Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por detrás das palavras

Opinião | "Hotel Sunrise" de Victoria Hislop

Hotel Sunrise by Victoria Hislop
Classificação: 3 Estrelas

Comecei esta leitura com uma enorme vontade de desbravar intensamente aquelas páginas. Os livros anteriores que li de Victoria Hislop deixaram boas recordações e estava curiosa para ver o que este livro reservava. 
Longe de ser um leitura compulsiva, Hotel Sunrise convida a uma leitura mais lenta e mais atenta. O início foi um pouco confuso para mim. Estava a custar-me imenso envolver-me com a história, estava com dificuldades em compreender e assimilar o contexto histórico a que o livro reportava e não me estava a sentir muito cativada com o conteúdo daquelas páginas.

Perante estas dificuldades a leitura avançou devagar e de forma pausada, numa tentativa de amar a história. Paixão, já não iria acontecer, mas o amor poderia nascer da relação com aquelas palavras. E o amor apareceu. Não foi intenso, não foi fulminante e não me arrebatou tanto como aconteceu nos outros livros. Foi um amor confortável e aconchegante e que me levou a pesquisar sobre Famagusta. 

Famagusta é a cidade onde grande parte da ação narrativa se desenrola. É uma cidade Cipriota, muito relacionada com o turismo. A descrição da cidade é maravilhosa e dá vontade de mergulhar os pés naquela água. Associa a esta cidade temos o Hotel de luxo Sunrise, os seus proprietários Aphroditi e Savvas e, dos vários empregados destacam-se elementos de duas famílias com origem distintas. Os cipriotas turcos e os cipriotas gregos.

Eu tinha um desconhecimento total acerca da história do Chipre e penso que isso dificultou um pouco a minha compreensão inicial. Apesar de as coisas se irem clarificando à medida que a narrativa avança, ainda ficaram resquícios de dúvidas e coisas por esclarecer. Claro tudo porque não sei nada acerca das origens deste pais e em como ele foi construído.

Conseguimos perceber as rivalidades, que são mais alimentadas pelo políticos do que pelos habitantes (como deve ser na maioria dos casos) e vamos acompanho as vidas pacatas das personagens até que a guerra se instala. E é a partir daqui que o livro ganha outra dimensão para mim. Foi aqui que o amor nasceu. Passei a perceber melhor as personagens, apesar de terem ficado lacunas na caracterização de Afrodite de Savvas. São duas personagens importantes, mas que são pouco desenvolvidas. Aphroditi é uma mulher que vai aprender a confiar nos seus instintos da pior maneira possível. Tive pena de ela e Savvas terem sido um pouco desprezados no fim. Parece que a autora os queria despachar e não nos deixou grandes pormenores.

É interessante ler sobre as movimentações de guerra e sobre as estratégias de sobrevivências das pessoas. De que forma a nossa personalidade se modifica só para garantir a nossa sobrevivência e há aqueles que apenas a tentam esconder para que depois de se revele da pior maneira. 

Apesar de ter gostado do livro reconheço que ele poderá não ser do agrado de todos os leitores. O início um pouco lento, a falta de conhecimento em relação ao contexto em que a história se desenrola e as personagens pouco desenvolvidas poderão levar alguns leitores a desistir, o que é uma pena. Insistiam um pouco para descobrirem o outro lado da narrativa, um lado que nos prende e nos deixa curiosos. 

Opinião | "O Regresso" de Victoria Hislop

 

O Regresso


Autor: Victoria Hislop
Ano: 2008
Editora: Civilização Editora
Número de Páginas: 460 páginas
Classificação: 4 Estrelas

Sinopse

Nas ruas calcetadas de Granada, sob as majestosas torres do Alhambra, ecoam música e segredos. Sonia Cameron não sabe nada sobre o passado chocante da cidade; ela está lá para dançar. Mas num café sossegado, uma conversa casual e uma colecção intrigante de fotografias antigas despertam a sua atenção para a história extraordinária da devastadora Guerra Civil Espanhola.
 
