridades e eu estive dedicada a elas. As leituras nunca estiveram totalmente paradas, refletindo-se nas 10 opiniões que tenho para partilhar contigo. Queria publicá-las todas antes do final do ano, mas é impossível (além de que não quero inundar o blogue com opiniões em série). Vou, pelo menos, tentar publicar uma por dia. 

Rapariga silenciosa foi o último livro da estante da Daniela que veio parar cá a casa e que me permitiu continuar a acompanhar o trabalho da inspetora Jane Rizzoli. 
Eu gosto muito dos livros desta série. São leituras quase sempre certeiras: bons momentos de suspense, uma narrativa interessante e um desfecho imprevisível. 

A China e as suas lendas são uma das grandes fontes de inspiração para tudo o que aconteceu às personagens não residentes. Para mim foi muito interessante ler algumas destas lendas, perceber a influência destas na forma de estar e de pensar das pessoas e de que forma isto causa confusão nos ocidentais. Foi muito interessante perceber que este livro é o mais intimista da escritora. Nele, ela semeou as suas memórias das histórias que a sua mãe partilhou com ela. Senti que o livro era uma espécie de homenagem à infância que a mãe passou na China e à bagagem cultural que passou às gerações seguintes.

É um livro com pouco espaço para as personagens residentes. Há um grande foco nas histórias de vida paralelas à situação de crime que é preciso de resolver. Além disto, o livro tem a capacidade de levar o leitor a pensar sobre os dilemas morais que muitas vezes a vida oferece ao ser humano. O que é a justiça? De que forma é que as pessoas sentem que as instituições responsáveis foram justas perante os problemas que as assolam? Quem tem a legitimidade para fazer justiça?

Neste livro, encontrei uma história que revela as diferentes tonalidade daquilo que é a justiça humana, o certo e o errado. Não foi o meu livro preferido da série, mas as lendas e a cultura oriental ficaram-me na memória.

Classificação