Setenta anos antes, o café era a casa da unida família Ramirez. Em 1936, um golpe militar liderado por Franco destrói a frágil paz do país e, no coração de Granada, a família testemunha as maiores atrocidades do conflito. Divididos pela política e pela tragédia, todos têm de tomar uma posição, travando uma batalha pessoal enquanto a Espanha se autodestrói.
 
Cativante e profundamente comovente, o segundo romance de Victoria Hislop é tão inspirador como o seu romance de estreia e bestseller internacional A ilha.
 
Opinião
O Regresso é o segundo livro que leio de Victoria Hislop e não me desiludiu. Apesar de ter gostado mais do primeiro, este conseguiu cativar-me o suficiente para lhe atribuir a mesma pontuação.
Este livro leva-nos numa viagem a uma Espanha marcada pela Guerra Civil e envolve-nos na história de uma família que vive de perto as consequências e as injustiças desta guerra.

O livro inicia-se com a história de Sonia, uma  mulher que passa por alguns problemas no seu casamento e onde uma das suas poucas alegrias são as danças latinas, mais em concreto a salsa. E é numa viagem a Espanha que ela acaba por encontrar o seu caminho e as respostas às suas dúvidas e tristezas.

Em Espanha ela ouve atentamente a história da família Ramirez. Uma família que sofre enormes perdas ao longo do tempo, mas que consegue manter a sua integridade e os seus ideias. Gostei muito dos progenitores desta família, principalmente da mãe Concha. Eram pessoas cheias de força e de coragem, e Concha é a grande representante dessa coragem. Aprecia as felicidades da vida da mesma forma que aguenta estoicamente as vergastadas que a vida lhe dá e fazem curvar, mas nunca cair. Em relação aos filhos, houve um que destacou pelo lado negativo, o Inácio. Um homem frio e cruel que me levou a odiá-lo, ainda tinha a agravante de ser toureiro (não gosto de touradas e sou contra, não consigo ver espectáculo naquilo).
Mercedes era a única filha mulher desta família e uma das grandes protagonistas do livro. Apaixonada pelo flamenco. Toda ela respira dança é a sua grande motivação e aquilo que a faz sonhar. É com esta grande paixão que ela descobre uma outra, Javier, um tocador de guitarra. Gostei muito das passagens em que Mercedes dançava. Ficava fascinada com tudo e principalmente com a facilidade com que a escritora passou para o papel a entrega que ele dava a dança. Era como se a estivesse a ver dançar! Infelizmente, o romance dela com Javier não me convenceu. Não me senti enfeitiçada pela paixão destes dois. Acho que não transpareceu a intensidade que a escritora pretendia que passasse. Na minha opinião, para que essa intensidade passe teria de ter havido mais momentos no livro que passassem a relação dos dois.

Houve aspectos descritivos em relação à guerra que me aborreceram um pouco. Acho que, muito facilmente, a escritora podia resumir para menos páginas e tornaria a leitura mais fluída e menos aborrecida.

Houve uma aspecto no livro que me desiludiu um pouco. É confuso eu explicar-vos o que de facto aconteceu sem meter aqui um grande spoiler, coisa que eu não quero fazer. O ponto chave da narrativa é revelado  no livro duas vezes. A primeira vez penso que foi um pequeno lapso da escritora, porque umas páginas à frente é que ele revelado com toda a intensidade que merece (apesar de ser fácil para o leitor descobrir muito antes).

Qual é vossa opinião? Nos vossos caminhos pela leitura já se cruzaram com Victoria Hislop? Espero que sim porque vale a pena ler um livro dela. Se ainda não leram nada, marquem um encontro numa paragem ao longo desse mágico caminho!

Deixem-se invadir pelas palavras!

Mais sobre mim

foto do autor

Translate

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Reading Challenge

2023 Reading Challenge

2023 Reading Challenge
Silvana (Por detrás das Palavras) has read 0 books toward her goal of 30 books.
hide

Palavra do momento

Por detrás das Palavras

O Clube Mefisto

goodreads.com

Mais visitados

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub